Julho 19, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Ucrânia amplia cortes de energia enquanto bombardeios russos continuam

Ucrânia amplia cortes de energia enquanto bombardeios russos continuam

Os ucranianos enfrentam cortes de energia que duram até oito horas na quarta-feira, enquanto o seu país enfrenta graves danos nas centrais eléctricas devido aos contínuos ataques russos.

O Presidente Volodymyr Zelensky, falando terça-feira numa conferência sobre a reconstrução da Ucrânia, disse que a Rússia destruiu metade da capacidade de produção de electricidade do seu país desde que começou a atacar instalações energéticas no final de Março.

Os residentes da capital, Kiev, com uma população de três milhões, enfrentam algumas das mais significativas carências energéticas. O zumbido dos geradores ecoa por toda a cidade, enquanto à noite as ruas ficam muitas vezes envoltas em escuridão.

Famílias com crianças pequenas que moravam nos andares superiores de prédios de apartamentos ficaram sem elevadores funcionando, o que os obrigou a subir dezenas de lances de escada.

A Ucrânia compra energia à União Europeia para tentar cobrir a sua escassez. O Ministério da Energia disse na quarta-feira que planeja importar a maior quantidade de energia até agora. No entanto, isto não é suficiente para compensar o défice, o que significa que foi planeado um corte de energia a nível nacional durante um período de oito horas, das 15h00 às 23h00, a fim de proteger infra-estruturas críticas, como hospitais e instalações militares.

A situação deverá piorar à medida que as temperaturas aumentam no verão e as pessoas ligam os aparelhos de ar condicionado.

Se a Rússia continuar a atacar centrais eléctricas, o pior cenário é que, no Inverno, os ucranianos possam passar até 20 horas por dia sem electricidade e aquecimento, de acordo com a maior empresa privada de energia da Ucrânia, a DTEK. Parte do problema é que a reparação de centrais térmicas e hidroeléctricas na Ucrânia é difícil e dispendiosa.

READ  Os marroquinos passaram a segunda noite nas ruas depois que um forte terremoto matou mais de 2.000 pessoas

“Alguns deles levarão anos para serem reparados e outros poderão nunca mais funcionar”, disse Maria Tsatorian da Ukrainergo, operadora nacional de energia da Ucrânia.

Durante a noite, a Rússia lançou ataques com mísseis e drones em toda a Ucrânia, incluindo a capital, Kiev, onde o som das defesas aéreas podia ser ouvido nas primeiras horas da manhã.

O comandante do exército em Kiev, Serhiy Popko, disse que os sistemas de defesa aérea da cidade não conseguiram contornar nada. No entanto, uma instalação energética na região nordeste de Sumy foi danificada no ataque.

Oleg Strelka, do Serviço de Emergência do Estado em Sumy, disse à BBC que um dos efeitos do prolongado corte de energia foi que as pessoas ligavam todos os seus aparelhos eléctricos ao mesmo tempo assim que a electricidade voltava, causando incêndios. “No último mês, resgatamos crianças e idosos de casas cheias de fumaça”, disse ele.

Zelensky disse aos países ocidentais que precisa de mais sete sistemas avançados de defesa aérea, chamados Patriot, para proteger as cidades e a infraestrutura energética na Ucrânia. Segundo a mídia americana, Washington concordou em enviar outro sistema desse tipo para a Ucrânia nos próximos dias.

O governo ucraniano prepara-se para realizar neste fim de semana uma cimeira de paz global na Suíça, que visa reunir o maior número possível de países para apoiar o plano de paz de 10 pontos, que se centra na retirada da Rússia de todo o território ucraniano. Mais importante ainda, a Rússia não foi convidada e países influentes, incluindo a China, e talvez o Brasil e a África do Sul, não comparecerão.

Ciente das limitações da conferência, o chefe de gabinete do Presidente Zelensky, Andriy Yermak, disse ontem que a Ucrânia espera construir primeiro uma ampla plataforma de apoio, antes de explorar a possibilidade de realizar uma segunda cimeira, para a qual a Rússia será convidada.

READ  Ramaphosa, da África do Sul, diz a Putin: a guerra na Ucrânia deve parar Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia