Fevereiro 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O modelo mais detalhado da superfície da Terra de todos os tempos

O modelo mais detalhado da superfície da Terra de todos os tempos

Evolução da paisagem nos últimos 100 milhões de anos. Crédito: Dr. Tristan Sales, Universidade de Sydney/AAAS

Uma ferramenta digital avançada pode nos ajudar a entender o passado e prever a evolução da superfície da Terra.

A interação do clima, da atividade tectônica e da passagem do tempo cria forças enormes que moldam a aparência do nosso planeta. A suave erosão causada pelos rios só contribui para isso, tornando o que parece ser uma rocha imutável, na verdade, uma superfície em constante evolução.

No entanto, nossa compreensão desse processo complexo tem sido, na melhor das hipóteses, limitada.

Cientistas publicaram uma nova pesquisa que revela um modelo detalhado e dinâmico da superfície da Terra nos últimos 100 milhões de anos.

Trabalhando com cientistas na França, os geocientistas da Universidade de Sydney publicaram este novo modelo na prestigiada revista ciências.


Modelo animado da dinâmica da paisagem nos últimos 100 milhões de anos, mostrando a erosão da paisagem e a deposição de sedimentos. Crédito: Dr. Tristan Sales,[{” attribute=””>University of Sydney

For the first time, it provides a high-resolution understanding of how today’s geophysical landscapes were created and how millions of tonnes of sediment have flowed to the oceans.

Lead author Dr. Tristan Salles from the University of Sydney School of Geosciences, said: “To predict the future, we must understand the past. But our geological models have only provided a fragmented understanding of how our planet’s recent physical features formed.

“If you look for a continuous model of the interplay between river basins, global-scale erosion, and sediment deposition at high resolution for the past 100 million years, it just doesn’t exist. So, this is a big advance. It’s not only a tool to help us investigate the past but will help scientists understand and predict the future, as well.”

Tristan Salles

Lead author Dr. Tristan Salles from the School of Geosciences at the University of Sydney. Credit: Stefanie Zingsheim, The University of Sydney

Using a framework incorporating geodynamics, tectonic and climatic forces with surface processes, the scientific team has presented a new dynamic model of the past 100 million years at high resolution (down to 10 kilometers), broken into frames of a million years.

Second author Dr. Laurent Husson from Institut des Sciences de la Terre in Grenoble, France, said: “This unprecedented high-resolution model of Earth’s recent past will equip geoscientists with a more complete and dynamic understanding of the Earth’s surface.

“Critically, it captures the dynamics of sediment transfer from the land to oceans in a way we have not previously been able to.”


Mapa-múndi animado da evolução da paisagem nos últimos 100 milhões de anos. Crédito: Dr. Tristan Sales, Universidade de Sydney

Dr. Sales disse que entender o fluxo de sedimentos terrestres em ambientes marinhos é vital para entender a química oceânica atual.

“Dado que a química dos oceanos está mudando rapidamente devido às mudanças climáticas causadas pelo homem, ter uma imagem mais completa pode ajudar nossa compreensão dos ambientes marinhos”, disse ele.

O modelo permitirá aos cientistas testar diferentes teorias sobre como a superfície da Terra responde às mudanças climáticas e às forças tectônicas.

Além disso, a pesquisa fornece um modelo aprimorado para entender como o transporte de sedimentos terrestres regula o ciclo de carbono do planeta ao longo de milhões de anos.

“Nossas descobertas fornecerão um histórico dinâmico e detalhado para cientistas de outras áreas prepararem e testarem hipóteses, como ciclos bioquímicos ou evolução biológica”.

Referência: “One Hundred Million Years of Landscape Dynamics from Watershed to Global Scale” Por Tristan Sallis, Laurent Huson, Patrice Rae, Claire Mallard, Sabine Zahirovic, Beatriz Hadler-Bogiani, Nicholas Coltice, Miles Arnold, 2 de março de 2023, disponível aqui . ciências.
DOI: 10.1126/science.add2541

O estudo foi financiado pelo governo australiano e pelo Conselho Australiano de Pesquisa.

Os autores D. Sallis e D. Claire Mallard e Ph.D. A aluna Beatriz Hadler Boggiani é membro do Grupo EarthColab e o Professor Associado Patrice Rey e o Dr. Sabin Zahirovic fazem parte do Grupo EarthByte. Ambos os grupos estão na Escola de Geociências da Universidade de Sydney.

A pesquisa foi realizada em colaboração com geocientistas franceses do CNRS, França, da Universidade de Lyon e da ENS Paris.

READ  Cientistas podem ter localizado o misterioso Planeta X