Setembro 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Os ataques à usina nuclear ucraniana levaram o secretário-geral das Nações Unidas a pedir uma zona desmilitarizada

Os ataques à usina nuclear ucraniana levaram o secretário-geral das Nações Unidas a pedir uma zona desmilitarizada
  • Embaixador russo alerta para desastre nuclear
  • Zelensky pede à Rússia que devolva a fábrica à Ucrânia
  • Imagens de satélite mostram danos a uma base aérea russa na Crimeia

Kyiv/NOVA YORK (Reuters) – A Rússia e a Ucrânia se acusaram mutuamente de bombardear a maior usina nuclear da Europa enquanto o chefe da Organização das Nações Unidas (ONU) propôs uma zona desmilitarizada no local em meio a temores de desastre.

A agência ucraniana Energoatom disse que o complexo de Zaporizhzhia foi bombardeado cinco vezes na quinta-feira, inclusive perto de onde o material radioativo estava armazenado. Autoridades nomeadas pela Rússia disseram que a Ucrânia bombardeou a fábrica duas vezes, interrompendo a mudança de turno, disse a agência de notícias russa TASS.

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu na quinta-feira para discutir a situação. O secretário-geral Antonio Guterres pediu a ambos os lados que parem com todos os combates perto da fábrica.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“A instalação não deve ser usada como parte de nenhuma operação militar”, disse Guterres em um comunicado. “Em vez disso, é necessário um acordo de nível técnico urgente sobre um perímetro de desarmamento seguro para garantir a segurança da área”.

A Rússia ocupou Zaporizhia em março depois de invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro. A fábrica, perto da linha de frente dos combates, está sob o controle das forças russas e é administrada por trabalhadores ucranianos.

Na reunião do Conselho de Segurança, os Estados Unidos apoiaram o apelo por uma zona desmilitarizada e instaram a Agência Internacional de Energia Atômica a visitar o local. Consulte Mais informação

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzia, disse que o mundo está “à beira de uma catástrofe nuclear comparável em escopo a Chernobyl”. Ele disse que funcionários da AIEA podem visitar o local ainda este mês.

READ  Jornalista americano Brent Reno foi baleado e morto por forças russas na Ucrânia

A Reuters não conseguiu verificar de forma independente os relatórios de ambos os lados sobre as condições na fábrica.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky exigiu que a Rússia devolvesse a fábrica ao controle da Ucrânia.

“Somente a retirada completa dos russos e a restauração do controle total ucraniano sobre a situação em torno da usina podem garantir a retomada da segurança nuclear para toda a Europa”, disse ele em um discurso em vídeo.

A França ecoou a exigência de Zelensky e disse que a ocupação russa do local colocou o mundo em perigo.

“A presença e os movimentos das forças armadas russas perto da usina aumentam significativamente o risco de um acidente com graves consequências”, disse o Ministério das Relações Exteriores francês em comunicado.

Kyiv e Moscou já se culparam pelos ataques ao local. A Ucrânia também acusou a Rússia de disparar mísseis contra cidades ucranianas das proximidades da usina nuclear capturada, sabendo que a resposta da Ucrânia ao incêndio seria arriscada.

Base russa no crime

Separadamente, imagens de satélite divulgadas na quinta-feira mostraram a devastação em uma base aérea na Crimeia, anexada à Rússia. Especialistas militares ocidentais disseram que isso indica que a Ucrânia pode ter uma nova capacidade ofensiva de longo alcance com potencial para mudar o curso da guerra.

Imagens tiradas pela empresa independente de satélites Planet Labs mostraram três crateras quase idênticas onde edifícios da Base Aérea de Saki, na Rússia, foram bombardeados com aparente precisão. A base, localizada na costa sudoeste da Crimeia, sofreu danos extensos pelo fogo, com pelo menos oito aviões de guerra destruídos claramente visíveis.

READ  Russos discutem matar civis em interceptação de rádio de inteligência alemã

A Rússia negou ter atingido aviões e disse que as explosões na base na terça-feira foram acidentais. A Ucrânia não reivindicou publicamente a responsabilidade pelo ataque.

Referindo-se aos danos, o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak disse à Reuters em uma carta: “Oficialmente, não confirmamos ou negamos nada… tendo em mente que há vários pontos de explosão exatamente ao mesmo tempo”.

Zelensky disse às autoridades que parassem de falar com repórteres sobre as táticas militares de Kyiv contra a Rússia, dizendo que tais declarações eram “francamente irresponsáveis”. O New York Times e o Washington Post citaram autoridades não identificadas dizendo que as forças ucranianas foram responsáveis ​​pelo ataque da Crimeia. Consulte Mais informação

A Rússia, que tomou e anexou a Crimeia em 2014, está usando a península como base para sua frota do Mar Negro e como uma importante rota de abastecimento para as forças invasoras que ocupam o sul da Ucrânia, onde Kyiv planeja lançar um contra-ataque nas próximas semanas.

contra ataque

O Instituto para o Estudo da Guerra disse que as autoridades ucranianas estão enquadrando a ofensiva da Crimeia como o início do contra-ataque da Ucrânia no sul, indicando fortes combates em agosto e setembro que podem decidir o resultado da próxima fase da guerra.

Como o ataque foi realizado permanece um mistério, mas crateras semelhantes e explosões simultâneas parecem indicar que o ataque foi atingido por uma enxurrada de armas capazes de escapar das defesas russas.

A base está muito além do alcance dos mísseis avançados que os países ocidentais admitem enviar para a Ucrânia até agora, embora esteja entre um grupo de versões mais poderosas que Kyiv tem buscado. A Ucrânia também tem mísseis antinavio que teoricamente poderiam ser usados ​​para atingir alvos em terra.

READ  Papa usando lenço na cabeça desperta sentimentos profundos na Índia

Enquanto isso, o Departamento de Estado dos EUA disse que autoridades russas treinaram no Irã nas últimas semanas como parte de um acordo sobre a transferência de drones entre os dois países. Consulte Mais informação

Autoridades dos EUA disseram no mês passado que o Irã estava se preparando para fornecer à Rússia até várias centenas de drones, incluindo alguns com capacidade de armas, levantando preocupações de que Teerã agora esteja apoiando a Rússia em sua guerra na Ucrânia. Consulte Mais informação

A Rússia diz que sua “operação militar especial” planeja proteger os falantes de russo e os separatistas no sul e no leste. A Ucrânia e seus aliados ocidentais dizem que Moscou pretende aumentar seu controle sobre o máximo de território possível.

Desde o início da guerra, dezenas de milhares foram mortos, milhões fugiram e cidades foram destruídas.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Cynthia Osterman; Edição por Stephen Coates

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.