Abril 21, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Teerã prometeu retaliar depois que um ataque atribuído a Israel destruiu o consulado do Irã na Síria, matando 12 pessoas.

Teerã prometeu retaliar depois que um ataque atribuído a Israel destruiu o consulado do Irã na Síria, matando 12 pessoas.

TEERÃ, Irã (AP) – O Irã prometeu terça-feira responder a qualquer ataque Ataque aéreo amplamente atribuído a Israel Que destruiu no dia anterior o consulado iraniano na capital síria, Damasco, e matou 12 pessoas, incluindo dois generais iranianos e um membro do grupo libanês Hezbollah.

Uma autoridade síria disse na terça-feira que quatro cidadãos sírios também foram mortos no ataque, sem fornecer quaisquer detalhes sobre eles. O Hezbollah, que tem sido um aliado fundamental tanto do governo do presidente sírio Bashar al-Assad como do Irão, também prometeu “punição e vingança” contra Israel.

A vice-embaixadora do Irão nas Nações Unidas, Zahra Ershadi, disse numa controversa reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU que alguns iranianos ficaram feridos, mas “o número final e preciso de mortos permanece incerto, uma vez que todo o edifício diplomático foi destruído com indivíduos presos sob os escombros.”

Israel tem Alvejou repetidamente oficiais iranianos Na Síria e no Líbano, não confirmou o ataque de segunda-feira.

O Irão poupa dinheiro e Armas para o Hezbollah, bem como para o Hamas E outros grupos armados palestinianos que lutam contra Israel em Gaza. Os confrontos entre Israel e o Hezbollah aumentaram ao longo da fronteira israelo-libanesa desde então A guerra em Gaza começou há quase seis meses S.

A televisão estatal iraniana informou que o Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão, um órgão chave de tomada de decisão, reuniu-se na segunda-feira e decidiu sobre a resposta “necessária” ao ataque. Acrescentou que a reunião foi presidida pelo Presidente Ibrahim Raisi, sem dar mais detalhes.

“Faremos com que se arrependam do crime e de ações semelhantes”, disse o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, que tem a palavra final sobre todos os assuntos de Estado no Irão.

O Conselho de Segurança Nacional dos EUA disse que os Estados Unidos não desempenharam nenhum papel no ataque em Damasco e não estavam cientes disso com antecedência. O vice-embaixador dos EUA nas Nações Unidas, Robert Wood, disse ao Conselho de Segurança da ONU: “Reportamos isto diretamente ao Irão”, acrescentando que os Estados Unidos “não podem confirmar qualquer informação sobre este evento”.

Ershadi acusou Israel de ameaçar a paz regional e internacional e declarou que “os Estados Unidos são responsáveis ​​por todos os crimes cometidos pelo regime israelita”.

READ  O Hamas está a considerar um plano de trégua em Gaza enquanto extremistas israelitas ameaçam o primeiro-ministro Notícias da guerra israelense em Gaza

Ela disse que o Irão exerceu “uma grande contenção”, mas Israel deve agora assumir “total responsabilidade” pelas consequências do ataque. O Irão reserva-se o direito, ao abrigo do direito internacional e da Carta das Nações Unidas, de “tomar uma resposta decisiva a tais acções repreensíveis”.

Wood instou o Irão e os seus representantes e parceiros na região – o Hamas, o Hezbollah e os Houthis – a acalmarem as tensões, e repetiu os avisos anteriores dos EUA para não explorarem a situação “para retomarem os seus ataques aos Estados Unidos”. Assuntos de Pessoal.”

Quase todos os membros do Conselho manifestaram preocupação com o facto de o ataque de Damasco, juntamente com a guerra em curso entre Israel e o Hamas em Gaza, poder alastrar-se a toda a região do Médio Oriente e mais além.

Não estava claro se e quando o Irão responderia, mas qualquer retaliação por parte de Teerão representaria o risco de um confronto perigoso com Israel e os Estados Unidos.

Mais tarde na terça-feira, Assad expressou suas condolências em um telefonema com Raisi e condenou Israel, informou a agência de notícias síria SANA.

O ataque aéreo resultou na morte do general Mohammad Reza Zahedi, que comandou a Força Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana no Líbano e na Síria até 2016, do seu vice, general Mohammad Hadi Hajriahimi, e de cinco outros oficiais. O membro do Hezbollah, Hussein Yousef, também foi morto no ataque.

O ministro da Saúde sírio, Hassan Al-Ghobash, disse que, além dos quatro cidadãos sírios que foram mortos, outros 13 ficaram gravemente feridos no ataque aéreo. Nenhuma informação foi revelada sobre os feridos.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede na Grã-Bretanha, um grupo de monitorização da guerra, disse que os sírios eram membros de milícias pró-Irã, mas não forneceu detalhes.

Ao anunciar a morte de Youssef, o Hezbollah também não forneceu quaisquer detalhes sobre ele na terça-feira. Ela disse que Zahedi desempenhou um papel crucial em ajudar a “desenvolver e melhorar o trabalho” do grupo no Líbano.

A declaração do Hezbollah dizia: “É certo que este crime não passará sem que o inimigo receba punição e vingança”.

READ  1 morto e vários feridos em um descarrilamento de trem perto de Haia

O primeiro-ministro sírio, Hussein Arnous, disse depois de visitar a embaixada iraniana em Damasco que as equipes de resgate ainda estão procurando corpos sob os escombros do prédio do consulado.

desde 7 de outubro, a eclosão da guerra em GazaNo entanto, os representantes iranianos intensificaram os seus ataques, com intercâmbios transfronteiriços quase diários entre o Hezbollah e Israel, e ataques frequentes a navios no Mar Vermelho por rebeldes Houthi apoiados pelo Irão.

Israel, que raramente reconhece ataques contra alvos iranianos, disse que não tinha comentários sobre o último ataque na Síria, embora um porta-voz militar tenha culpado o Irão pelo ataque. Ataque de drones na manhã de segunda-feira Contra uma base naval no sul de Israel.

Israel, cada vez mais impaciente com as trocas com o Hezbollah, alertou para a possibilidade de uma guerra total. Os Houthis também dispararam mísseis de longo alcance contra Israel, inclusive na segunda-feira.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Galant, disse que seu país está travando uma guerra em múltiplas frentes, “ofensiva e defensiva”.

“Vemos evidências disso todos os dias, inclusive nos últimos dias”, disse Galant, falando perante a Comissão de Defesa e Relações Exteriores do parlamento israelense. “Trabalhamos em todos os lugares, todos os dias, para evitar que os nossos inimigos ganhem o poder e para deixar claro a todos os que agem contra nós – em todo o Médio Oriente – que o preço de agir contra Israel será elevado. “

O secretário-geral da ONU, António Guterres, que recebeu na terça-feira um telefonema do ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, condenou o ataque ao consulado iraniano e reafirmou na terça-feira “o princípio da inviolabilidade dos edifícios diplomáticos e consulares”, segundo o seu porta-voz Stephane Dujarric. Guterres também disse que o pessoal diplomático “deve ser respeitado em todos os casos, de acordo com o direito internacional”.

Numa reunião do Conselho de Segurança da ONU, o Embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzia, criticou os Estados Unidos, o Reino Unido e a França por não terem condenado a violação do direito internacional por parte de Israel e por atacarem deliberadamente uma premissa diplomática.

READ  Autoridades russas dizem que drones ucranianos atacam a Rússia no último dia de votação

Ele então disse aos repórteres que a Rússia buscaria a condenação do ataque pelo Conselho de Segurança. Questionado se tinha algum conselho para o Irão, Nebenzia respondeu: “Tenho um conselho para Israel mostrar moderação e não provocar mais escalada, que foi o que fez desta vez”.

“Pelo contrário, foi o Irão e os seus representantes que realizaram uma série de ataques em toda a região”, respondeu America Wood.

Nos termos da Convenção de Viena sobre Imunidade Diplomática de 1961, as instalações de uma missão diplomática não podem ser invioláveis.

Os estados do Golfo Árabe, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Catar, condenaram o ataque à medida que aumentavam os temores sobre a expansão do conflito regional. A Liga Árabe, composta por 22 nações, criticou Israel, dizendo que pretendia “expandir o âmbito da guerra e empurrar a região para o caos”.

A agência de notícias oficial iraniana IRNA informou que o Irã transmitiu uma mensagem importante aos Estados Unidos na noite de segunda-feira, que foi entregue através do enviado suíço em Teerã. A Suíça cuida dos interesses americanos no Irão, uma vez que não existem relações diplomáticas entre Washington e Teerão.

A IRNA também disse que o Irã responsabiliza os Estados Unidos, o aliado mais próximo de Israel, pelo ataque.

Enquanto isso, um oficial de defesa dos EUA disse que as forças dos EUA detectaram e destruíram um drone de ataque na guarnição de Al-Tanf, na Síria, na tarde de segunda-feira.

Não foram relatados feridos ou danos à infraestrutura. O funcionário falou sob condição de anonimato para discutir detalhes que ainda não foram anunciados. O funcionário disse que o drone estava perto da base, mas não estava claro se tinha como alvo a base.

__

Chehayeb relatou de Beirute. Os redatores da Associated Press, Sami Magdy, no Cairo, Ellen Knickmeyer e Tara Cobb, em Washington, e Edith M. Lederer, nas Nações Unidas, contribuíram para este relatório.