Maio 27, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Portugal está pronto para celebrar 50 anos de democracia

Portugal está pronto para celebrar 50 anos de democracia

Quinta-feira marca 50 anos desde a Revolução dos Cravos em Portugal, um golpe militar em África que pôs fim às suas guerras coloniais e deu início à democracia que recentemente teve um encontro com a extrema direita.

Em 25 de Abril de 1974, o regime totalitário mais antigo da Europa Ocidental na altura caiu em poucas horas, quase sem derramamento de sangue, graças a uma revolta de suboficiais que foram imediatamente apoiados pelo público.

Os cravos vermelhos colocados nos rostos das espingardas de jovens soldados que se tornaram heróicos libertadores de um povo que definhava sob uma ditadura que começou em 1926 rapidamente se tornaram a imagem dominante deste momento de convulsão política, económica e social.

O golpe abriria caminho às primeiras eleições livres do país baseadas no sufrágio universal em 25 de abril de 1975, bem como à independência das restantes colónias africanas de Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

“As guerras coloniais tiveram uma influência fundamental para abrir os nossos olhos para a situação em Portugal”, disse à AFP o coronel da reserva Vasco Lorenzo, um dos oficiais que participou no golpe e hoje é presidente da Associação 25 de Abril.

Anúncio – Role para baixo para continuar

Ele disse que o apoio “imediato e esmagador” do público foi muito encorajador para “aqueles que querem uma mudança radical real, liberdade real e democracia”.

Para a historiadora María Inacia Resola, que dirige o evento anual, que inclui centenas de comemorações, o 25 de Abril foi “tecnicamente um golpe, que no mesmo dia se transformou numa revolução”.

Na quinta-feira, alguns dos cerca de 5.000 soldados que fizeram parte da junta marcharão pelo centro de Lisboa em cerca de 15 veículos militares restaurados utilizados nesse dia.

Como acontece todos os anos, o Parlamento realizará uma sessão comemorativa especial e haverá um desfile tradicional, mas este ano as celebrações também incluirão líderes de países africanos que já foram colónias portuguesas.

Alguns esperavam que o passado autoritário de Portugal proporcionasse alguma protecção contra a ascensão da extrema direita, como se viu noutras partes da Europa, mas o partido radical Sega conseguiu um avanço nas eleições gerais do mês passado.

Formado em 2019, obteve 18 por cento dos votos, consolidando a sua posição como a terceira maior força política de Portugal.

Anúncio – Role para baixo para continuar

Embora o seu fundador e líder André Ventura tenha criticado os anos autoritários, o partido tornou-se um refúgio para alguns apoiantes nostálgicos do antigo regime ditatorial.

“Na direita portuguesa, há muitas pessoas que não têm uma visão completamente negativa de Salazar e do seu regime”, disse o investigador italiano Riccardo Marchi, especialista em extrema-direita da Universidade de Lisboa (ISCTE).

Os anos autoritários de Portugal começaram em 1926, após os quais o regime foi consolidado sob o primeiro-ministro António de Oliveira Salazar e continuado a partir de 1968 pelo seu sucessor, Marcelo Caetano.

Anúncio – Role para baixo para continuar

Rita Rado, diretora do Museu da Resistência e da Independência de Lisboa, situado numa antiga prisão onde activistas antifascistas foram torturados, diz que a maioria dos portugueses “não sabe muito sobre o seu passado”.

“O que está a acontecer agora torna ainda mais claro o quão importante é para os jovens aprenderem sobre a história recente do nosso país”, disse Rado, um antigo legislador comunista.

READ  Também eliminou 800 empregos, deixando a Noruega, a Espanha e Portugal

De acordo com uma pesquisa publicada na sexta-feira, metade dos entrevistados disse que o regime anterior tinha mais aspectos negativos do que positivos, mas um quinto disse o contrário.

Dois terços – ou 65 por cento – disseram que a Revolução dos Cravos foi o acontecimento mais importante da história de Portugal, mais do que o fim da sua monarquia em 1910 ou a sua entrada na União Europeia em 1986.

Até 1974, Portugal era “um país pobre, atrasado, analfabeto e isolado do resto do mundo”, disse o historiador Resola.

Mas os acontecimentos de Abril de 1974 ajudaram a “modernizá-lo a todos os níveis”, acrescentou.