Dezembro 8, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O governo Biden está procurando maneiras de ajudar os refugiados ucranianos a se reunirem com suas famílias nos Estados Unidos

O governo Biden está procurando maneiras de ajudar os refugiados ucranianos a se reunirem com suas famílias nos Estados Unidos

Mais de 3 milhões de refugiados fugiram da Ucrânia devastada pela guerra para países vizinhos em semanas, levando a pedidos de mais países – especificamente os Estados Unidos – para acolher refugiados. O presidente polonês Andrzej Duda pediu pessoalmente à vice-presidente Kamala Harris na semana passada para acelerar e simplificar os procedimentos que permitem que ucranianos com famílias nos Estados Unidos venham ao país.

Para Biden, acolher refugiados ucranianos nos Estados Unidos também ajudaria a reforçar a ideia de unidade ocidental diante da agressão russa, segundo um dos funcionários. O presidente disse à sua equipe que os Estados Unidos devem estar preparados para fazer sua parte, mesmo que os detalhes de como fazê-lo ainda não tenham sido finalizados.

Enquanto trabalham para identificar maneiras de ajudar os ucranianos, funcionários da Casa Branca que monitoram a situação dos refugiados disseram acreditar que a crise ainda está em seus estágios iniciais, com potencial para se expandir significativamente nas próximas semanas ou meses. Há preocupações entre alguns de que a Polônia, juntamente com os países pobres da região, não será capaz de absorver o fluxo constante de migrantes que pode durar meses, segundo autoridades.

Isso aumentou a urgência das discussões sobre a ajuda dos EUA, já que os assessores de Biden trabalham para desenvolver opções que possam aliviar o fardo dos vizinhos da Ucrânia.

O secretário de Estado Anthony Blinken disse na quinta-feira que o governo está trabalhando em estreita colaboração com a agência de refugiados das Nações Unidas para descobrir como os Estados Unidos podem apoiar os refugiados ucranianos e está avaliando o que o governo pode fazer para facilitar a reunificação familiar.

“Estamos analisando coisas que podemos fazer por nós mesmos e fazê-las diretamente. Por exemplo, analisando as etapas que podemos tomar na reunificação familiar e outras coisas que podemos fazer para apoiar e realmente participar desse esforço, ” Blinken disse, acrescentando que o governo também forneceu milhões em ajuda humanitária.

No entanto, é improvável que haja um ataque de refugiados ucranianos aos Estados Unidos da mesma forma que aconteceu com os afegãos no ano passado, já que alguns devem permanecer na Europa devido aos laços lá. Mas a necessidade de ajudar os países da região que aceitam esses refugiados está crescendo.

READ  Partido Conservador de Johnson perde redutos em Londres nas eleições locais

Durante reuniões em Varsóvia, Duda Harris alertou que os recursos de seu país estavam sendo severamente prejudicados pelo afluxo de refugiados, mesmo quando seu país os recebeu de braços abertos. Harris recebeu uma mensagem semelhante no dia seguinte na Romênia, para onde milhares de refugiados fugiram.

Nas reuniões, Harris deixou claro que os Estados Unidos estavam dispostos a fornecer mais assistência financeira a esses países para lidar com novos fluxos de refugiados. Mas as autoridades da Casa Branca também acreditam que haverá uma pressão internacional e do Congresso crescente para acolher mais refugiados nos Estados Unidos, já que é muito mais rico do que as nações do leste europeu que enfrentam o influxo.

“Não há como eles chegarem aqui.”

Atualmente, existem opções limitadas para aqueles que desejam a reunificação familiar nos EUA, levando a pedidos desesperados de ucranianos-americanos dispostos a acolher seus parentes.

O processo de reassentamento de refugiados nos Estados Unidos, por exemplo, pode levar anos. A vice-secretária de Estado Wendy Sherman reconheceu que o processo é longo e árduo em entrevista à CNN na terça-feira, acrescentando: “Sempre recebemos refugiados, mesmo que às vezes demore um pouco para chegar aqui”. Sherman disse que a administração está avaliando os caminhos a seguir diariamente.

Desde outubro, pelo menos 690 refugiados ucranianos foram aceitos nos Estados Unidos, segundo dados do Departamento de Estado. Os refugiados ucranianos se beneficiaram anteriormente da Emenda Luttenberg, que foi promulgada em 1989 para proteger aqueles que fugiam da perseguição religiosa da antiga União Soviética. Essa opção ainda está em aberto, mas dificilmente atenderá à nova e urgente demanda.

Existem maneiras de encurtar o processo em discussão, como uma definição de prioridade que ignore o encaminhamento da agência de refugiados das Nações Unidas para fornecer acesso direto ao Programa de Admissão de Refugiados dos EUA. Há também uma forma de liberdade condicional que permite que pessoas que fogem de crises humanitárias urgentes entrem nos Estados Unidos. Esses dois métodos já foram usados ​​antes em momentos de conflito, inclusive após a evacuação do Afeganistão.

READ  Ilhas Salomão diz que vai restringir a polícia chinesa | notícias de política

Enquanto isso, os defensores dos refugiados estão se preparando para a chegada dos ucranianos.

“Sabemos que eles precisam ser trazidos para cá”, disse Mark Hetfield, presidente da HIAS, uma organização de reassentamento de refugiados, acrescentando que o reassentamento para esses casos pode ser mais fácil, pois há parentes nos Estados Unidos que podem ajudar.

Mas Hetfield advertiu que os ucranianos deveriam vir para os Estados Unidos em um status legal ou receber um caminho para esse status, para evitar uma situação em que ficariam em um limbo legal, como aconteceu com os afegãos.

Pessoas nos Estados Unidos com parentes ucranianos esgotaram muitas opções para trazer suas famílias para o país, mas em alguns casos eles não foram encontrados devido a regras rígidas de visto.

Ashley Testa e seu marido, Misha Gharib, passaram cinco dias em Jacksonville, Flórida, tentando ajudar parentes na Ucrânia a navegar para a fronteira polonesa em busca de segurança. Agora, o obstáculo que eles enfrentam é a mudança de membros da família para os Estados Unidos.

“Não há como eles chegarem aqui”, disse Testa. A única maneira é esperar que o governo dos EUA comece a aceitar refugiados ucranianos.

Esta semana, uma família ucraniana-americana se juntou ao deputado democrata Tom Suzzi, de Nova York, para pedir ao governo que isente os ucranianos que tentam vir aos Estados Unidos com vistos de turista para se conectar com a família.

Mas para obter vistos de turista, os ucranianos devem solicitar e marcar consultas nos consulados dos EUA e provar que estão vindo para os EUA por um curto período – um requisito estabelecido em lei. Isso resultou em alguns ucranianos sendo impedidos de viajar para os Estados Unidos, devido a circunstâncias incertas em seu país, incluindo parentes que se juntaram a Suozzi na segunda-feira.

READ  A rivalidade pessoal entre Biden e Putin é mais intensa do que nunca após o dramático último dia da viagem do presidente dos EUA à Europa

Embora não esteja claro quais as formas de assistência que o governo eventualmente fornecerá às pessoas que desejam entrar nos Estados Unidos, as autoridades também estão rastreando um potencial aumento de ucranianos e russos que podem viajar para os Estados Unidos, inclusive na fronteira sudoeste, o Departamento de Segurança interna. Um funcionário disse à CNN.

O secretário de Segurança Interna, Alejandro Mallorcas, disse a repórteres na quinta-feira que o Departamento de Segurança Interna lembrou às autoridades de fronteira que alguns ucranianos podem ser isentos da Lei de Emergência Pandêmica da era Trump, conhecida como Título 42, que permite a rápida expulsão de imigrantes.

“Foram emitidas instruções aos agentes da Patrulha de Fronteira, lembrando-os do fato de que exceções individuais à autoridade do Título 42 mantidas pelo (CDC) são válidas e podem ser aplicadas aos ucranianos”, disse ele.

Famílias ucranianas e russas começaram a fazer fila em um posto de controle ao longo da fronteira Califórnia-México, de acordo com advogados e advogados no local. Uma família foi autorizada a sair na semana passada.

O governo Biden também tomou algumas medidas para lidar com os ucranianos nos Estados Unidos e aqueles potencialmente dispostos a imigrar para os Estados Unidos, incluindo oferecer alguma forma de ajuda humanitária aos ucranianos que já estão nos Estados Unidos e agilizar os formulários de visto.

O alívio, conhecido como status de proteção temporária, se aplica a pessoas que enfrentariam dificuldades extremas se fossem forçadas a retornar às suas terras natais devastadas por conflitos armados ou desastres naturais. Portanto, a proteção é limitada às pessoas que já estão nos Estados Unidos.

A CNN informou no início deste mês que estima-se que cerca de 75.100 pessoas sejam elegíveis para solicitar o TPS sob a designação da Ucrânia.

Esta história foi atualizada com desenvolvimentos adicionais na quinta-feira.