Agosto 12, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Terremoto no Afeganistão: Autoridade de saúde alerta para surtos de doenças entre sobreviventes do terremoto

Terremoto no Afeganistão: Autoridade de saúde alerta para surtos de doenças entre sobreviventes do terremoto
Pelo menos 1.000 pessoas foram mortas, 2.000 feridas e 10.000 casas destruídas na quarta-feira TerremotoO Escritório das Nações Unidas para Assuntos Humanitários (OCHA) alertou posteriormente que o surto de cólera no rescaldo era de preocupação particular e séria.

“As pessoas precisam desesperadamente de comida e água potável”, disse o porta-voz do Ministério da Saúde afegão, Sharafat Zaman, acrescentando que as autoridades administram medicamentos por enquanto, mas lidar com aqueles que perderam suas casas será um desafio.

“Estamos pedindo à comunidade internacional e às organizações humanitárias que nos ajudem com alimentos e remédios, os sobreviventes podem adoecer porque não têm casas e abrigos adequados para viver”, disse ele.

O desastre representa um grande teste para os líderes do movimento Taleban linha-dura no Afeganistão, que foram evitados por muitos governos estrangeiros por questões de direitos humanos desde que assumiram o controle do país no ano passado.

Ajudar milhares de afegãos também é um desafio para os países que impuseram sanções a órgãos governamentais e bancos afegãos, cortando a ajuda direta, levando a uma crise humanitária antes mesmo do terremoto.

As Nações Unidas e muitos outros países correram para as áreas afetadas, e mais devem chegar nos próximos dias.

A administração do Taleban afegão pediu a reversão das sanções e o descongelamento de bilhões de dólares em ativos do banco central escondidos em instituições financeiras ocidentais.

Em Cabul, os hospitais mais acostumados a tratar vítimas de guerra abriram suas enfermarias para as vítimas do terremoto, mas a maioria das pessoas permanece em áreas devastadas pelo terremoto.

Hazrat Ali, 18 anos, na aldeia de Wor Kali, disse: “Nossas casas estão destruídas, não temos uma barraca… Há muitas crianças conosco. Não temos nada. Nossa comida e roupas… Tudo está sob os escombros.” A região de Barmal é a mais afetada.

READ  Exclusivo: EUA e Talibã avançam nas reservas afegãs, mas permanecem lacunas significativas

Ele disse: “Perdi meus irmãos e meu coração está partido. Agora somos apenas dois. Eu os amava tanto”.