Abril 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Três grupos de ajuda estrangeiros estão suspendendo suas operações no Afeganistão depois que o Talibã proibiu as funcionárias

Três grupos de ajuda estrangeiros estão suspendendo suas operações no Afeganistão depois que o Talibã proibiu as funcionárias



CNN

Três grupos de ajuda estrangeira disseram no domingo que estão se movendo para suspender temporariamente as operações no Afeganistão depois que o Talibã Funcionárias de ONGs foram banidas de vir trabalhar.

“Não podemos chegar efetivamente às crianças, mulheres e homens que estão em extrema necessidade no Afeganistão sem nossa equipe feminina”, disseram os grupos de ajuda Save the Children, o Conselho Norueguês para Refugiados e a CARE International em um comunicado conjunto no domingo.

“Sem as mulheres liderando nossa resposta, não teríamos alcançado em conjunto os milhões de afegãos necessitados desde agosto de 2021. Além de afetar a entrega de assistência vital, isso afetará milhares de empregos em meio a uma enorme crise econômica, “, disse o comunicado. Os chefes das três ONGs.

A declaração acrescentou: “Enquanto esclarecemos sobre este anúncio, estamos suspendendo nossa programação e pedimos a homens e mulheres que continuem nossa assistência para salvar vidas no Afeganistão”.

a administração talibã Hoje, sábado, todas as ONGs locais e internacionais receberam ordens para impedir que as suas funcionárias viessem trabalhar, segundo uma carta do Ministério da Economia que enviou a todas as ONG licenciadas. O ministério disse que o não cumprimento resultaria na revogação das licenças das ONGs mencionadas.

Na carta, o ministério citou a não observância do código de vestimenta islâmico e outras leis e regulamentos como razões para a decisão.

“Recentemente, houve sérias reclamações sobre o não cumprimento do véu islâmico e outras leis e regulamentos islâmicos dos Emirados Árabes Unidos”, afirmou a carta, acrescentando que, como resultado, “foram emitidas diretrizes para suspender todas as funcionárias de ONGs nacionais e internacionais .” . ”

No início desta semana, o governo talibã Ensino universitário suspenso Para todas as estudantes do sexo feminino no Afeganistão.

READ  Guerra da Ucrânia: incursão em Belgorod pode expandir as defesas da Rússia

Em uma coletiva de imprensa televisionada na quinta-feira, o ministro do ensino superior do Talibã disse que baniu as mulheres das universidades por não aderirem aos códigos de vestimenta islâmicos e outros “valores islâmicos”, citando estudantes do sexo feminino que viajam sem um guardião. o movimento raiva despertada entre as mulheres no Afeganistão.

uma Um grupo de mulheres saiu às ruas Na cidade de Herat, no sábado, para protestar contra a proibição da universidade. Imagens de vídeo que circulam nas redes sociais mostram oficiais do Talibã usando canhões de água para dispersar os manifestantes. Meninas foram vistas correndo de canhões de água e “covardes” foram gritados com os oficiais.

Novo sinal de restrições Outro passo Na repressão brutal do Talibã às liberdades das mulheres afegãs, depois que o grupo islâmico linha-dura assumiu o controle do país em agosto de 2021.

Embora o Talibã tenha afirmado repetidamente que protegerá os direitos de meninas e mulheres, na realidade eles fizeram o oposto, despojando as liberdades duramente conquistadas pelas quais lutaram incansavelmente nas últimas duas décadas.

Algumas das restrições mais marcantes diziam respeito à educação, já que as meninas também foram impedidas de retornar às escolas secundárias em março. Esta mudança devastou muitos estudantes e suas famílias Ela descreveu à CNN seus sonhos despedaçados Para se tornarem médicos, professores ou engenheiros.

As Nações Unidas condenaram no sábado o anúncio do Talibã de uma ONG e disseram que tentariam obter uma reunião com a liderança do Talibã para buscar esclarecimentos.

As mulheres devem ser capacitadas para desempenhar um papel crítico em todos os aspectos da vida, incluindo a resposta humanitária. A declaração das Nações Unidas afirmou que impedir as mulheres de trabalhar viola os direitos mais básicos das mulheres e também é uma clara violação dos princípios humanitários. “Esta última decisão só prejudicará ainda mais os mais vulneráveis, especialmente mulheres e meninas”.

READ  Ex-Papa Bento XVI jaz no estado da Basílica de São Pedro antes do funeral

O UNICEF disse que foi um “revés flagrante nos direitos de meninas e mulheres (que) terá consequências terríveis para a prestação de serviços de saúde, nutrição e educação para crianças”.

A Anistia Internacional pediu que a proibição fosse “rescindida imediatamente” e que o Talibã “parasse de abusar de seu poder”.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também condenou a medida no sábado. “Profundamente preocupado que a proibição do Talibã de mulheres que entregam ajuda humanitária no Afeganistão interrompa a assistência vital e que salva vidas a milhões”, escreveu ele no Twitter. “As mulheres estão no centro das operações humanitárias em todo o mundo. Esta decisão pode ser devastadora para o povo afegão.”

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, disse que as autoridades americanas “não devem interferir nos assuntos internos do Afeganistão”.

“Essa organização que opera no Afeganistão é obrigada a cumprir as leis e regulamentos de nosso país”, escreveu ele no Twitter no domingo, acrescentando: “Não permitimos que ninguém pronuncie palavras irresponsáveis ​​ou faça ameaças sobre decisões ou funcionários do Emirado Islâmico. do Afeganistão sob o pretexto de ajuda humanitária”.