Fevereiro 24, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Pequenos barcos: Rishi Sunak pressiona Emmanuel Macron para impedir a travessia de migrantes

Pequenos barcos: Rishi Sunak pressiona Emmanuel Macron para impedir a travessia de migrantes
  • Escrito por Chris Mason
  • Um editor de política viaja com o primeiro-ministro

O primeiro-ministro Rishi Sunak está indo para Paris para pressionar a França a “avançar” em esforços conjuntos para impedir que os migrantes atravessem o Canal da Mancha.

Sunak e o presidente francês Emmanuel Macron se encontrarão no Palácio do Eliseu, juntamente com ministros seniores, para a primeira cúpula anglo-francesa em cinco anos.

O Reino Unido quer fortalecer as patrulhas policiais nas praias francesas, de onde partem muitas pequenas travessias de barcos.

Não se espera que nenhum acordo seja alcançado sobre o retorno de migrantes que chegam ao Reino Unido para a França.

De acordo com os planos, qualquer pessoa que tenha entrado no país ilegalmente não apenas seria removida do Reino Unido em 28 dias, mas também seria impedida de retornar ou reivindicar a cidadania britânica no futuro.

Aqueles que chegam à costa do Reino Unido são repatriados ou outro “terceiro país seguro”, como Ruanda.

Acredita-se que os líderes do Reino Unido e da França se encontrarão por cerca de meia hora.

O governo britânico acreditava que o dinheiro enviado à França para intensificar as patrulhas era uma boa relação custo-benefício e queria ir além.

“Queremos fazer mais e também acreditamos que a França quer impedir que essas gangues ilegais explorem as pessoas”, disse o porta-voz oficial do primeiro-ministro.

“Certamente vamos lá com a ambição de avançar na prevenção de barcos a fazerem estas perigosas travessias”, acrescentou o porta-voz.

Acredita-se que o governo francês seja a favor de um acordo Reino Unido-UE, o que é frustrante para os diplomatas britânicos que gostariam de ver uma ação mais rápida.

“Queremos um acordo de retorno entre a UE e o Reino Unido e vamos levar isso adiante”, disse o porta-voz.

“Mas é igualmente importante que haja ação no terreno agora para impedir as travessias que estamos vendo mesmo nestes meses de inverno”.

Uma fonte do governo francês disse: “Nesta fase, devido ao Brexit, não há acordo de readmissão entre a França e o Reino Unido”.

O Partido Trabalhista disse que a falta de um novo acordo para devolver os migrantes à França “falhou miseravelmente”.

O governo britânico sente que o relacionamento com seus homólogos em Paris sobre esta questão melhorou significativamente nos últimos dois anos.

Mas o desejo de Downing Street de “tornar impraticável a rota de pequenos barcos através do Canal” é uma ambição ousada, dados os números contrários que continuaram a aumentar.

Até agora este ano, cerca de 3.000 pessoas chegaram em pequenos barcos, mas os dois governos afirmam que sua ação conjunta impediu o embarque de um número semelhante.

Espera-se que o anúncio aprofunde a cooperação nesta questão, não um grande avanço.

O Sr. Sunak disse: “Desde enfrentar o flagelo da imigração ilegal até impulsionar o investimento nas economias uns dos outros, o trabalho que fazemos juntos melhora a vida de todos em nossos países.

Além disso, o Reino Unido e a França também têm um papel distinto como defensores da segurança europeia e global.

O Brexit tem sido a pedra angular da relação entre o Reino Unido e a França nos últimos anos.

Londres e Paris desejam enfatizar sua proximidade em muitas outras questões, entre as quais a Ucrânia.

O primeiro-ministro e o presidente darão uma coletiva de imprensa na tarde de sexta-feira e emitirão uma declaração conjunta.

É um mês de atividade particularmente intensa entre os dois países – o rei Charles e a rainha consorte estarão na França em algumas semanas.

No ano que vem marca o 120º aniversário da Entente Cordiale, que pôs fim a séculos de rivalidade entre os dois países.