Junho 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Quando o entretenimento chega ao mundo digital

Nesta era digital, a própria essência do entretenimento sofreu uma profunda transformação, mudando para sempre como consumimos e interagimos com o cativante mundo da diversão. Desde as plataformas de streaming que nos libertaram das restrições da programação condicionada até ao reino imersivo da realidade virtual, o entretenimento digital transcendeu as fronteiras e captou a nossa imaginação como nunca.

Este artigo investiga o universo do entretenimento digital, explorando a sua evolução, impacto e o que o futuro nos reserva.

O crescimento das plataformas de streaming

O aparecimento das plataformas de streaming foi nada menos que uma revolução. É uma transformação que alterou fundamentalmente como consumimos filmes e programas de televisão e música.

Num passado não muito distante, as nossas escolhas de entretenimento eram ditadas pelos horários das estações de televisão e pelas assinaturas de cabo. E, no caso da música, comprar álbuns, aparelhagens em casa, etc.

No entanto, com o aparecimento de gigantes do streaming como a Netflix, Amazon Prime, Disney+ ou Spotify, assistimos a uma mudança sísmica no paradigma do consumo de entretenimento nestas áreas.

Além disso, as plataformas de streaming deram-nos o poder da escolha, libertando-nos das horas marcadas ou lançamentos de álbuns. Em vez disso, podemos desfrutar do nosso conteúdo favorito quando e onde quisermos.

Esta liberdade recém-descoberta permitiu-nos adaptar a nossa experiência de entretenimento aos nossos próprios horários e preferências.

A diversão do gaming e… no online!

Ainda com o cinema e a televisão em mente, outro exemplo de como estas áreas mudaram, em certa parte, a sua essência, é o cruzamento com o mundo gaming.

Primeiro, deram a origem a inúmeros títulos para consolas e PC. Sendo que, o inverso também aconteceu, jogos “nativos” deram origem a sucessos como, por exemplo, The Last of Us.

READ  Rowanbera Rolls Ogier assume a liderança

Por outro lado, a incursão gaming, não ficou por aqui. O cinema e a televisão também chegaram a outra indústria que, acaba por ser um pouco de dois mundos, entretenimento e gaming, no caso, a indústria dos casinos.

Nesse sentido, cinema e TV são inspiração para inúmeras slot machines online. Através de plataformas especializadas, as slots, com novos e variados temas, captam a essência de filmes e séries, entregando um jogo com elementos identificáveis dos mesmos.

Tudo isto, graças a fornecedores de software que trabalham para entregar aos casinos online, jogos que atraiam público e novos utilizadores.

O contacto direto com o entretenimento

Este provavelmente é um dos pontos que mais mexe com o conceito de entretenimento devido à forma como este é consumido. E para o explicar nada como abordar tópicos de interação e imersão. Exemplos? Os seguintes:

Influência nas redes sociais

As plataformas de redes sociais deram origem a influenciadores que moldam as tendências e os estilos de vida. Os influenciadores têm peso nas escolhas e aspirações de muitos seguidores com dicas e conteúdos patrocinados por marcas.

Transmissão em direto e interação em tempo real

As transmissões em direto em plataformas como o Twitch e o YouTube ganharam popularidade. Em conversas gerais, partilha de experiências, os streamers cada vez mais existem têm comunidades, com as quais interagem.

Concertos e eventos virtuais

Com o impulso do streaming, o entretenimento digital alarga os limites dos eventos ao vivo. Concertos e outros eventos virtuais estão a redefinir a indústria de forma mais inclusiva e abrangente. Chegam a mais pessoas e criam um sentimento maior de globalidade.

Ecossistemas de conteúdos personalizados

O futuro poderá ver ecossistemas de conteúdos personalizados para cada indivíduo. O que isto pode significar para os criadores de conteúdos e para os consumidores?

READ  Portugal flexibiliza as regras do COVID-19 devido ao baixo número de internações hospitalares entre os casos registados

Em ambientes virtuais próprios, criados de raiz, é possível carregar todo um mundo de personalizações. Por exemplo, o rapper Drake lançou a sua mansão virtual, onde, além de ser possível comprar artigos do artista, é também possível conhecer o espaço ao qual chama casa.

Com efeito, a revolução digital no sector do entretenimento provocou mudanças sem precedentes na forma como consumimos conteúdos. Desde plataformas de streaming a redes sociais e tecnologias emergentes, as possibilidades são ilimitadas.

À medida que avançamos, é essencial abraçar estas mudanças e, ao mesmo tempo, estar ciente dos desafios que elas colocam.