Agosto 12, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Ucrânia bombardeia forças russas no sul perto de Kyiv

Ucrânia bombardeia forças russas no sul perto de Kyiv
  • Ucrânia está tentando interromper linhas de abastecimento e pontes de bombas
  • Alvejando forças russas com ataques aéreos
  • Rússia ataca região de Kyiv pela primeira vez em semanas
  • Detalhes ‘críticos’ na preparação para embarques de grãos – ONU

Kyiv (Reuters) – A Ucrânia intensificou seus contra-ataques contra as forças russas no sul enquanto Moscou bombardeava os arredores de Kyiv pela primeira vez em semanas, enquanto o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial continua sem fim à vista.

O governador regional de Kyiv, Oleksiy Kuleba, disse no Telegram que 15 pessoas ficaram feridas quando foguetes atingiram instalações militares na região de Vyshhorod, nos arredores da capital ucraniana, na quinta-feira.

Sirenes de ataque aéreo soaram quando o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky se dirigiu ao parlamento ao lado do presidente lituano Gitanas Nauseda, enquanto a Ucrânia marcou o Dia do Estado da Ucrânia com um feriado pela primeira vez na quinta-feira.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Não importa com o que a Rússia nos ameace; sejam sirenes de ataque aéreo ou qualquer outra coisa, o importante é fazer com que outros países se apaixonem por nossa fortaleza ucraniana”, disse Zelensky.

O ataque destruiu a sensação de vida voltando ao normal em Kyiv desde que as forças russas abandonaram as tentativas de capturar a cidade nas primeiras semanas da guerra, em face da feroz resistência ucraniana.

O governador da região, Vyacheslav Chusov, disse à televisão ucraniana que mais de 10 mísseis russos atingiram a região de Chernihiv, a nordeste de Kyiv. Como Kyiv, Chernihiv não é alvo há semanas.

“Esta era a Rússia cumprimentando no Dia da Soberania do Estado na Ucrânia”, disse ele, acrescentando que havia preocupações sobre um “segundo estágio das operações terrestres do inimigo”.

READ  Ministro da Europa da Finlândia disse que é "altamente provável" se juntar à Otan

O Comando Norte das Forças Armadas da Ucrânia disse que mais de 20 mísseis foram disparados contra a região de Chernihiv, na fronteira com a Rússia, a partir de uma base na Bielorrússia, aliada da Rússia.

No sul, a Ucrânia disse que seus aviões bombardearam cinco redutos russos ao redor de Kherson e outra cidade próxima, o foco de seu maior contra-ataque desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

A região de Kherson, que faz fronteira com a Crimeia, anexada à Rússia, caiu nas mãos das forças russas logo após o início do que Moscou chama de “operação militar especial”. A Ucrânia descreve as ações da Rússia como uma guerra de conquista ao estilo imperial.

A Ucrânia usou sistemas de mísseis de longo alcance do Ocidente para danificar gravemente três pontes sobre o rio Dnipro nas últimas semanas, dificultando o fornecimento de suas forças na Cisjordânia.

A inteligência britânica disse que a estratégia começou a isolar as forças russas na região de Kherson.

“O quadragésimo nono exército russo estacionado na margem ocidental do rio Dnipro agora parece muito fraco”, disse ela em um boletim de inteligência.

Kherson estava agora praticamente isolado das outras terras ocupadas pela Rússia.

A inteligência britânica disse que sua perda prejudicaria severamente as tentativas da Rússia de retratar a ocupação como um sucesso.

A Ucrânia diz que retomou alguns pequenos assentamentos no extremo norte da região nas últimas semanas, enquanto tenta empurrar as forças russas de volta.

READ  Mais de 1,5 milhão de pessoas cruzaram da Ucrânia para países vizinhos

O Ministério da Defesa russo disse que seus aviões atacaram uma brigada de infantaria ucraniana no extremo norte da região de Kherson, matando mais de 130 de seus soldados nas últimas 24 horas.

Kirill Strimosov, vice-chefe da administração militar e civil indicada pela Rússia que administra a região de Kherson, também rejeitou as avaliações ocidentais e ucranianas da situação no campo de batalha.

A Reuters não conseguiu verificar os relatórios do campo de batalha.

Na quinta-feira, a Agência de Informação Russa informou que os serviços de segurança russos revelaram que um grupo de agentes ucranianos em Kherson os pagou para passar as coordenadas das forças russas de lá para a Ucrânia para atacá-los com artilharia.

Vitaly Kim, governador da região de Mykolaiv, disse no Telegram que duas pessoas na cidade costeira de Koblevo explodiram em uma mina marítima enquanto nadavam apesar da proibição.

Frente Oriental

A Rússia continua a lançar ataques contra alvos em toda a Ucrânia, enquanto tenta obter o controle de toda a região industrial de Donbass, no leste, que inclui as províncias de Donetsk e Luhansk.

O governador da região de Donetsk, Pavlo Kirilenko, disse no Telegram que as forças russas bombardearam a cidade de Bakhmut, que a Rússia descreveu como um alvo importante em seu avanço por Donetsk, quatro vezes. Ele acrescentou que pelo menos três pessoas morreram e três ficaram feridas.

À medida que os combates se intensificavam, os esforços internacionais continuaram a tentar reabrir os portos ucranianos e permitir a exportação de grãos e outros bens.

Permitir a passagem segura de carregamentos de grãos da Ucrânia deve aliviar a escassez que deixou dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo enfrentando a alta dos preços dos alimentos e a fome.

READ  Notícias de Biden hoje: Presidente brinca sobre 'bons velhos tempos' com Obama enquanto ele pausa dívida de empréstimo estudantil pela sexta vez

Rússia e Ucrânia fecharam um acordo na semana passada para suspender a proibição de exportações de grãos dos portos do Mar Negro, mas o coordenador de ajuda da ONU, Martin Griffiths, disse que detalhes “críticos” da passagem segura de navios ainda estão sendo elaborados.

Griffiths esperava que o primeiro carregamento de grãos fosse enviado de um porto ucraniano no Mar Negro já na sexta-feira. Consulte Mais informação

(Esta história corrige o sexto parágrafo para esclarecer que os ataques com mísseis foram na região de Chernihiv e não na cidade)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Grant McCall e Stephen Coates; Edição por Cynthia Osterman e Lincoln Fest.

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.