Maio 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Para os europeus, Trump já regressou e a América abandonou a Ucrânia – Politico

Para os europeus, Trump já regressou e a América abandonou a Ucrânia – Politico

Não se espera que a resposta satisfaça o líder alemão.

Um golpe ridículo

Para ambos os líderes, o paradoxo será exaustivamente claro. No início da guerra, foi Schulz quem tomou a iniciativa de Biden. A Alemanha foi a principal retardatária no fornecimento de ajuda militar à Ucrânia e foi Biden quem pressionou o governo Schulz a fazer mais. Na altura, os alemães, temendo ser arrastados para um conflito crescente com Putin, recusaram-se a enviar armas pesadas para a Ucrânia antes que os americanos e outros aliados da NATO o fizessem primeiro.

Esta dinâmica não desapareceu completamente. Apesar dos repetidos pedidos da Ucrânia, Shultz recusou-se até agora a fornecer à Ucrânia mísseis de cruzeiro Taurus de longo alcance, temendo que os ucranianos os utilizem para atacar alvos na Rússia. Enquanto isso, o Reino Unido e a França forneceram mísseis de cruzeiro.

Agora a responsabilidade recai cada vez mais sobre Scholz para assumir a liderança. A Alemanha é Perdendo apenas para os Estados Unidos Na prestação de ajuda militar à Ucrânia, depois de ter fornecido 17,1 mil milhões de euros em ajuda até Outubro do ano passado, segundo estatísticas do Instituto Kiel para a Economia Mundial. Em contrapartida, o Reino Unido forneceu 6,57 mil milhões de euros, enquanto a França contribuiu apenas com 0,54 mil milhões de euros.

À luz destes números, Scholz tem pressionado os países europeus a fornecerem mais ajuda à Ucrânia, e também manifestou preocupação pelo facto de a Alemanha não ter abalado a sua reputação de ambivalente em relação à Ucrânia, apesar da assistência que prestou.

“Estou perturbado pelas constantes críticas que a Alemanha enfrenta porque o governo supostamente não está a fazer o suficiente e está relutante em agir”, disse ele numa entrevista ao semanário alemão Die Zeit. “Fizemos mais do que qualquer outro país da União Europeia – muito mais. É por isso que falo ao telefone com tanta frequência e peço aos meus homólogos que façam mais.

READ  “O cachorro mais velho de todos os tempos” Bobby, cujo título foi suspenso em meio à investigação