Junho 20, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Portugal participa na construção de instrumento de primeira classe para o maior telescópio do mundo – Eurasia Review

Portugal participa na construção de instrumento de primeira classe para o maior telescópio do mundo – Eurasia Review

Uma equipa de investigação da Universidade de Lisboa e da Universidade do Porto (Portugal) está a participar no desenvolvimento do METIS (Mid-Infrared ELT Imager and Spectrograph). Este poderoso instrumento equipa o maior telescópio do mundo (Extremely Large Telescope (ELT)) – em construção no European Southern Observatory (ESO) em Armazones, Chile.

Nesta fase crítica de aceitação do design completo e final do METIS, o ESO apresenta uma ilustração que demonstra as capacidades excepcionais do instrumento.

O METIS detectará radiação invisível ao olho humano, ou seja, radiação “sensível” na forma de “calor”. Ele usará o espelho primário gigante do ELT, medindo cerca de 39 metros, para estudar uma miríade de tópicos científicos com precisão revolucionária, desde objetos em nosso sistema solar até galáxias ativas distantes.

“Esta é uma das ferramentas mais complexas da ELT e a participação da equipa portuguesa é um testemunho das capacidades nacionais no desenvolvimento de grandes projectos internacionais. Estar envolvido neste projecto permite-nos não só utilizar a sua experiência, mas também aumentá-la tendo em conta os desafios inerentes. Permite a Portugal estar na vanguarda na monitorização do tempo, e também, envolvendo todo o ecossistema, incentivando a participação da indústria”, afirma Marta Gonçalves, Gestora de Programas Científicos e Educativos da Agência Espacial Portuguesa .

“Participar no desenvolvimento do METIS tem sido um grande desafio, que põe à prova as nossas capacidades de criação de instrumentos de descoberta, simulação e astrofísica. Projectos como este ajudam a promover e melhorar a participação da indústria portuguesa em projectos internacionais de referência. Posicionam estamos estrategicamente na linha da frente como professores, investigadores, engenheiros e alunos.” afirma António Amorim, professor e membro do Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Centro – Centro de Astrofísica e Gravitação.

READ  Vídeo: ASSISTA: Mau tempo atinge Finlândia e Portugal

A contribuição portuguesa para o desenvolvimento do METIS tem várias frentes. Uma grande contribuição é a construção, alinhamento e acessibilidade da estrutura de suporte mecânico do instrumento, conhecida como Estrutura de Suporte Mecânico (WSS). Portugal contribui para a equipa operacional e equipa científica do METIS.

O custo total do instrumento METIS é de cerca de € 95 milhões e sua massa é de cerca de 12 toneladas (equivalente a um ônibus de dois andares). Para Mercedes Filho, gestora do projeto METIS em Portugal e investigadora do Departamento de Física da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), “o WSS tem sérias necessidades. Por um lado, o WSS deve posicionar o instrumento com um ciclo em 10 milionésimos e uma precisão de 100 milhões de metros. Por outro lado, o WSS deve suportar um grande terremoto com total segurança e pode suportar um peso equivalente a 40 toneladas! ”.

O projeto METIS conta ainda com a participação de alunos de doutoramento e mestrado, como André Bon e Ricardo Costa, doutorando em Engenharia Física na Ciencias Ulíspova e mestre em Engenharia Mecânica na FEUP.

No caso da astrofísica, muitas descobertas científicas são elaboradas dado o custo muito elevado e a concorrência por infraestruturas, explicou Paulo García, co-responsável pela participação portuguesa no METIS, investigador do CENTRA e professor do Departamento de Física. (DEF) na FEUP: “Portugal terá acesso privilegiado ao METIS, um excelente instrumento científico que nos levará ao futuro da astrofísica para fazer observações de fenómenos celestes. O METIS permitirá um estudo sem precedentes de muitos tópicos astrofísicos, e nossa prioridade no CENTRA é estudar o campo gravitacional próximo ao buraco negro supermassivo no centro de nossa galáxia. Em particular, pretendemos encontrar novas estrelas em órbitas mais próximas do buraco negro do que as conhecidas atualmente e estudar seu movimento.

READ  Portugal vai aumentar as taxas dos leilões solares em linha com a inflação

Outros investigadores portugueses envolvidos na preparação científica desta iniciativa são Andre Moidinho, professor das Ciências Ulisboa, Koraljka Music, investigador da FEUP e Alexandre Correa, professor do Departamento de Física da Universidade de Coimbra.

O ELT está em construção pelo ESO em Armazones, Chile. Quando o ELT estiver operacional em meados desta década, será o maior telescópio óptico e infravermelho terrestre. Com seu espelho primário de 39 metros de diâmetro e sistemas avançados de óptica adaptativa, o telescópio pode ver detalhes seis vezes mais finos do que o Telescópio Espacial James Webb e 20 vezes mais finos do que o Telescópio Hubble.