Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Organismo antifraude da UE acusa Marine Le Pen de peculato | França

O órgão antifraude da União Europeia acusou Marine Le Pen e vários membros de seu partido – incluindo seu pai – de desviar cerca de 620.000 euros enquanto serviam como membros do Parlamento Europeu.

site investigativo francês Mediapart Ele publicou uma seção do novo relatório de 116 relatórios alegando que os eurodeputados usaram indevidamente fundos da UE para fins partidários nacionais.

As acusações acontecem uma semana antes do segundo turno da eleição presidencial, em 24 de abril, na qual Le Pen concorrerá com Emmanuel Macron.

Um porta-voz do partido de extrema-direita National Rally (Comício Nacional) liderado por Le Pen questionou o momento das acusações. O advogado de Le Pen, Rodolphe Posselot, disse à AFP que ficou “chocado com a maneira como Olaf disse isso”. [the European anti-fraud office] agindo.” Ele insistiu que alguns dos relatórios estavam relacionados a “fatos desatualizados com mais de 10 anos”.

“Marine Le Pen competiu nisso. E ela está contestando sem poder ver os detalhes da acusação. É manipulação. Infelizmente, não estou surpreso”, disse Posselot ao canal francês BFMTV.

Segundo o Mediapart, Olaf enviou o relatório aos investigadores franceses em março. Le Pen foi acusada de desviar cerca de € 137.000 em fundos da UE pessoalmente durante seu mandato como membro do Parlamento Europeu entre 2004 e 2017. Louis Elliott, seu ex-sócio e ex-vice-presidente do RN, que agora é prefeito de Perpignan; E Bruno Gollnisch, outro peso-pesado do partido, também foi citado na reportagem como abusando do dinheiro público. Todos negaram qualquer irregularidade.

Em um incidente relatado pelo Mediapart, Marine Le Pen teria apresentado em 2010 um pedido de 5.000 euros por quartos de hotel para 13 membros do partido de extrema-direita para participar de uma conferência intitulada Regiões europeias e a crise financeira. No entanto, um dos participantes teria escrito ao Parlamento Europeu e alegado que a reunião se destinava a discutir a liderança do partido. O participante não identificado disse aos investigadores que Le Pen pendurou uma bandeira europeia no caminho para tirar fotos, depois ordenou que seus colegas “se livrassem dessa merda”.

A promotoria de Paris disse que o arquivo estava “em análise”.

Nenhum dos citados no relatório foi acusado de lucro pessoal, mas de reivindicar fundos da UE para pagar o RN – antiga Frente Nacional (FN) – e eventos. Le Pen disse que não estava ciente de qualquer irregularidade.

Le Pen está sob investigação desde 2018 por alegações de “quebra de confiança” e “uso indevido de fundos públicos” sobre o suposto uso de fundos da UE para assessores parlamentares europeus para financiar salários de funcionários do partido. Naquele mesmo ano, um tribunal da UE decidiu que o bloco poderia recuperar mais de 41.000 euros em fundos públicos que Le Pen usou para pagar seu guarda-costas, um ex-paraquedista que protege seu pai há 20 anos.

Boselot disse que Le Pen “não foi convocado por nenhuma autoridade judicial francesa” e acusou as autoridades europeias de não enviarem a ele ou a Le Pen o relatório final.

Ele disse que a investigação de Olaf foi aberta em 2016 e questionou Le Pen por escrito em março de 2021.

A última pesquisa da Ipsos para FranceInfo e Le Parisien sugere que Macron pode vencer o segundo turno na próxima semana por 10 pontos percentuais.

Ambos os candidatos Eles estão tentando conquistar os apoiadores do candidato de esquerda radical Jean-Luc Melenchon, que por pouco não conseguiu se classificar para a segunda rodada. No domingo, Melenchon publicou o resultado de sua consulta de 310.000 apoiadores pagos sobre como 7,7 milhões de pessoas votaram nele na semana passada no próximo domingo. Dos mais de 215.000 que participaram, quase 38% disseram que votariam em branco, enquanto 33,4% disseram que votariam em Macron e menos de 29% disseram que se absteriam.

“O resultado desta consulta não é uma instrução para ninguém. Refere-se à opinião de 215.292 pessoas que participaram. Cada um vai concluir e votar de acordo com sua consciência”, disse. A equipe de campanha de Melenchon disse em um comunicado.

READ  Guerra Ucrânia-Rússia ao vivo: Putin coloca forças nucleares em alerta