Julho 15, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Os Estados Unidos estão preocupados com as relações sino-russas com Putin referindo-se à visita de Xi

Os Estados Unidos estão preocupados com as relações sino-russas com Putin referindo-se à visita de Xi
  • Putin se encontra com o diplomata sênior Wang Yi
  • Putin diz que Xi visitará a Rússia
  • Putin: Relações atingem “novas fronteiras”
  • Wang: Outros não podem prejudicar nossas relações
  • Wang: as relações China-Rússia não são dirigidas contra terceiros

MOSCOU/WASHINGTON (Reuters) – Os Estados Unidos estão preocupados com o aumento da acomodação entre China e Rússia depois que o presidente russo, Vladimir Putin, saudou a “nova fronteira” nas relações com Pequim e sinalizou que o presidente chinês, Xi Jinping, o faria, disse o Departamento de Estado nesta Quarta-feira. Visite o país dele.

A notícia da visita de Xi ocorre quando Washington disse que a China estava considerando fornecer armas para a guerra da Rússia na Ucrânia, uma medida que ameaçaria escalar o conflito em um confronto entre a Rússia e a China de um lado e a Ucrânia e a aliança militar da Otan liderada pelos Estados Unidos. Por outro lado.

Putin deu as boas-vindas ao principal diplomata da China, Wang Yi, ao Kremlin na quarta-feira, dizendo-lhe que o comércio bilateral está melhor do que o esperado e pode chegar em breve a US$ 200 bilhões anualmente, ante US$ 185 bilhões em 2022.

“Estamos esperando que o presidente da República Popular da China visite a Rússia, concordamos com isso”, disse Putin a Wang, referindo-se a Xi.

“Tudo está avançando e se desenvolvendo. Estamos alcançando novos patamares”, disse Putin.

Ultimas atualizações

Ver mais 2 histórias

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que a visita de Wang à Rússia na véspera do primeiro aniversário da guerra é mais uma prova da aliança de Pequim com Moscou.

“Estamos preocupados porque esses dois países compartilham uma visão”, disse Price em entrevista coletiva. “É uma visão… de uma era em que os grandes países podem intimidar os pequenos, as fronteiras podem ser redesenhadas à força, uma era em que podem ser corrigidas”, disse ele.

READ  Príncipes Charles em frente ao discurso da rainha Elizabeth no Parlamento

“Ainda não vimos a República Popular da China fornecer ajuda letal à Rússia, mas também não achamos que eles a retiraram da mesa”, acrescentou Price.

A agência de notícias russa Tass citou Wang – que teve uma reunião separada com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov – dizendo que a China “aderirá firmemente a uma postura objetiva e imparcial e desempenhará um papel construtivo na solução política da crise” na Ucrânia.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que acolheu o papel mais ativo da China na resolução do conflito e disse que apreciava a “abordagem equilibrada” da China. Mas o ministério disse em um comunicado separado que Lavrov e Wang não discutiram um plano de paz chinês anunciado.

Para Putin, o apoio das grandes potências à China em meio ao maior confronto com o Ocidente desde o auge da Guerra Fria permite lançar uma luz sobre o isolamento da Rússia no Ocidente como uma inclinação para a Ásia.

Wang disse a Putin que as relações entre os dois países resistiram a uma situação internacional volátil.

A relação China-Rússia, por meio de um intérprete, não foi dirigida contra terceiros, disse Wang, mas da mesma forma “não sucumbirá à pressão de terceiros” – um golpe aparente para os Estados Unidos.

“Juntos, defendemos a multipolaridade e a democracia nas relações internacionais”, disse Wang a Putin.

Quando Xi se encontrou cara a cara com Putin antes de a Rússia enviar tropas para a Ucrânia em fevereiro de 2022, eles selaram uma parceria “sem fronteiras” que causou alarme no Ocidente.

READ  Putin Ali Yevgeny Prigozhin se volta contra autoridades russas em uma onda de facadas nas costas

XI e Putin

Agora mais dependente do que nunca de Pequim, a Rússia é um parceiro minoritário de uma China em ascensão, que já impulsiona muitas tecnologias do século XXI.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, alertou Wang no sábado sobre as consequências se a China fornecer apoio letal a uma invasão russa, algo que Pequim nega ter feito.

Após as advertências de Blinken, que ele deu sem provas, a China disse que os Estados Unidos não estavam em posição de fazer exigências.

Xi apoiou Putin durante o conflito na Ucrânia, resistindo à pressão ocidental para isolar Moscou. O comércio sino-russo disparou desde a invasão, e a China é o maior comprador de petróleo da Rússia, uma das principais fontes de receita do tesouro do estado de Moscou.

Reportagem da Reuters. Edição por Gareth Jones, Michael Martina, David Leungren e Josie Kao

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.