Julho 19, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

ONU pressiona generais em guerra do Sudão após saque de ajuda

ONU pressiona generais em guerra do Sudão após saque de ajuda
  • Funcionário de ajuda da ONU busca reuniões pessoais com facções sudanesas
  • As Nações Unidas disseram que seis caminhões carregados de suprimentos humanitários foram saqueados
  • A luta continua apesar da suposta trégua entre os generais

CARTOUM (Reuters) – A Organização das Nações Unidas (ONU) pressionou facções em guerra no Sudão nesta quarta-feira para garantir passagem segura para ajuda humanitária depois que seis caminhões foram saqueados e ataques aéreos na capital minaram uma suposta trégua.

O secretário-geral de ajuda da ONU, Martin Griffiths, disse que espera manter reuniões presenciais com as partes em conflito no Sudão dentro de dois a três dias para obter garantias deles para comboios de ajuda para entregar suprimentos de socorro.

Griffiths disse à Reuters em entrevista por telefone de Jeddah, na Arábia Saudita, após uma visita a Port Sudan com o objetivo de planejar uma operação de socorro em grande escala, que a reunião pode ocorrer em Cartum, a capital, ou em outro local.

“É importante para mim que nos encontremos fisicamente e cara a cara para discutir isso, porque precisamos que seja um momento público e responsável”, disse ele.

As Nações Unidas alertaram que os combates entre o exército e as Forças de Apoio Rápido paramilitares, que eclodiram em 15 de abril, ameaçam uma catástrofe humanitária que pode se espalhar para outros países. O Sudão disse na terça-feira que 550 pessoas foram mortas e 4.926 ficaram feridas até agora no conflito.

Ataques aéreos foram ouvidos em Cartum e nas cidades vizinhas de Omdurman e Bahri na quarta-feira, mesmo quando ambos os lados concordaram em estender a frágil e quebrada cadeia de tréguas por mais sete dias a partir de quinta-feira.

READ  Alerta de viagem à Itália: tudo o que você precisa saber sobre inundações 'horríveis' que mataram 13 pessoas

Em Cartum, milhões ainda tentavam se proteger da guerra aberta entre um exército que usava ataques aéreos e artilharia pesada e as Forças de Apoio Rápido estacionadas em bairros residenciais.

A maioria dos hospitais estava fora de serviço e muitas áreas estavam sem eletricidade e água, pois o suprimento de comida e combustível diminuía.

Sob pressão de mediadores internacionais para negociações de paz, o exército sudanês disse que enviaria um enviado para conversar com os líderes do Sudão do Sul, Quênia e Djibuti.

A ajuda estagnou no país de 46 milhões de pessoas, um terço das quais já depende de ajuda humanitária.

Falando anteriormente, Griffiths disse que foi informado pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas que seis caminhões que viajavam para a região oeste de Darfur foram saqueados no caminho, apesar das garantias de segurança e proteção.

Griffiths disse em entrevista à Reuters que falou por telefone com o chefe do Exército, Abdel Fattah al-Burhan, e o comandante das Forças de Apoio Rápido, Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemedti, na quarta-feira para dizer a eles que havia uma necessidade para corredores de ajuda e transferências aéreas específicas.

“Estamos muito claros agora em nossos requisitos operacionais em termos do que precisamos em termos de compromissos deles”, disse ele.

Pressão geral, diz ONU

E em Nairóbi, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que a comunidade internacional deve dizer aos dois líderes que a situação é inaceitável. Ele disse que os dois líderes devem enfrentar pressão para interromper os combates, iniciar o diálogo e permitir a transição para um governo civil.

READ  Reformas das pensões em França: o Conselho Constitucional autoriza o aumento da idade para 64 anos

O enviado de Al-Burhan, Daffallah Al-Hajj, disse no Cairo que o exército aceitou as negociações, mas que não haveria discussões cara a cara com o RSF e a comunicação seria por meio de mediadores.

O Sudão do Sul disse que os dois lados concordaram com um cessar-fogo e enviar representantes para as negociações. Hemedti disse em um tweet na quarta-feira que estava comprometido em “abrir e garantir passagens seguras”. Mais tarde, Repórteres Sem Fronteiras afirmou em um post no Facebook que suas forças “ainda controlam 90% das três cidades de Cartum” e disse que confirmou seu “compromisso total com a trégua humanitária declarada”.

As Nações Unidas dizem que cerca de 100.000 pessoas fugiram do Sudão com pouca comida ou água para os países vizinhos.

O conflito se espalhou para Darfur, onde o RSF emergiu de milícias tribais que lutaram ao lado das forças do governo para esmagar os rebeldes em uma guerra de 20 anos.

O exército e as Forças de Apoio Rápido uniram forças em um golpe há dois anos e compartilharam o poder em uma transição apoiada internacionalmente para eleições livres e um governo civil.

Escrito por Michael George. Edição de Simon Cameron Moore

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.