Fevereiro 7, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Shaw e Kaiser falharam as eliminatórias de Portugal e Paris

KARACHI: Os dois principais judocas do Paquistão, os atletas olímpicos Shah Hussain e Qaiser Khan, não participarão das eliminatórias olímpicas de Paris 2024, do Grande Prêmio de Portugal e do Grande Slam de Paris, devido a problemas financeiros.

Um alto funcionário da Federação de Judô do Paquistão (PJF) disse ao ‘The News’ na quinta-feira que não há dinheiro e que a dupla não pode ser enviada para eventos importantes.

“Sim, eles não vão lançar por questões financeiras. Estamos endividados e o governo ainda não pagou o valor que gastamos para colocar nossos lutadores em quatro grandes eventos no ano passado”, disse o dirigente.

O Grand Slam de Portugal será disputado de 27 a 29 de janeiro, seguido do Grand Slam de Paris de 4 a 5 de fevereiro.

Sabe-se que a PJF precisa urgentemente de Rs 6,5 milhões para pagar um empréstimo para enviar seus lutadores para as eliminatórias olímpicas do ano passado. Esses eventos foram realizados na Mongólia, Abu Dhabi, Perth e Baku.

Este repórter entende que, em alguns casos, no ano passado, os militantes pagaram suas acomodações com seu próprio dinheiro.

Baseado no Japão, Shah Hussain é duas vezes atleta olímpico, tendo competido nas Olimpíadas do Rio 2016 e Tóquio 2020. Ele é o único judoca paquistanês a competir nas Olimpíadas.

Shah, que mudou sua categoria de peso de -100kg para -90kg, mais uma vez teve uma chance sólida de se classificar para a extravagância de maior prestígio do mundo em Paris em 2024.

Sua classificação mundial é 101 e sua classificação olímpica é 60. O futuro candidato Kaiser Khan está classificado em 108º no ranking olímpico e, se tiver uma chance nas eliminatórias máximas, ele também terá uma chance.

READ  Benetto reforça presença em Portugal

Ambos os lutadores estão treinando sozinhos atualmente.

Um alto funcionário do Conselho de Esportes do Paquistão (PSB) disse ao ‘The News’ que o conselho apóia o judô, mas não pode ajudar a federação em todos os eventos.

“Sim, podemos apoiá-lo em certos eventos das eliminatórias olímpicas, considerando nosso orçamento limitado, mas não podemos apoiá-lo em todos os eventos”, disse o oficial.

O percurso de qualificação olímpica de dois anos, que termina no ano olímpico do judô, é extremamente difícil.

Uma confederação deve colocar seus lutadores em todas as rodadas importantes de qualificação para ajudar seus atletas a subir no ranking olímpico.

Um dirigente da PJF disse que em março deste ano estão programados os Grand Slam de Tashkent e Grand Slam de Antalya e todos os esforços serão feitos para garantir a participação dos lutadores.

“Não queremos desanimar nossos atletas e faremos o possível para colocar os dois em campo nas provas de março”, disse um dirigente da PJF.

Doha sediará os campeonatos mundiais em maio e, de acordo com as regras da IJF, os atletas classificados entre os 100 melhores participarão do evento global.

Pensando nisso, a PJF terá que escalar seus lutadores no evento de março, tendo perdido as eliminatórias de janeiro a fevereiro.

“Não sabemos quanto o governo vai nos dar. Se o governo nos disser que vamos receber este valor para o ano inteiro, vamos planear de acordo, mas o problema é que temos de esperar até ao fim, então tudo fica muito caro”, disse o governante.

A PJF também enfrenta a questão da prorrogação do contrato do técnico iraniano Sajjad Ghasemi.