Julho 7, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Petróleo Brent sobe mais de US$ 120 o barril após Arábia Saudita aumentar preços do petróleo

Petróleo Brent sobe mais de US$ 120 o barril após Arábia Saudita aumentar preços do petróleo

Uma plataforma de perfuração opera em uma área de produção de petróleo e gás natural na Bacia do Permiano, no condado de Lea, Novo México, EUA, 10 de fevereiro de 2019. REUTERS/Nick Oxford/ Foto de arquivo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

CINGAPURA (Reuters) – Os contratos futuros de petróleo subiram nesta segunda-feira, com o petróleo Brent subindo acima de 120 dólares o barril depois que a Arábia Saudita aumentou os preços de venda do petróleo em julho, indicando oferta apertada mesmo depois que os produtores da Opep+ concordaram em acelerar os aumentos de produção nos próximos dois meses. .

O petróleo Brent subiu 68 centavos, ou 0,6%, para US$ 120,40 o barril às 0640 GMT, depois de atingir uma alta intradiária de US$ 121,95, ampliando seu ganho de 1,8% na sexta-feira.

Os contratos futuros de petróleo do West Texas Intermediate subiram 61 centavos, ou 0,5%, para US$ 119,48 por barril, depois de atingir uma alta de três meses de US$ 120,99. Ele ganhou 1,7% na sexta-feira.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Arábia Saudita elevou o preço de venda oficial de julho (OSP) de seu principal petróleo bruto Arab Light para a Ásia em US$ 2,10 de junho para US$ 6,50 em comparação com a média dos índices de Omã e Dubai, segundo a produtora estatal de petróleo Aramco. (2222.SE) Ele disse no domingo.

O OSP de julho é o mais alto desde maio, quando os preços atingiram máximas históricas por temores de que as sanções da Rússia fossem interrompidas por sua invasão da Ucrânia. Consulte Mais informação

READ  Rali das ações perde fôlego à medida que crescem as dúvidas sobre crescimento econômico Por Reuters

O aumento de preço ocorreu apesar da decisão na semana passada da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus aliados, chamados de comunidade OPEP+, de aumentar a produção em julho e agosto em 648.000 barris por dia, ou 50% a mais do que o planejado.

O Iraque disse na sexta-feira que pretende aumentar a produção para 4,58 milhões de barris por dia em julho. Consulte Mais informação

Os produtores de petróleo estão “mantendo a palha enquanto o sol brilha”, disse Avtar Sandhu, diretor de commodities da Phillip Futures em Cingapura, acrescentando que a demanda mais alta no verão dos EUA e a flexibilização dos bloqueios do COVID-19 na China devem manter os preços altos. .

A decisão da Opep+ de introduzir aumentos de produção é amplamente vista como improvável de atender à demanda, já que o aumento das alocações se espalhou entre todos os membros, incluindo a Rússia, que enfrenta sanções.

“Embora esse aumento seja extremamente necessário, ele fica aquém das expectativas de crescimento da demanda, particularmente com a proibição parcial da UE às importações de petróleo russo em mente”, disse o analista do Commonwealth Bank, Vivek Dahar, em nota.

Na segunda-feira, o Citibank e o Barclays aumentaram suas previsões de preços para 2022 e 2023 devido ao aperto da oferta russa e ao atraso no retorno do petróleo iraniano.

Analistas do Citi disseram que a reconfiguração dos fluxos para a Ásia pode significar que, eventualmente, a produção e as exportações russas não cairão muito, mas mais na faixa de 1 milhão a 1,5 milhão de barris por dia. Consulte Mais informação

Dos 1,9 milhões de barris por dia de exportações marítimas europeias de petróleo bruto, cerca de 900.000 barris por dia poderiam ser desviados para outros mercados, como China/Índia, ou permanecer em alguns mercados europeus com acesso limitado ao petróleo não russo.

READ  Como investir em bens imobiliários sem falhar na tentativa

O Barclays espera que a produção de petróleo da Rússia caia 1,5 milhão de barris por dia até o final de 2022.

Separadamente, a italiana Eni e a espanhola Repsol podem começar a enviar petróleo venezuelano para a Europa já no próximo mês para compensar o petróleo russo, disseram cinco pessoas familiarizadas com o assunto à Reuters, e retomar as trocas de dívida de petróleo interrompidas há dois anos, quando Washington aumentou as trocas de dívida. Sanções à Venezuela.

No entanto, as pessoas disseram que não se espera que a escala que será adquirida pelas empresas seja grande. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Florence Tan em Cingapura e Sonali Paul em Melbourne; Edição por Himani Sarkar, Robert Persil

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.