Outubro 1, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Portugal enfrenta ceticismo com a promulgação das leis televisivas da Europa

A nova lei de Portugal sobre trabalhar em casa torna a UE um paraíso para os trabalhadores.

As empresas não podem tentar entrar em contato com seus funcionários fora do horário de trabalho. Ajude os funcionários a pagar suas contas de gás, eletricidade e internet. Os empregadores estão proibidos de usar software digital para monitorar o que seus funcionários de telecomunicações estão fazendo.

Apenas um problema: a lei pode não funcionar. Os críticos dizem que as novas regras são incompletas, carentes de detalhes e impossíveis. Eles podem estar relutantes em permitir que as empresas trabalhem em casa.

Em muitas partes do mundo, a epidemia Govt-19 acelerou a tendência para a digitalização do trabalho e arranjos de trabalho mais flexíveis. Em meio a mudanças tão abruptas e maciças no cenário do emprego, os governos estão pressionando para permitir o trabalho em casa em suas leis trabalhistas. Esses esforços muitas vezes ainda estão em sua infância.

Muitos europeus deixaram de ir ao escritório em março de 2020 para evitar a propagação do Covit-19.

Na Europa, diferentemente dos Estados Unidos, as proteções trabalhistas são amplamente consideradas como direitos. Por exemplo, a demissão de um funcionário pode resultar em uma indenização substancial.

Sem o mandato prometido da Comissão Europeia sobre como fazer legalmente a transição de casa para um trabalho mais abrangente, as respostas legislativas dos governos são definitivas e fragmentadas.

Alguns países recomendaram a entrega durante epidemias. Outros – como Portugal – exigiram. A maioria dos países da UE tem leis específicas em relação ao teletrabalho, embora existam abordagens diferentes, enquanto outros o consideram por emendas, extensões ou convenções.

À medida que o trabalho doméstico aumentou nos últimos anos, o direito dos trabalhadores desconectados – permitindo que os funcionários negligenciem assuntos de trabalho fora do horário de trabalho – foi reconhecido antes da epidemia em países como Alemanha, França, Itália, Espanha e Bélgica. Isso está se tornando o padrão atualmente.

READ  Criando um fogo seguro em Portugal

Mas impõe responsabilidade às empresas portuguesas.

A nova lei estabelece que “o empregador tem a obrigação de evitar contato com o empregado fora do horário de trabalho, exceto nos casos de trabalho compulsório”, o que é um evento imprevisto ou incontrolável.

Além disso, os pais ou cuidadores com crianças menores de 8 anos têm direito a trabalhar em casa, se assim o desejarem, desde que o trabalho que realizem seja compatível com o teletrabalho.

As multas para empresas que descumprirem a lei podem chegar a quase 10.000 euros (US$ 11.200) por cada violação.

As regras portuguesas referem-se à deficiência do que se designa por WFH.

A tecnologia de trabalhar em casa também abriu as portas para abusos, como dias de trabalho prolongados, pois os funcionários podem sair de seu turno regular de oito horas. As consequências incluem o desgaste entre o trabalho e a vida pessoal.

Andrea Sambayo está sentada em seu computador em 26 de novembro de 2021 enquanto trabalha em casa em Lisboa.

Mas a nova lei encontrou ceticismo daqueles que procuram protegê-la.

Andreia Sampaio, 37, trabalha no departamento de comunicação em Lisboa, capital de Portugal. Ela concorda com a intenção da lei, mas acha que é muito geral e muito difícil de aplicar.

“Precisamos ter bom senso”, disse ele, observando que, se for um assunto urgente, comunicar fora por horas. “Temos que decidir cada caso com base em seus méritos.”

Desencadeada por uma epidemia, mas projetada para se encaixar no futuro pós-epidêmico, a lei pode entrar em vigor em 1º de dezembro.

Este é em grande parte o pensamento do Partido Socialista de centro-esquerda, que governa Portugal desde 2015. No período que antecede a eleição de 30 de janeiro para um novo governo, está ansioso para queimar suas credenciais progressistas e levantar a bandeira dos direitos dos trabalhadores.

No entanto, há muitas questões práticas: os funcionários devem ser removidos das listas de e-mail da empresa após o término do turno e colocados de volta quando começarem a trabalhar novamente? E quanto aos europeus que trabalham nos mercados financeiros e colegas que trabalham em diferentes fusos horários que precisam saber o que está acontecendo em Hong Kong?

E se uma máquina industrial que não pode ser parada precisar da atenção de um engenheiro com defeito? Funcionário – Quem não pode entrar em contato com o Supervisor do Departamento? CEO da empresa? O que é comunicação – um telefonema, uma mensagem de texto, um e-mail?

“O diabo está sempre nos detalhes… mas também na execução”, disse John Messenger, especialista em condições de trabalho da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas em Genebra.

A Câmara de Comércio Portuguesa, a maior empresa do país, não está envolvida na elaboração da nova lei e considera-a cheia de buracos.

Louis Henrik, do departamento jurídico da federação, diz que as regras do teletrabalho são flexíveis e devem ser negociadas entre empregadores e empregados de acordo com cada departamento.

“Consideramos situações completamente diferentes como iguais. Não é realista”, disse Henrik. “(A lei) não pode ser a mesma.”

A polícia e a aplicação de novas regras em uma das economias mais pobres da UE podem ser um desafio. Em Portugal, a burocracia e o estigma associado à lentidão da justiça e ao mau serviço público, quanto tempo demora para resolver uma reclamação?

O número de pesquisas trabalhistas na Europa caiu na última década, de acordo com dados analisados ​​pela Confederação Europeia de Sindicatos, com sede em Bruxelas, que tem 45 milhões de membros em 39 países europeus.

Qual país viu o maior declínio no número de pesquisas desde 2010? Portugal, com menos 55% de cheques até 2018.

“Leis ambiciosas e progressistas… trabalham contra o fato de que as formas de aplicá-las ainda não estão em vigor”, disse Henrik, da Câmara de Comércio Portuguesa.