Julho 17, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Sinais de Independência: a luta de Portugal pela democracia explorada através de materiais de arquivo

Sinais de Independência: a luta de Portugal pela democracia explorada através de materiais de arquivo

O Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, outrora local onde foram julgados injustamente presos políticos durante a ditadura, acolhe atualmente uma exposição que mostra as diversas e dinâmicas manifestações visuais da democracia em Portugal desde a Revolução dos Cravos de 25 de abril de 1974.

Cartazes, emblemas, adesivos, cartões postais, faixas, cinzeiros, pratos, discos e outros itens de diversos partidos políticos enfeitam a exposição, proporcionando um olhar fascinante sobre a transição do país para a democracia.

Com curadoria do conceituado historiador José Pacheco Pereira, a exposição intitulada “Sinais da Liberdade – Retrato da Democracia no Arquivo Efémero” insere-se nas comemorações do 25 de abril do concelho de Lisboa, data marcante da história de Portugal. Ditadura.

Com títulos mínimos, a exposição pretende captar a essência da liberdade – a alegria de viver, falar, discutir e viver de forma diferente – que surgiu após décadas de forte censura e repressão.

O que aconteceu em 25 de abril de 1974?

A 25 de abril de 1974, deu-se em Portugal um acontecimento histórico que mudaria para sempre o rumo da sua história.

Conhecida como Revolução dos Cravos ou Revolução de Abril, foi um golpe militar pacífico que levou ao derrube do regime autoritário do Estado Novo.

Estabelecido em 1933 sob Antonio de Oliveira Salazar, que foi primeiro-ministro de 1932 a 1968, e depois Marcelo Caetano, o regime do Estado Novo caracterizou-se por um governo altamente centralizado e repressivo.

Tirou as liberdades políticas, reforçou a censura à imprensa e usou a polícia secreta para reprimir impiedosamente a dissidência.

Mas depois de 48 anos de regime totalitário, a revolução acabou com a ditadura mais antiga da Europa.

A revolução começou com a ação ousada de um grupo de militares de esquerda que pregaram cravos em seus uniformes e canos de armas contra o governo opressor de Lisboa.

READ  O maior investimento industrial de Portugal em uma década

O seu movimento ousado inspirou uma onda de protestos e manifestações em todo o país enquanto o povo português exigia liberdade, democracia e o fim da censura.

Em poucas horas, o regime desmoronou, dando início a uma nova era da democracia portuguesa, marcando um ponto de viragem na história do país.

Um catalisador significativo para a Revolução dos Cravos foi o desejo de acabar com o colonialismo na África, alimentado pela violenta e cara guerra colonial portuguesa.

Mais tarde, após a queda do regime, os esforços de descolonização ganharam força, levando à independência de várias colônias portuguesas na África até o final de 1975, incluindo Angola, Cabo Verde, São Tomé e Moçambique.

O que há na exposição?

Organizada pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Associação Cultural Efêmera, esta exposição única oferece uma janela única para a explosão do retrato que se seguiu ao alvorecer da liberdade e da democracia em Portugal após os momentosos eventos de 25 de abril.

“Sinais de liberdade” estavam por toda parte – paredes, ruas, mesas, dobras, sobreposições, capacetes e diversos materiais como tinta, papel, tecido, plástico, vidro, metal, acetato de celulose, lona, ​​argila, ferro, estênceis e carimbos.

Os objetos em exibição não são organizados em ordem cronológica estrita, mas abrangem quase 50 anos de independência.

Uma campanha de 1976 do Centro para a Democracia e Sociedade (CDS) inclui a Mulher Sem Pernas, da série “Queremos Responder”, bem como um busto de bronze de Vasco Gonçalves da autoria de Abilio Belo Márquez. Ex-primeiro-ministro e militar que desempenhou um papel fundamental na transição democrática de Portugal.

O galo laranja de Barcelós utilizado na campanha de 2009 de Fernando Reyes do Partido Social Democrata (PSD), a estátua da esponja “laranjazinha” (JST) representando a ala jovem do Partido Social Democrata na década de 1990, e a estátua de cerâmica de Álvaro Cunhal vestida como jogador do Futbol Clube do Porto.

READ  Empresas alemãs resolvem o problema em Portugal

Para além dos objetos expostos, a exposição apresenta ainda um slideshow com cerca de 200 imagens de graffiti e street art de Portugal nos últimos anos, destacando o uso continuado da expressão visual como meio de comentário político e crítica social.

A exposição tem entrada gratuita e está patente até 28 de maio no Tribunal da Boa Hora, em Lisboa.