Maio 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Ucrânia afirma que a Rússia está planejando um acidente “massivo” em uma instalação nuclear | Notícias sobre Energia Nuclear

Ucrânia afirma que a Rússia está planejando um acidente “massivo” em uma instalação nuclear |  Notícias sobre Energia Nuclear

A Diretoria de Inteligência de Defesa da Ucrânia adverte que a Rússia simulará um ataque à usina nuclear de Zaporizhia.

O Ministério da Defesa da Ucrânia alertou que a Rússia planeja simular um grande acidente na usina nuclear de Zaporizhia, que está sob controle das forças russas, na tentativa de impedir um esperado contra-ataque da Ucrânia para recuperar seus territórios ocupados por Moscou.

A usina de Zaporizhye, localizada em uma região ocupada pela Rússia no sul da Ucrânia, é a maior usina nuclear da Europa e a área tem sido repetidamente bombardeada, com ambos os lados culpando um ao outro pelos graves ataques.

Antes do esperado contra-ataque da Ucrânia, o medo de uma possível catástrofe nuclear cresceu em meio ao aumento da atividade militar em torno de Zaporizhia.

“Os russos estão se preparando para uma provocação massiva e imitação do acidente na usina nuclear de Zaporizhia na próxima hora”, disse a Diretoria de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia na sexta-feira.

Eles estão planejando atacar o território ZNPP [Zaporizhzhia Nuclear Power Plant]. A Diretoria de Inteligência disse em um comunicado, e posteriormente nas redes sociais, que anunciaria o vazamento de materiais radioativos.

A Diretoria disse que relatos de vazamento de materiais radioativos da fábrica levariam a um incidente global e forçariam uma investigação por autoridades internacionais, durante a qual todas as hostilidades seriam interrompidas. O serviço de inteligência disse que a Rússia usaria essa pausa na luta para reagrupar suas forças e se preparar melhor para parar a contra-ofensiva ucraniana.

“É claro que eles vão culpar a Ucrânia”, disse a diretoria, acrescentando que o objetivo do ataque seria “provocar a comunidade internacional” a investigar o incidente e forçá-los a parar de lutar.

READ  Reino Unido, França e Espanha aceleram novos controles da Covid para chegadas da China

Especialistas dizem que relatos de vazamento radioativo na estação seriam seguidos por evacuações imediatas, o que poderia ser muito complicado em uma zona de guerra. Segundo especialistas, para muitas pessoas, o medo da contaminação por radiação também pode ser mais perigoso do que a própria radiação.

Na semana passada, disseram testemunhas, as forças militares russas reforçaram suas posições defensivas dentro e ao redor da usina nuclear antes do tão esperado contra-ataque na Ucrânia.

Em preparação para o acidente radiológico planejado, disse o departamento de inteligência ucraniano, a Rússia interrompeu a rotação programada dos inspetores da AIEA presentes na estação.

O relato de um incidente planejado em Zaporizhia foi repetido em um tweet do representante da Ucrânia nas Nações Unidas em Nova York, Sergey Kislitsya, que disse que os eventos podem acontecer “nas próximas horas”.

A declaração da diretoria não forneceu evidências para apoiar suas reivindicações, e a Agência Internacional de Energia Atômica, com sede em Viena, que frequentemente publica atualizações sobre a situação na usina, não mencionou nenhuma interrupção em seu cronograma.

READ  Terremoto nas Filipinas: terremoto de magnitude 7,1 atinge a província de Abra, Manila ficou chocada

Kiev e Moscou acusaram-se repetidamente de atacar a fábrica.

A Rússia disse em fevereiro que a Ucrânia estava planejando um ataque nuclear em seu solo, culpando Moscou.

Moscou também acusou repetidamente Kiev de planejar operações “falsas” com armas não convencionais, usando materiais biológicos ou radioativos.

Nenhum desses ataques aconteceu ainda.

O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, informará o Conselho de Segurança da ONU na próxima semana sobre a situação de segurança em Zaporizhia e seu plano de salvaguardas no local. Grossi, que visitou a fábrica pela última vez em março, intensificou os esforços para chegar a um acordo com a Ucrânia e a Rússia para garantir a proteção da fábrica durante os combates.

“É muito simples: não atire na fábrica e não use a fábrica como base militar”, disse Grossi em comunicado na semana passada.

“Deve ser do interesse de todos concordar com um conjunto de princípios para proteger a fábrica durante o conflito”, acrescentou.

Zaporizhzhia já forneceu quase 20% da eletricidade da Ucrânia e continuou funcionando durante os primeiros meses da invasão russa, apesar dos frequentes bombardeios, antes de interromper totalmente a produção de energia em setembro.

Nenhum dos seis reatores da era soviética da Ucrânia gerou eletricidade desde então, mas a instalação de Zaporizhia ainda está conectada à rede elétrica da Ucrânia para suas próprias necessidades, em particular para resfriar os reatores nucleares da usina.