Fevereiro 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Pesquisa conclui que a energia agrivoltaica na Índia tem um tempo de retorno inferior a cinco anos, Portugal – revista pv

Pesquisa conclui que a energia agrivoltaica na Índia tem um tempo de retorno inferior a cinco anos, Portugal – revista pv

Uma equipa de investigadores da Universidade de Lisboa e da Academia Militar informou sobre a fiabilidade da agrovoltaica em Portugal. Concluiu que filas espaçadas de módulos fotovoltaicos combinadas com culturas favoráveis ​​à sombra apresentam os retornos mais promissores e um período de retorno inferior a cinco anos.

Da revista pv Global

Investigadores de Portugal estudaram a viabilidade da agrovoltaica no país como forma de responder às necessidades de segurança energética e alimentar da população global. Segundo o grupo, Portugal apresenta boas características climáticas para a produção solar e cerca de 12% do território nacional de Portugal está designado como RAN (Reserva Agrícola Nacional) e destina-se apenas à agricultura.

“Com a recente reunião de países para discutir o futuro da energia, ficou estabelecido no PNEC (Plano Nacional Energia e Clima) que Portugal terá cerca de 8 gigawatts de energia solar, o que é 4 vezes o valor da produção atual. é necessário investimento e disponibilidade de terreno para atingir este objetivo”, explicaram os pesquisadores, citando a possibilidade de implantação de parques solares fotovoltaicos no território da RAN.

A equipe descobriu que os sistemas agrovoltaicos podem atingir tempos de retorno de cinco anos ou menos e criar mais valor do que os sistemas fotovoltaicos ou a produção agrícola isoladamente em terra. Além disso, ao estudar dois tipos de layouts – um usando painéis elevados e outro usando painéis espaçados – os pesquisadores notaram que a solução espaçada tinha um pouco mais de potencial do que a alta.

A equipe incluiu uma implementação fotovoltaica convencional para comparação e analisou cenários onde toda a energia produzida pelos painéis era vendida diretamente ao mercado usando um valor calculado. A análise assume que o agricultor tem um PPA e vende energia a 0,043 euros (0,046,34 dólares)/kWh. Células solares de silício monocristalino foram selecionadas para sistemas fotovoltaicos. Para determinar o período de retorno, vários parâmetros foram selecionados usando o software PVsyst, incluindo investimento inicial e custos de O&M e preços de venda de energia.

READ  UE afeta Portugal ao criar datas para as eleições de junho de 2024 - Politico

Para o esquema fotovoltaico espaçado, foi utilizada uma distância entre passos de 20 m, com duas fileiras de um total de 16 módulos cada uma criando um espaçamento mínimo de 15 m entre oito módulos. Os módulos tinham ângulo de inclinação de 55% a -55% e rastreadores foram utilizados para acompanhar o movimento do sol e otimizar a geração de energia. Em um sistema de arranjo fotovoltaico elevado, todos os 16 módulos são instalados em uma série de fileira única para minimizar o sombreamento nas culturas abaixo deles. Novamente, utilizando os rastreadores, foi selecionado um ângulo de inclinação de 55% a -55%. Porém, na instalação de Valvertino, a paisagem produzia muita sombra, então o ângulo de inclinação foi ajustado para 45% e -45%.

A equipe deve escolher quais culturas utilizar para a análise, uma das quais deve ser “adaptada à sombra”. “Assim, a alface é selecionada, adaptada às necessidades e produzida em todo o território nacional de Portugal. Duas outras culturas, embora um pouco menos amantes da sombra, são o tomate e a batata”, notou a equipa.

Os resultados da investigação mostraram que os projetos propostos apresentavam um custo total de energia (LCOE) inferior ao custo da energia no mercado ibérico, com um período de retorno de cerca de 4-5 anos.

As descobertas da equipe estão disponíveis no artigo “Agri-PV em Portugal: Como combinar agricultura e produção fotovoltaica,” publicado em Um potencial para o crescimento sustentável. Fazem parte do grupo investigadores da Universidade de Lisboa e da Academia Militar.