Agosto 13, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Rússia diz que está intensificando operações em cidades ucranianas

Rússia diz que está intensificando operações em cidades ucranianas
  • A cidade do sul é o mais recente alvo de bombardeio de longo alcance
  • Ucrânia diz que cerca de 40 pessoas morreram em atentado desde quinta-feira
  • Rússia diz que está intensificando suas operações para proteger a área capturada
  • Fechando o acordo para levantar o embargo às exportações de grãos da Ucrânia
  • A guerra lança uma sombra sobre a reunião do G-20

Kyiv (Reuters) – Mísseis russos atingiram uma cidade do sul da Ucrânia neste sábado, o mais recente de uma série de atentados que a Ucrânia diz ter matado dezenas de pessoas nos últimos dias, enquanto o Ministério da Defesa de Moscou disse que suas forças receberam ordens para bombardear. Escalonamento de operações.

Os serviços de emergência disseram que duas pessoas foram mortas na cidade de Nikopol, no sul do rio Dnipro, depois que o governador da região, Valentin Reznichenko, disse que foi atingida por mais de 50 mísseis russos Grad.

Enquanto o foco da guerra, agora em seu quinto mês, mudou para a região de Donbass, no leste da Ucrânia, as forças russas têm atingido cidades em outras partes do país com foguetes e mísseis no que se tornou um crescente conflito de atrito.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Um porta-voz do Ministério da Defesa ucraniano disse, na sexta-feira, que apenas 30% dos ataques russos foram direcionados a alvos militares, enquanto o restante caiu em locais civis. A Reuters não conseguiu verificar essa afirmação. Consulte Mais informação

A Ucrânia diz que cerca de 40 pessoas foram mortas em ataques desse tipo em áreas urbanas nos últimos três dias.

Reznychenko, governador da região de Dnipropetrovsk, que inclui as duas cidades, disse em um telegrama que mísseis russos atingiram a cidade de Dnipro, cerca de 120 quilômetros ao norte de Nikopol, na noite de sexta-feira, matando três pessoas e ferindo outras 15.

READ  Atualização da Guerra Russo-Ucraniana 25 de julho de 2022

Ele acrescentou que os mísseis atingiram uma fábrica industrial e uma rua próxima a ela. Imagens de vídeo nas mídias sociais mostraram uma espessa fumaça preta subindo de prédios e carros em chamas. Consulte Mais informação

O governador da região disse que um ataque russo atingiu a cidade de Chuhav, nordeste da região de Kharkiv na noite passada, matando três pessoas, incluindo uma mulher de 70 anos, e ferindo outras três. Consulte Mais informação

ataques de mísseis

A Rússia, que lançou o que chamou de “operação militar especial” contra a Ucrânia em 24 de fevereiro, dizendo que pretende erradicar o que chamou de nacionalistas perigosos, está usando armas de alta precisão para minar a infraestrutura militar da Ucrânia e proteger sua segurança.

Moscou acusa a Ucrânia de bombardear seu próprio povo em uma área que perdeu o controle no leste.

O Ministério da Defesa da Rússia disse em um comunicado em seu site no sábado que o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, ordenou que unidades militares intensificassem suas operações para evitar ataques no leste da Ucrânia e em outras áreas controladas pela Rússia.

Ela disse que Shoigu “deu as instruções necessárias para aumentar o movimento de grupos em todas as áreas de operação, a fim de excluir a possibilidade de o regime de Kyiv lançar ataques maciços de mísseis e artilharia contra infraestrutura civil e moradores de assentamentos em Donbass e outras regiões”.

A Ucrânia diz que evacuou o maior número possível de pessoas de áreas capturadas pelas forças russas no que ela e o Ocidente chamaram de tentativa injustificada de reocupar um país libertado do domínio de Moscou com a dissolução da União Soviética em 1991.

A Rússia tem negado repetidamente atacar áreas civis, apesar das crescentes evidências de que seus mísseis atingiram áreas residenciais em todo o país.

READ  Yellen alerta para riscos globais de “estagflação” dos preços do gás e dos alimentos

Em um dos recentes ataques que enfureceram a Ucrânia e seus aliados ocidentais, mísseis de cruzeiro Kalibr lançados por um submarino russo no Mar Negro atingiram um prédio de escritórios em Vinnytsia, uma cidade de 370.000 habitantes a cerca de 200 quilômetros (125 milhas) a sudoeste de Kyiv, em Quinta-feira. Consulte Mais informação

Kyiv disse que o ataque matou pelo menos 23 pessoas e feriu dezenas. Entre os mortos estava Lisa, uma menina de 4 anos com síndrome de Down que foi encontrada entre os escombros ao lado de um carrinho. Logo, fotos dela empurrando o mesmo carrinho se espalharam, que sua mãe postou em um blog menos de duas horas antes do ataque.

O Ministério da Defesa russo disse que o ataque a Vinnytsia foi direcionado a um prédio onde altos funcionários das forças armadas ucranianas se reuniam com fornecedores estrangeiros de armas. Consulte Mais informação

Cereal Avançado

Apesar do derramamento de sangue, ambos os lados descreveram o progresso em direção a um acordo para suspender um bloqueio que restringe a exportação de grãos da Ucrânia em meio a alertas de que o conflito estava colocando milhões de pessoas em todo o mundo em risco de fome. O mediador turco disse que um acordo pode ser assinado na próxima semana.

Questionado se o cronograma era realista, uma fonte ucraniana disse à Reuters na sexta-feira: “Nós realmente esperamos que sim. Estamos correndo o mais rápido que pudermos”.

O Ministério da Defesa russo disse que um acordo estava próximo, mas o negociador de Moscou alertou que o acordo de grãos não levaria à retomada das negociações de paz.

O acordo provavelmente incluirá inspeções de navios para garantir que a Ucrânia não trouxe armas e garantias de países ocidentais de que as exportações russas de alimentos estão isentas de sanções.

READ  Wang Yi diz que relações China-Rússia mostram 'forte resiliência'

A guerra dominou a reunião dos ministros das Finanças do G-20 na Indonésia. Duas fontes disseram que é improvável que o grupo emita uma declaração oficial no sábado. A Rússia é membro, assim como as potências industriais do G7, juntamente com China, Índia e África do Sul, entre outros. Consulte Mais informação

Fontes ocidentais disseram no início desta semana que seria difícil concordar com uma declaração oficial porque o órgão estava trabalhando com base no consenso e que a Rússia bloqueou o texto sobre a causa da desaceleração econômica global.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters Raju Gopalakrishnan e Alex Richardson; Edição por William Mallard e Francis Kerry

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.