Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Primeiro-ministro paquistanês Imran Khan deposto em voto de desconfiança

Primeiro-ministro paquistanês Imran Khan deposto em voto de desconfiança

ISLAMABAD (Reuters) – O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, foi deposto neste domingo depois de perder um voto de confiança no Parlamento após ser abandonado por parceiros da coalizão que o culparam pela desaceleração da economia e pelo fracasso em cumprir suas promessas eleitorais.

O presidente da Câmara, Ayaz Sadiq, anunciou o resultado da votação, o culminar de uma sessão de 13 horas que incluiu repetidos atrasos, pouco antes das 0100 (2000 GMT no sábado).

Khan, de 69 anos, foi deposto após 3 anos e meio como chefe da nação de 220 milhões de pessoas com armas nucleares, onde os militares governaram por quase metade de seus 75 anos de história.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A votação no final da noite ocorreu após várias sessões de adiamento no salão, convocadas por longos discursos de membros do partido de Khan, que disseram que havia um plano dos EUA para expulsar o astro do críquete que virou político.

Sadiq disse que os partidos da oposição conseguiram 174 votos na Câmara dos Deputados de 342 membros para apoiar a moção de desconfiança, tornando-a uma votação majoritária.

“Como resultado, a moção foi aprovada contra o primeiro-ministro Imran Khan”, disse ele às mesas.

Havia apenas alguns legisladores do partido governante de Khan presentes para a votação.

Duas fontes, que falaram sob condição de anonimato, disseram que a Câmara dos Deputados votou depois que o poderoso chefe do Exército do país, general Qamar Javed Bajwa, se encontrou com Khan, enquanto as críticas aumentavam pelo atraso no processo parlamentar.

O Parlamento deve se reunir na segunda-feira para eleger um novo primeiro-ministro.

READ  Guerra russo-ucraniana: forças do Azovstal dizem que "rendição não é uma opção" | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

O líder da oposição Shahbaz Sharif, o favorito para liderar o Paquistão, disse que a saída de Khan é uma oportunidade para um novo começo.

“Um novo amanhecer começou”, disse Sharif, de 70 anos, no Parlamento. “Esta aliança reconstruirá o Paquistão”.

Sharif, o irmão mais novo do três vezes primeiro-ministro Nawaz Sharif, tem uma boa reputação como funcionário administrativo eficiente. Consulte Mais informação

As eleições não devem ocorrer até agosto de 2023. No entanto, a oposição disse que quer eleições antecipadas, mas somente depois de derrotar Khan e aprovar uma legislação que diz ser necessária para garantir que as próximas eleições sejam livres e justas.

Khan chegou ao poder em 2018 com o apoio dos militares, mas recentemente perdeu sua maioria parlamentar quando aliados se retiraram de seu governo de coalizão. Analistas disseram que também havia indicações de que ele havia perdido o apoio dos militares.

Os partidos da oposição dizem que ele não conseguiu reanimar a economia atingida pelo COVID-19 ou cumprir suas promessas de tornar o Paquistão um país próspero e livre de corrupção, respeitado no cenário mundial.

Sua expulsão ampliou o histórico pouco invejável de instabilidade política do Paquistão: ele completou seu mandato completo desde a independência da Grã-Bretanha em 1947, embora Khan seja o primeiro a ser removido por um voto de desconfiança. (gráfico: https://tmsnrt.rs/3JsJaU2)

Os aliados de Khan bloquearam a moção de desconfiança na semana passada e dissolveram a câmara baixa do parlamento, levando a Suprema Corte do país a intervir e deixar a votação passar.

Khan acusou anteriormente os Estados Unidos de apoiar medidas para derrubá-lo porque visitou Moscou para conversar com o presidente Vladimir Putin depois que a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro. Washington rejeitou a acusação.

READ  Atualizações ao vivo: a guerra da Rússia na Ucrânia

O parlamentar do partido de Khan, Muhammad Ali Khan, disse que o primeiro-ministro lutou até o fim e voltaria a liderar o parlamento no futuro.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Cobertura) por Asif Shehzad, Syed Reza Hasan e Gibran Nayyar Bashimam em Islamabad; Escrito por Sanjeev Migliani; Edição por William Mallard, Jean Harvey e Jonathan Otis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.