Maio 27, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Por dentro da decisão de Biden de anunciar seu ultimato a Israel em relação a Rafah

Por dentro da decisão de Biden de anunciar seu ultimato a Israel em relação a Rafah


Washington
CNN

Presidente Joe Biden A decisão será anunciada esta semana Avise-o que A Grande ataque israelense Na cidade de Rafah, isso levará ao corte de algumas armas americanas, e não foi fácil nem levianamente.

Isto ocorreu após várias rondas de telefonemas com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a partir de meados de Fevereiro, instando-o a reconsiderar os seus planos de invadir a cidade densamente povoada no sul de Gaza que serviu como um canal crucial para a ajuda humanitária.

Horas e horas de reuniões virtuais e presenciais entre os principais assessores de segurança nacional do governo Biden e seus homólogos israelenses tinham como objetivo enviar a mesma mensagem, segundo as autoridades: Existem outras maneiras de perseguir o Hamas, como os assessores de Biden deixaram claro , que impedem que as forças de ocupação invadam uma cidade onde se refugiou. Mais de um milhão de palestinianos procuram segurança.

A vários níveis, o presidente e a sua equipa alertaram Netanyahu que uma grande invasão de Rafah não seria apoiada por armas americanas. Foi uma mensagem que a Casa Branca acreditava ter sido bem compreendida governo em Israel, Funcionários da Casa Branca disseram quinta-feira.

No entanto, esses avisos não são tornados públicos Foi uma medida que Biden há muito temia tomar. Fazer isso marcaria um ponto de viragem e a maior ruptura nas relações EUA-Israel desde o início da guerra em Gaza, após os ataques terroristas do Hamas em 7 de Outubro. Mesmo sob pressão dos progressistas do seu partido para tomar medidas para reduzir o sofrimento humanitário em Gaza, Biden teve o cuidado de evitar uma rixa aberta com Netanyahu.

Contudo, nas reuniões do gabinete de guerra de Netanyahu, a decisão de ir para Rafah parecia iminente. As FDI estabeleceram agora uma presença em Rafah e ao longo da sua fronteira, estrangulando dois pontos de entrada para ajuda e alertando sobre um ataque maior que está por vir.

Eventualmente, disseram as autoridades, Biden passou a acreditar que seus avisos não foram atendidos, então mudou de rumo.

Na semana passada, Biden assinou a suspensão do envio de 3.500 bombas para Israel, que funcionários do governo temiam que fossem lançadas sobre Rafah. E na quarta-feira, sentado numa faculdade comunitária de Wisconsin para uma entrevista com Erin Burnett, da CNN, Biden deixou claro ao mundo o que disse já ter deixado claro a Netanyahu em privado.

“Se eles forem para Rafah, não vou fornecer-lhes as armas que têm sido usadas historicamente para lidar com Rafah, para lidar com cidades – que estão a lidar com este problema”, disse Biden a Burnett.

READ  Líder da Bielorrússia aprova transferência forçada de crianças ucranianas, segundo figura da oposição

Os assessores do presidente disseram que a carta não deveria ter sido uma surpresa para o destinatário pretendido em Israel.

“Posso assegurar-vos que a natureza direta e franca com que ele se expressou e as suas preocupações naquela entrevista com Erin Burnett é consistente com a forma como ele se expressou ao primeiro-ministro Netanyahu e às autoridades israelitas”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby. disse. Ele disse na quinta-feira.

Kirby disse que o governo israelense “compreendeu…há algum tempo” as implicações de um grande ataque a Rafah no futuro dos embarques de armas dos EUA.

Quer as autoridades israelitas estivessem ou não cientes das opiniões do presidente, reagiram com choque ao anúncio público. Netanyahu foi desafiador.

“Se quisermos ficar sozinhos, ficaremos sozinhos. Eu disse que, se necessário, lutaremos com as unhas.” As autoridades israelenses também procuraram minimizar a importância do anúncio de Biden, Daniel Hagari, que disse que Israel já possui as armas. necessita para as missões que necessita. Planeje-o.

Além das bombas de 2.000 libras, Biden disse à CNN que a artilharia poderia ser desativada no caso de uma invasão de Rafah. Embora menor que as bombas, a administração Biden vê a artilharia como armas indiscriminadas e imprecisas que podem causar vítimas massivas em áreas urbanas.

Israel afirmou que a sua campanha actual em Rafah é “limitada”, uma descrição partilhada pelas autoridades americanas. Mas nos bastidores, permanecem dúvidas sobre as intenções de Israel, apurou a CNN, com os EUA a fornecerem clareza limitada sobre como planeiam avançar.

Ao longo do conflito, a frustração de Biden com Netanyahu cresceu, embora o presidente dos EUA tenha afirmado publicamente que o seu apoio ao Estado de Israel é inabalável.

Biden deixou claro que, independentemente do rumo que a guerra entre Israel e o Hamas tome, os Estados Unidos continuarão a ser o aliado mais forte de Israel enquanto ele permanecer como presidente. Os assessores disseram que esta convicção era separada e distante do desenvolvimento da relação do presidente com Netanyahu.

“Israel não é como Netanyahu”, disse um conselheiro sênior de Biden à CNN.

Rafah não era a única fonte de incômodo no relacionamento. De acordo com os conselheiros mais próximos de Biden, o assassinato acidental, pelos militares israelitas, no início de Abril, de sete trabalhadores humanitários na World Central Kitchen em Gaza – um dos quais era cidadão americano – quebrou a já exausta paciência do presidente.

READ  O presidente da Eslováquia escolhe um governo de tecnocratas após a renúncia do primeiro-ministro

Assessores disseram que Biden expressou raiva ao saber da notícia. Ele deixou claro aos seus conselheiros que vê o assassinato de trabalhadores humanitários como um “colapso” inaceitável em algumas das formas fundamentais como se espera que Israel conduza a sua guerra, e que o momento exige uma nova resposta. Sua equipe rapidamente conseguiu um telefonema com Netanyahu.

Várias semanas atrás, Biden compartilhou com seus amigos no Capitólio – em comentários captados por um megafone quente – que ele e o primeiro-ministro provavelmente estavam caminhando para algum tipo de ruptura. Ele esperava que os dois líderes tivessem um momento de “Venha a Jesus”.

Muitos conselheiros não negaram que o telefonema de Biden com Netanyahu em Abril foi pelo menos tão próximo de um momento de “vir a Jesus” como os dois líderes estiveram até então. Na curta chamada, Biden emitiu um novo aviso a Netanyahu: se Israel não corrigir o seu rumo, os Estados Unidos reconsiderarão a forma como apoiam o seu aliado no conflito.

Foi o sinal mais claro de que, após seis meses de guerra, Biden está a começar a considerar seriamente a adaptação do apoio americano a Israel. Mas mesmo então, não se sabia exatamente como seriam essas consequências e que ações Israel tomaria que acabariam por levar Biden ao limite.

Desde o seu apelo, a Casa Branca elogiou Israel por tomar medidas para aumentar a ajuda humanitária, incluindo a abertura de passagens adicionais. No entanto, Rafah continuou a destacar a relação, com as autoridades israelitas a insistirem que o Hamas deve ser perseguido na cidade, mesmo quando os assessores de Biden disseram que não viam um plano para proteger os civis ali.

As reuniões entre os dois lados não conseguiram chegar a um consenso sobre o assunto, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Os responsáveis ​​da Casa Branca não ficaram convencidos com os planos de Israel para proteger os civis e deixaram claro em declarações públicas que uma invasão da cidade seria uma catástrofe humanitária.

“O presidente e a sua equipa deixaram claro há várias semanas que não apoiamos uma grande operação terrestre em Rafah, onde mais de um milhão de pessoas estão abrigadas sem nenhum lugar seguro para ir”, disse Kirby na quinta-feira. “O presidente disse isso publicamente e comunicou isso repetidamente e diretamente ao primeiro-ministro Netanyahu.”

Após a entrevista de Biden à CNN, as autoridades sublinharam que a posição da Casa Branca sobre o condicionamento da ajuda é hipotética: os Estados Unidos não reduzirão o equipamento e as armas fornecidas ao seu aliado de longa data, a menos que lancem a invasão de Rafah.

READ  Atualizações da guerra russo-ucraniana ao vivo: dois mortos por bombardeio russo em Kherson

Mas isso não impediu que os críticos do presidente o acusassem de abandonar Israel, apesar da sua declaração clara de que “não se desvia da segurança de Israel”. Em todo o espectro do Partido Republicano, desde o ex-presidente Donald Trump até o senador Mitt Romney, de Utah, os oponentes políticos de Biden compararam o anúncio a uma mensagem de abandono em meio a uma guerra em curso com terroristas.

Presidente da Câmara, Mike Johnson, que acabou de sobreviver Tentativa de derrubadaEle até observou em entrevista ao Politico que Biden teve um “momento de destaque” quando fez a declaração.

Alguns democratas também expressaram críticas. O senador da Pensilvânia, John Fetterman, um forte defensor de Israel, disse não concordar com o plano de Biden de bloquear alguns envios de armas para Israel, alertando que a medida “mostra ao Hamas que está vencendo a guerra de relações públicas”.

“Estou preocupado com isso e não concordo com o presidente”, disse ele a Manu Raju, da CNN.

“Acho que ele deveria ser libertado”, disse o senador Jon Tester, um democrata vulnerável de Montana, quando questionado sobre a forma como Biden lidou com os carregamentos de armas. O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Ben Cardin, disse que planejava falar com funcionários do governo sobre os detalhes de seu plano ainda na quinta-feira.

“Estou tentando descobrir legalmente o que eles estão fazendo e as razões para isso”, disse ele. “Portanto, até que eu tenha a oportunidade de falar com a administração, não farei comentários específicos”, acrescentou.

Embora a posição do presidente tenha marcado a sua posição pública mais dura em relação a Israel desde o início da guerra, ele também pareceu fazer pouco para satisfazer aqueles no seu próprio partido que apelavam ao fim do apoio americano.

“Acho que é um bom passo em frente. Acho que temos que fazer mais”, disse à CNN o senador Bernie Sanders, socialista democrata de Vermont, acrescentando que o alerta de Biden sobre o condicionamento de armas “deveria ter surgido muito antes”.