Junho 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Revisores independentes consideram os planos da NASA de devolver amostras de Marte seriamente falhos – Ars Technica

Revisores independentes consideram os planos da NASA de devolver amostras de Marte seriamente falhos – Ars Technica
Mais Zoom / O destino da missão de devolver amostras de Marte está em jogo.

Uma análise independente da ambiciosa missão da NASA de trazer cerca de meio quilograma de rochas e solo da superfície de Marte descobriu que o programa é impraticável na sua forma actual.

A NASA planejou lançar elementos críticos da missão Mars Sample Return, ou MSR, até 2028, com um orçamento total do programa de US$ 4,4 bilhões. Relatório do conselho de revisão independente Que foi divulgado na quinta-feiraconclui que este calendário e orçamento são em grande parte irrealistas.

A data mais próxima para o lançamento da missão a partir da Terra é 2030, e esta oportunidade só será possível com um orçamento total entre 8 mil milhões de dólares e 11 mil milhões de dólares.

“MSR representa uma prioridade de exploração do espaço profundo para a NASA”, afirma o relatório. “No entanto, o MSR foi criado com expectativas irrealistas de orçamento e cronograma desde o início. O MSR também foi organizado sob uma estrutura impraticável. Como resultado, não há atualmente nenhum cronograma, custo ou base técnica que seja confiável, idêntico ou adequado. marginal.” “Isso pode ser realizado com financiamento potencialmente disponível.”

As conclusões da revisão independente, liderada por Orlando Figueroa, vice-diretor aposentado do Centro de Ciência e Tecnologia do Goddard Space Flight Center da NASA, ecoam um relatório publicado pela Ars Technica há cerca de três meses que levanta sérias questões sobre os custos e o cronograma. A preocupação expressa por alguns cientistas, incluindo o antigo chefe científico da NASA, Thomas Zurbuchen, era que o custo inflacionado do retorno de uma amostra de Marte iria minar o financiamento de outras missões científicas.

READ  SpaceX pode ajudar a trazer de volta astronautas presos na Estação Espacial Internacional

Na sequência do relatório da Ars Technica, alguns decisores políticos no Senado dos EUA também expressaram sérias preocupações sobre a direcção do programa de devolução de amostras.

a missão

De acordo com o plano atual da NASA, a agência espacial desenvolverá um grande Sample Retriever Lander. Depois de pousar em Marte, o rover Perseverance – que vem coletando e armazenando amostras de poeira marciana em 38 tubos de titânio, cada um do tamanho de um cachorro-quente grande – trará suas amostras para a sonda.

Uma vez entregues ao módulo de pouso, esses tubos de amostra serão colocados a bordo de um foguete chamado Mars Ascent Vehicle. Este foguete está sendo desenvolvido pela Lockheed Martin e será armazenado dentro do módulo de pouso. Após o lançamento de Marte, este foguete lançará um “recipiente de amostra orbital” para a órbita de Marte, onde será recolhido por um “Veículo de Retorno à Terra” construído pela Agência Espacial Europeia. Este veículo levará as amostras até a órbita da Terra, onde serão lançadas em uma pequena espaçonave para pousar no planeta cerca de cinco anos após o início da missão.

Como plano de backup, caso o Perseverance não consiga entregar amostras ao módulo de pouso, a NASA propôs incluir duas pequenas aeronaves semelhantes a helicópteros. inteligência Um veículo para coletar amostras. Revisores independentes disseram que um helicóptero provavelmente seria aceitável.

Por que é importante devolver amostras de Marte?

O relatório reafirma a importância científica do retorno de amostras de Marte, seja para fins geológicos, seja para avaliar se existia vida no Planeta Vermelho, que em seu passado distante era um tanto semelhante à Terra, com uma atmosfera espessa, além de rios e lagos. .

READ  Espera-se que o derretimento do gelo antártico cause uma rápida desaceleração das correntes oceânicas profundas até 2050 | Antártica

“O MSR representa um próximo passo crítico num programa estratégico de exploração de Marte que abrange as últimas quatro décadas”, afirma o relatório. “As naves espaciais americanas e europeias e os rovers americanos encontraram locais promissores onde a vida pode ter existido.”

A missão de retorno de amostras tem sido uma prioridade máxima para a comunidade científica há décadas, inclusive sendo a missão mais solicitada nas duas últimas pesquisas do relatório da Pesquisa Decadal de Ciência Planetária das Academias Nacionais que informa as decisões de política espacial do Congresso e do presidente.

Os revisores também apontaram a importância da NASA e da Agência Espacial Europeia na liderança mundial na exploração espacial como uma marca registrada do poder brando. A China anunciou anteriormente planos para lançar a missão de retorno de amostras “Tianwen-3” a Marte já em 2028 ou 2030, o que representa um claro desafio para a liderança científica americana na exploração de Marte.

Muitos problemas para resolver

O relatório diz que a NASA deve fazer um melhor trabalho de envolvimento com a comunidade científica planetária para explicar as suas prioridades para a missão e posicioná-la como o culminar de uma estratégia de exploração de Marte que dura há décadas. Além disso, os revisores disseram que cancelar a devolução da amostra de Marte faria isso não Liberando bilhões de dólares para outras missões científicas planetárias.

“Uma preocupação particular e compreensível da comunidade é o impacto que a MSR poderá ter no resto da Divisão de Ciência Planetária”, afirma o relatório. “A NASA deve abordar esta preocupação, ao mesmo tempo que esclarece e dissipa a ideia de que o cancelamento da MSR significaria necessariamente orçamentos maiores para todos os outros membros da Divisão de Ciência Planetária ou mesmo do Programa de Exploração de Marte. O cancelamento também poderia pôr em causa a viabilidade de outros esforços ambiciosos de devolução de amostras. imaginado pelo rover.” Ciências planetárias comunitárias.”

READ  A surpreendente relação entre os padrões orbitais da Terra e um evento de paleoaquecimento

Como esta pode ser a única oportunidade de curto prazo da comunidade científica para estudar amostras de Marte, o relatório também diz que a agência deve orientar o rover Perseverance para viajar além da cratera de Jezero “o mais rápido possível”. O objetivo desta manobra é obter “amostras de maior valor perto da borda da cratera e além”, a fim de maximizar a chance de encontrar amostras que possam conter evidências de vida.

No geral, o relatório apresenta mais de 20 descobertas e recomendações que indicam claramente à NASA e ao principal centro de campo da missão, JPL, que os seus planos atuais para uma missão de retorno de amostras a Marte foram interrompidos. Como resultado, a agência deve renovar significativamente os seus planos para reduzir custos, estabelecer um cronograma razoável e maximizar o potencial científico.

A NASA respondeu ao lançamento do relatório, anunciando a sua própria revisão da revisão, dizendo que esta equipa fará uma recomendação até Março de 2024 sobre o caminho a seguir para o retorno de amostras de Marte no âmbito de um programa científico abrangente e equilibrado.