Outubro 4, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Suprema Corte rejeita proposta para bloquear acordo da Microsoft com a Activision Blizzard

Suprema Corte rejeita proposta para bloquear acordo da Microsoft com a Activision Blizzard

A Suprema Corte rejeitou uma oferta de 11 horas para impedir a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft, fabricante de jogos de grande sucesso como Call of Duty, Candy Crush e World of Warcraft, por US$ 69 bilhões, descartando o que parece ser o último desafio legal no caminho de Fechando negócio.

A juíza da Suprema Corte, Elena Kagan, negou na terça-feira um pedido de um grupo de jogadores para uma ordem de emergência para impedir a fusão. Na sexta-feira, o Tribunal de Apelações do Nono Circuito negou um pedido da Federal Trade Commission para interromper a fusão, depois que um juiz do tribunal distrital federal em 11 de julho negou o pedido da FTC para bloquear a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft. Kagan, que analisa as moções de emergência para a Suprema Corte do Nono Circuito, não ofereceu nenhuma explicação para sua decisão movimento recusado.

Na segunda-feira, o grupo de jogadores pediu à Suprema Corte para bloquear o acordo, afirmando que o poder resultante da Microsoft na indústria de jogos resultaria em danos ao consumidor. “Uma fusão entre a Microsoft e a Activision seria uma das, senão a maior fusão de tecnologia da história, em um momento em que a concentração entre empresas de tecnologia já ameaça o equilíbrio competitivo de nossas economias e até mesmo de nossos sistemas políticos”, disse Joseph Alioto, advogado Joseph Alioto representando o grupo, escrevendo em sua petição ao Supremo Tribunal.

A Microsoft anunciou no domingo um acordo vinculativo com a Sony que manterá o Call of Duty da Activision nas plataformas PlayStation por 10 anos após a aquisição da empresa de jogos pela Microsoft. Em sua decisão de 11 de julho rejeitando a moção da FTC para interromper o acordo, a juíza do Tribunal Distrital Jacqueline Scott Corley citou em parte o compromisso da Microsoft de manter Call of Duty no PlayStation por 10 anos, no mesmo nível do Xbox, e que a Microsoft assinou um acordo com a Nintendo para trazer o jogo para o Nintendo Switch. Ela escreveu que o juiz considerou que “a FTC não parecia suscetível de prevalecer” sobre sua alegação de que uma fusão “poderia reduzir substancialmente a concorrência”. Pelo contrário, o Guia Padrão indica maior acesso do consumidor ao Call of Duty e outros conteúdos da Activision.

READ  16 maneiras pelas quais o Android 14 melhora sutilmente seu telefone

A Microsoft anunciou pela primeira vez sua proposta de aquisição da Activision Blizzard em janeiro de 2022.

O acordo também enfrentou oposição no Reino Unido, onde a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA) do país decidiu no ano passado interromper a fusão Microsoft-Activision sob a alegação de que era anticompetitiva. Na semana passada, a Microsoft e a CMA disseram que era parar sua batalha legal No acordo posterior, no entanto, a CMA disse que qualquer modificação no acordo da Microsoft para a Activision Blizzard poderia levar a uma nova investigação.

É improvável que a Microsoft e a Activision Blizzard fechem o acordo até o prazo original de 18 de julho de 2023 para o acordo de fusão, pois buscam garantir a aprovação regulatória final no Reino Unido, Bloomberg mencionadoCitação de fontes anônimas.