Junho 16, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, recusa-se a demitir-se e promete intensificar a luta contra “ataques infundados”

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, recusa-se a demitir-se e promete intensificar a luta contra “ataques infundados”
Madrid: O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, disse que não renunciará e intensificará sua luta contra “ataques infundados”, informou a CNN. Seus comentários foram feitos cinco dias depois de ele ter cancelado seu dever público para “refletir” sobre a possibilidade de continuar no cargo, depois que o tribunal espanhol abriu uma investigação contra sua esposa, Begona Gomez.

Sánchez anunciou sua decisão em um discurso televisivo em sua residência oficial em Madri, na segunda-feira. Suas declarações foram feitas depois que uma denúncia de corrupção contra sua esposa, Begona Gomez, foi apresentada pela Manos Limpias (Mãos Limpas), uma organização com ligações à extrema direita.

Ele declarou: “Decidi continuar, com mais força se possível, como chefe do governo espanhol”.

O primeiro-ministro espanhol disse que intensificará a sua luta contra ataques “infundados”, como o que visa a sua esposa, que anteriormente atribuiu às forças conservadoras e à extrema direita, informou a CNN.

Pedro Sanchez disse: “Estou agindo com base em uma convicção clara. Caso contrário, falaremos o suficiente sobre esta deterioração ou ela nos condenará como nação”. Ele acrescentou: “Isto não é uma questão de ideologia. É uma questão de dignidade e de quem somos como sociedade”.

Ele disse: “Minha esposa e eu sabemos que esta campanha (contra nós) não vai parar”, acrescentando que já dura 10 anos. Expressou a sua gratidão aos membros do Partido Socialista Espanhol pelo seu apoio.

A sua decisão foi tomada na segunda-feira, depois de o Supremo Tribunal Regional de Justiça de Madrid ter iniciado uma investigação contra Gómez “sob a acusação de alegado tráfico de influência e corrupção comercial”, na sequência da denúncia de Manos Limpias.

READ  Dmytro Kuleba: As sanções não serão suficientes até que as forças russas deixem a Ucrânia

amplia

Os relatórios da investigação surgiram em 24 de abril, e Sánchez anunciou que suspendeu as suas funções públicas até segunda-feira para “pausar e refletir” sobre se deveria continuar a liderar o governo, informou a CNN.

Em uma postagem no X, Sanchez disse que a reclamação da Clean Hands parecia ser baseada em “supostas informações” publicadas pelo que ele chamou de meios de comunicação digitais de “direita e extrema direita”.

No dia 25 de abril, os procuradores apresentaram ao juiz um recurso contra a investigação e pediram-lhe que adiasse o caso, segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público espanhol.

No mesmo dia, a Manos Limpias admitiu que se baseou em reportagens da imprensa na sua queixa judicial. “Caberá a um juiz determinar se as informações da imprensa são precisas ou não”, disse o grupo em comunicado.

Uma fonte da promotoria espanhola disse que a promotoria não encontrou indícios de um crime que justificasse a abertura de uma investigação contra Gomez, informou a CNN.

Na sexta-feira, outro grupo ligado a questões conservadoras, Hazte Oir (Make Yourself Heard), anunciou a sua queixa ao mesmo tribunal contra Gomez, citando apenas o alegado “tráfico de influência” contra ela.

Em uma postagem no site “Restaure a dignidade da política e comprometa-se a deter aqueles que tentam minar a nossa democracia.”

Entretanto, o líder do Partido Popular conservador, Alberto Nunez Viejo, afirmou: “Esta crise não começou na quarta-feira passada e não termina hoje. Faz parte de diferentes anos de constrangimento, sobretudo os mais famosos desta actual legislatura. o que levou ao declínio da estabilidade.”