Maio 30, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Reformas das pensões em França: o Conselho Constitucional autoriza o aumento da idade para 64 anos

  • Escrito por Kathryn Armstrong
  • BBC Notícias

vídeo explicativo,

Assista: as reformas previdenciárias de Macron são ‘violentas’, de acordo com um manifestante em Paris

O mais alto órgão constitucional da França absolveu a decisão profundamente impopular do governo de Macron de aumentar a idade de aposentadoria do estado de 62 para 64 anos.

O Conselho Constitucional também rejeitou os pedidos de referendo de oponentes políticos, mas cancelou algumas reformas com base em falhas legais.

Foram 12 dias de protestos contra as reformas desde janeiro.

Em março, o governo usou um poder constitucional especial para forçar mudanças sem votação.

O presidente Emmanuel Macron argumenta que são necessárias reformas para evitar o colapso do sistema previdenciário, e a primeira-ministra Elisabeth Borne twittou na sexta-feira: “Esta noite não há vencedor ou perdedor”.

O ministro do Trabalho, Olivier Dussopp, prometeu melhorar as taxas de emprego para pessoas com mais de 50 anos, em uma tentativa de aliviar as preocupações sobre as implicações financeiras do aumento da idade de aposentadoria.

As autoridades proibiram as manifestações em frente ao prédio do Conselho Constitucional em Paris até a manhã de sábado, mas multidões de manifestantes se reuniram nas proximidades e a decisão foi ridicularizada.

Alguns manifestantes gritaram que continuariam a protestar até que as mudanças fossem retiradas.

Mais tarde, muitos incêndios foram ateados pela cidade enquanto a tropa de choque tentava conter a situação, às vezes usando gás lacrimogêneo. Uma autoridade da polícia de Paris disse que 112 pessoas foram presas.

Fogueiras também foram acesas durante as manifestações em Rennes e Nantes, enquanto em Lyon às vezes houve confrontos tensos entre manifestantes e policiais.

Os sindicatos fizeram um apelo final ao presidente para não sancionar o aumento da idade de aposentadoria, em face da “rejeição maciça do público a esta reforma”. Os sindicatos observaram que a Justiça rejeitou seis concessões somadas às reformas, então o que era injusto agora ficou “ainda mais desequilibrado”.

Entre as reformas rescindidas pelos nove membros do Conselho Constitucional está o chamado “grande índice” que visa estimular empresas com mais de 1.000 trabalhadores a contratar funcionários com mais de 55 anos.

Embora o Palácio do Eliseu tenha dito que o presidente está aberto ao diálogo, espera-se que ele aprove a lei em dois dias. Dussopp disse que espera implementar as reformas até o início de setembro.

Lucy, 21, estava entre os manifestantes que se reuniram em frente à prefeitura e disse à BBC que estava desapontada “não temos mais energia”.

“Ninguém nos ouve, não importa o quanto choremos”, acrescentou ela, prometendo continuar falando.

legenda da foto,

Lucy (à esquerda) e Raphael (à direita) estão entre os que protestam contra as reformas previdenciárias

Raphael, também de 21 anos, disse esperar que houvesse algo na decisão do conselho que refletisse o grande consenso que havia nas ruas contra as reformas.

Barricadas foram montadas nas ruas perto do tribunal e a tropa de choque foi acionada em caso de novos protestos, que podem se tornar violentos.

Os sindicatos pediram aos trabalhadores de toda a França que voltem às ruas em 1º de maio, outro dia de mobilização nacional contra as reformas.

Lucas, 27, disse que se preocupa com o futuro e com o que Macron pretende para o resto de sua presidência.

A Aliança dos Núbios de Esquerda foi um dos grupos que apelou ao tribunal sobre as reformas, e seu líder, Jean-Luc Melenchon, disse que a “luta” continuaria.

Disse: “A decisão do Conselho Constitucional mostra que está mais atento às necessidades da monarquia presidencial do que às necessidades do povo soberano”.

Marine Le Pen, do partido de extrema direita Rally Nacional, que também recorreu ao tribunal, respondeu nas redes sociais que “o destino político da reforma previdenciária não está resolvido”.

E enquanto o tribunal rejeitou uma tentativa inicial de realizar um referendo sobre reformas, decidirá no próximo mês sobre outra proposta de voto de esquerda em nível nacional.

O analista político francês Antoine Prestel disse à BBC que não achava que logo haveria um fim para os protestos que eclodiram em toda a França nos últimos três meses.

“Muita gente tem dito que as reformas vão passar e que o Tribunal Constitucional não vai ignorá-las, por isso não é uma surpresa”, disse ele.

“Mas acho que nas próximas horas e no final da semana vamos testemunhar muitos distúrbios e greves no país porque ainda há 70% do povo francês contra a reforma.”

READ  Pelo menos 78 pessoas morreram em tumulto na capital do Iêmen