Setembro 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Seis países do Golfo alertam a Netflix sobre conteúdo que viola “valores islâmicos” | Direitos LGBTQ+

Ameaçado por um grupo de países do Golfo Pérsico Netflix Ação legal se continuar a transmitir conteúdo que “contradiz” o Islã, enquanto a mídia saudita indicou que o material ofensivo se concentrava em programas que retratavam minorias sexuais.

Uma declaração emitida em conjunto pela Autoridade Reguladora de Mídia Saudita e pelo Conselho de Cooperação do Golfo, de seis membros, com sede na capital saudita, Riad, não especificou especificamente o material, referindo-se apenas ao conteúdo que “contradiz os valores islâmicos e sociais”.

“A plataforma foi contatada para remover esse conteúdo, incluindo conteúdo direcionado a crianças”, disse o comunicado.

As autoridades regionais “monitorarão a conformidade da plataforma com as diretrizes e, caso o conteúdo ofensivo continue a ser transmitido, as medidas legais necessárias serão tomadas”.

O Conselho de Cooperação do Golfo inclui Bahrein, Kuwait, Omã e Qatar. Reino Arábia Sauditae os Emirados Árabes Unidos.

Não houve reação imediata da Netflix.

Embora o GCC não tenha especificado especificamente qual conteúdo é considerado ofensivo, um clipe do canal de notícias estatal saudita Al-Ekhbariya lamentou “filmes e séries infantis com cenas que promovem a homossexualidade sob cobertura dramática via Netflix”.

Estes são “clipes extremamente dolorosos para nossos filhos, netos e a próxima geração”, disse um advogado em entrevista ao vivo.

Um clipe separado, também em Al-Ekhbariya, mostrou clipes do programa de animação Jurassic World Camp Cretaceous em que dois personagens se beijam, embora o canal borre seus rostos.

O canal entrevistou um “consultor de família e educação” que disse que material ofensivo estava “se infiltrando em nossas casas” e que o país enfrentava uma “crise de censura”.

Os estados do Golfo têm repetidamente entrado em confronto com os distribuidores de filmes dos EUA sobre conteúdo relacionado a minorias sexuais, especialmente em filmes.

Em junho, os Emirados Árabes Unidos proibiram o filme de animação da Disney “Lightyear”, que contém um beijo lésbico.

Os Emirados Árabes Unidos são considerados um dos países mais liberais da região do Golfo, embora os filmes com conteúdo adulto sejam rotineiramente cortados ou editados.

A Arábia Saudita, que só abriu os cinemas em 2017, pediu à Disney em abril que excluísse “referências LGBTQ” no filme de super-heróis da Marvel Doutor Estranho no Multiverso da Loucura.

A Disney não obedeceu e o filme não foi exibido no Reino.

Em junho, a mídia estatal saudita filmou autoridades apreendendo brinquedos e itens coloridos em lojas da capital como parte de uma repressão à homossexualidade, um possível crime punível com a morte na Arábia Saudita.

Os itens visados ​​nas incursões incluíam arcos, saias, chapéus e estojos de lápis coloridos, a maioria dos quais parecia ser feita para crianças pequenas.

com AFP

READ  Pyongyang e Moscou expressam interesse em enviar trabalhadores norte-coreanos para reconstruir o leste da Ucrânia