Março 25, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Putin e Assad discutem a reconstrução da Síria e questões regionais

O presidente russo, Vladimir Putin, recebeu o presidente sírio, Bashar al-Assad, no Kremlin na quarta-feira para conversas focadas na reconstrução da Síria. Após uma devastadora guerra civil e esforços para estabilizar a região.

Dando as boas-vindas a Assad no início do encontro, que aconteceu no 12º aniversário do levante sírio que se transformou em guerra civil, Putin enfatizou a “contribuição decisiva” dos militares russos para a estabilização do país.

A Rússia tem travado uma campanha militar na Síria desde setembro de 2015, cooperando com o Irã para permitir que o governo de Assad lute contra grupos armados de oposição e recupere o controle da maior parte do país. Enquanto a Rússia agora concentra a maior parte de seus recursos militares na Ucrânia, Moscou manteve sua posição militar na Síria e manteve aviões de guerra e tropas estacionadas lá.

Al-Assad agradeceu a Putin por seu apoio à soberania e integridade territorial da Síria, observando que o apoio do Kremlin permaneceu forte, apesar dos combates na Ucrânia.

“Embora a Rússia agora também esteja conduzindo a operação especial, sua posição não mudou”, disse al-Assad, usando o termo do Kremlin “operação militar especial” para se referir à ação da Rússia na Ucrânia e expressando seu apoio aos esforços de Moscou.

As duas rodadas de conversas entre os dois líderes, a primeira envolvendo altos funcionários dos dois países e depois uma reunião individual durante o almoço, duraram mais de três horas. Os ministros da Defesa da Rússia e da Síria também se reuniram separadamente para discutir a cooperação militar.

O gabinete de Assad disse no Twitter que os dois líderes discutiram “cooperação conjunta em várias formas e desenvolvimentos nas arenas regional e internacional”. Ele observou que al-Assad “renovou a posição da Síria em apoio ao direito da Rússia de defender sua segurança nacional”.

READ  Cães de Kim Jong-un acabam no zoológico da Coreia do Sul após disputa sobre custos de cuidados | Kim Jong Un

Moscou forneceu forte apoio político a Assad nas Nações Unidas e intermediou ativamente para ajudar a consertar as relações de seu governo com as potências regionais.

Alguns países árabes que no passado pediram a queda de Assad enviaram ajuda após o catastrófico terremoto de 6 de fevereiro. Isso atingiu a Turquia e a Síria, matando mais de 50.000, incluindo mais de 6.000 na Síria.

A simpatia internacional após o terremoto parece ter acelerado a convergência regional, Com alguns pedindo diálogo com a Síria e retornando o país à adesão à Liga Árabe de 22 nações, após mais de uma década de suspensão de sua adesão devido à repressão nos primeiros meses do levante que se transformou em guerra.

Como parte da reaproximação em andamento, os ministros das Relações Exteriores do Egito e da Jordânia fizeram recentemente suas primeiras visitas a Damasco desde o início do conflito em março de 2011 e se encontraram com Assad.

Na quarta-feira, Assad também agradeceu a Putin por enviar equipes de resgate e envolver seu exército baseado na Síria nos esforços de resgate e ajudar a lidar com as consequências do terremoto.

antes do terremotoA Rússia estava mediando as negociações entre a Turquia e a Síria.

A Turquia apoiou grupos armados de oposição na Síria que tentaram derrubar o governo de Assad durante a guerra civil que matou quase 500.000 pessoas e deslocou metade da população pré-guerra do país. A Síria exigiu que a Turquia se retirasse do enclave que controla no noroeste da Síria, para que Damasco normalize suas relações com Ancara.

Em dezembro, Moscou sediou conversas surpresa entre os ministros da defesa sírio e turco. A mídia árabe informou que um dos principais tópicos que Assad e Putin discutirão durante a reunião na quarta-feira é a reconciliação entre a Síria e a Turquia.

READ  Onze passageiros morreram num incêndio de ferry na Grécia

Em resposta a uma pergunta antes das conversas de Putin com Assad se eles poderiam desempenhar um papel na restauração das relações sírias com a Turquia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, respondeu que “a questão das relações sírio-turcas sem dúvida fará parte da agenda das negociações”.

Embora a Turquia tenha apoiado combatentes da oposição síria no norte, Ancara e Damasco compartilham ressentimento com as Forças Democráticas Sírias (SDF) lideradas pelos curdos e apoiadas pelos EUA no nordeste da Síria. Combatentes da oposição apoiados pela Turquia entraram em confronto com o SDF no passado, acusando-o de ser um braço do ilegal Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) vem travando uma insurgência de décadas dentro da Turquia contra o governo de Ancara.

O governo Assad via o SDF como uma força separatista que estava roubando a riqueza do país enquanto controlava os principais campos de petróleo da Síria.

O gabinete de Assad disse em um comunicado após as negociações que Putin e Assad falaram sobre “iniciativas regionais apoiadas por Moscou”. Al-Assad enfatizou que a Síria apóia o diálogo “se ele levar à realização dos interesses do povo sírio, à unidade e à integridade das terras sírias e a resultados claros, o primeiro dos quais é a continuação da luta contra o terrorismo e a saída. das forças estrangeiras ilegais presentes em seu território.” A declaração não entrou em detalhes.

Espera-se que os vice-ministros das Relações Exteriores da Síria, da Turquia e da Rússia e um importante enviado iraniano mantenham conversas na quarta e quinta-feira em Moscou para discutir “esforços antiterroristas” na Síria, embora o vice-ministro das Relações Exteriores da Síria, Ayman Soussan, tenha dito por pró-governo meios de comunicação. A reunião está “ainda em discussão”.

READ  Putin lança ataque e ouve explosões em Kiev

___

Narrado pelo nome de Marwa de Beirute.