Junho 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Tanques israelenses cercam hospital indonésio em Gaza Notícias do conflito israelo-palestiniano

Tanques israelenses cercam hospital indonésio em Gaza  Notícias do conflito israelo-palestiniano

O Ministério da Saúde disse que a situação na única instalação médica remanescente no norte da Faixa de Gaza é “catastrófica”.

Tanques israelenses cercaram o Hospital Indonésio no norte da Faixa de Gaza depois que disparos de artilharia mataram pelo menos 12 palestinos no complexo, segundo o Ministério da Saúde do enclave devastado pela guerra.

Ashraf Al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, disse à Al Jazeera na segunda-feira que a “situação é catastrófica” no hospital indonésio, onde centenas de pessoas permanecem presas.

“O pessoal do hospital indonésio insiste que ficará para tratar dos feridos”, acrescentou. “Há cerca de 700 pessoas, incluindo pessoal médico e feridos, dentro do hospital.”

Os militares israelenses, que raramente anunciam movimentos de tropas, não fizeram comentários imediatos.

A Agência de Notícias Palestina Wafa disse que a instalação localizada na cidade de Beit Lahia, a nordeste de Gaza, foi alvo de bombardeios de artilharia. Autoridades de saúde palestinas disseram que houve esforços frenéticos para evacuar os civis fora de perigo.

Funcionários do hospital negaram a presença de qualquer homem armado no prédio.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Retno Marsudi, condenou as acções de Israel e instou os parceiros de Tel Aviv a “pararem com as suas atrocidades”.

“O ataque é uma violação clara das leis humanitárias internacionais. Todos os países, especialmente aqueles com relações estreitas com Israel, devem usar toda a sua influência e capacidades para instar Israel a parar com as suas atrocidades”, disse ela num comunicado.

O progresso nas instalações, que foi criada em 2016 com financiamento de organizações indonésias, ocorreu um dia depois de a Organização Mundial de Saúde ter evacuado 31 bebés prematuros do Hospital Shifa, na cidade de Gaza.

READ  Biden anuncia novo programa para refugiados ucranianos entrarem nos Estados Unidos por motivos humanitários

Eles estavam entre os mais de 250 doentes ou feridos em estado crítico que ficaram retidos ali desde que as forças israelenses entraram no complexo.

A maior unidade de saúde da região foi evacuada sob a mira de uma arma, depois de ter permanecido sitiada durante vários dias, com 7.000 pessoas no interior.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) relatou um “colapso de serviços” em hospitais no norte da Faixa de Gaza, após ataques aéreos generalizados e escassez de combustível e suprimentos médicos.

Os militares israelitas afirmam que o Hamas, o grupo que governa Gaza, construiu infra-estruturas subterrâneas por baixo de hospitais para uso militar, algo que o Hamas e as autoridades médicas negam.

Imagem de satélite mostrando danos ao redor do hospital indonésio [File: Maxar Technologies via AFP]

Marwan Abdullah, médico do hospital indonésio, disse que os tanques israelenses eram visíveis das janelas.

“Você pode vê-los se movendo e atirando”, acrescentou. “Mulheres e crianças estão aterrorizadas. Há sons contínuos de explosões e tiros.”

Abdullah disse que o hospital recebeu dezenas de mortos e feridos em ataques aéreos e bombardeios durante a noite.

Israel lançou o seu ataque a Gaza após uma onda de ataques transfronteiriços do Hamas em 7 de Outubro, matando mais de 1.200 pessoas, a maioria delas civis, segundo as autoridades israelitas.

O governo dirigido pelo Hamas afirma que o número de mortos em consequência dos bombardeamentos aéreos israelitas e das operações terrestres nos territórios palestinianos atingiu 13 mil, incluindo milhares de crianças.