Maio 24, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Portugal evita intervenção para controlar subida da inflação alimentar

Portugal evita intervenção para controlar subida da inflação alimentar

O ministro da Economia de Portugal descartou qualquer intervenção do governo para conter o aumento dos preços dos alimentos que está afetando fortemente as famílias, citando o mercado como o melhor mecanismo de preços.

Antonio Costa Silva disse à rádio TSF que implementar tetos de preços ou recorrer a cortes de imposto sobre valor agregado (IVA) em produtos básicos simplesmente não funcionará, citando o exemplo da vizinha Espanha, onde o efeito de tais cortes de impostos nos preços é “rapidamente consumido longe pela inflação”.

“O mercado é a melhor ferramenta para definir preços… e a autorregulação (pelos retalhistas) é fundamental porque outras intervenções (públicas) que temos visto, mesmo na Europa, podem não funcionar”, disse Costa Silva. “Sempre que você define os preços administrativamente, as coisas não funcionam.”

O Governo vai discutir e analisar a evolução dos preços com os retalhistas alimentares, de forma a garantir que estão atentos aos aumentos de preços que afetam particularmente as famílias.

crescimento da inflação

A inflação portuguesa diminuiu para 8,2% em fevereiro em relação ao ano anterior, de 8,4% no mês anterior, mas o núcleo da inflação acelerou, com os preços de alimentos não processados, como frutas e legumes, subindo 20,11%.

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse na passada terça-feira que as investigações da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica ASAE sobre as margens de lucro de grandes retalhistas alimentares como Geronimo Martins e Soane vão “reduzir esses aumentos de preços”.

A Soane, proprietária da maior varejista de alimentos de Portugal, registrou um prejuízo recorrente na quinta-feira.

especulação de preços

Questionado sobre se houve especulação de preços por parte dos retalhistas, Costa Silva disse que embora os estudos da ASAE mostrem margens de lucro bruto de 40% em alguns produtos, “não indicia qualquer atividade ilegal, é preciso analisar as margens de lucro líquido”.

READ  Triatletas portugueses rumo a Paris 2024

“O pior que pode acontecer é viver em um país com suspeita generalizada e temos que acabar com isso”, disse ele.

Por mensagem ReutersRelatórios adicionais por ESM- Sua fonte para as últimas notícias do varejo. Clique em Assinar para se registrar ESM: Revista Europeia de Supermercados.