Fevereiro 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Putin visita a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos com a guerra entre Israel e o Hamas na agenda Notícias de política

Putin visita a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos com a guerra entre Israel e o Hamas na agenda  Notícias de política

Espera-se que as negociações se concentrem na guerra entre Israel e o Hamas em Gaza e na cooperação no mercado de petróleo, segundo um porta-voz do Kremlin.

O presidente russo, Vladimir Putin, que desempenha um papel mais influente no Médio Oriente, deverá visitar os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita na quarta-feira, e receber o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, em Moscovo, no dia seguinte.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na terça-feira que as negociações se concentrariam nas relações bilaterais e na guerra entre Israel e o Hamas.

Peskov disse que as discussões sobre a cooperação no mercado petrolífero estarão na agenda das conversações, uma vez que Moscovo está a cooperar com os três países através da OPEP+, que consiste na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados liderados pela Rússia.

Peskov disse: “Essas discussões estão ocorrendo dentro da fórmula OPEP+, mas a cooperação neste campo está sempre na agenda”.

A OPEP+, que Putin ajudou a criar em 2016, anunciou novos cortes voluntários na oferta na semana passada, o que foi recebido com cepticismo por parte do mercado petrolífero.

Separadamente, o conselheiro de política externa de Putin, Yuri Ushakov, disse que a cooperação saudita-russa dentro da Autoridade de Cooperação Petrolífera tinha sido “frutífera”.

Ushakov disse, de acordo com o que foi relatado pelas agências de notícias russas, que “uma coordenação bastante estreita entre a Rússia e a Arábia Saudita nesta forma é uma garantia confiável de manutenção de uma situação estável e previsível no mercado petrolífero global”.

A tentativa de Putin de reforçar as suas relações com os Estados do Golfo e outros países do Médio Oriente faz parte dos seus esforços para mostrar que as tentativas ocidentais de isolar Moscovo através de sanções devido à sua guerra contra a Ucrânia falharam.

READ  Terremoto de 5,6 graus na Indonésia deixou 162 mortos

O líder russo não fez muitas viagens internacionais depois de o Tribunal Penal Internacional ter emitido um mandado de detenção contra ele, em março, acusando Putin de deportar crianças ucranianas.

Nem os EAU nem a Arábia Saudita assinaram o tratado fundador do Tribunal Penal Internacional, o que significa que não teriam de o prender se ele entrasse no seu território.

No que diz respeito ao actual bombardeamento israelita de Gaza em resposta aos ataques do Hamas de 7 de Outubro, Putin procurou retratar a guerra como um fracasso da diplomacia dos EUA, acusando Washington de optar por fornecer “subsídios” económicos aos palestinianos e de abandonar os esforços para ajudar a criar uma Palestina. estado. Estado Palestino.

Ele sugeriu que Moscovo poderia desempenhar o papel de mediador, graças às suas relações amistosas tanto com Israel como com os palestinianos, dizendo: “Ninguém pode duvidar que estamos a jogar por um lado”.