Maio 21, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Ucranianos apelam para resgatar Mariupol; avanço da Rússia

Ucranianos apelam para resgatar Mariupol;  avanço da Rússia

KHARKIV, Ucrânia (AFP) – No sábado, as forças ucranianas lutaram para repelir qualquer avanço russo O objetivo é capturar uma zona industrial oriental junto com o último reduto da Ucrânia na cidade de Mariupol, no sul, onde combatentes e civis escondidos sob uma siderúrgica gravemente danificada estão sofrendo em condições terríveis.

As Nações Unidas continuaram a tentar intermediar a evacuação de civis da extensa fábrica da era soviética e outras ruínas bombardeadas de Mariupol, uma cidade portuária que a Rússia tentou capturar e foi fortemente bombardeada desde que invadiu a Ucrânia há mais de nove semanas. atrás. .

Há até 1.000 civis nas siderúrgicas de Azovstal, de acordo com autoridades ucranianas, que não disseram quantos combatentes permaneceram na única parte desocupada de Mariupol. pelas forças russas. Os russos estimaram o número de soldados ucranianos na fábrica em cerca de 2.000.

Duas mulheres ucranianas compartilharam os vídeos e fotos com a Associated Press, que disse que seus maridos estavam entre os combatentes Apareceram homens não identificados com bandagens manchadas precisando ser trocadas; Outros tiveram feridas abertas ou tiveram membros amputados.

As mulheres, que identificaram seus maridos como membros do Regimento Azov da Guarda Nacional Ucraniana, disseram que uma grande equipe médica estava tratando pelo menos 600 feridos. Disseram que algumas feridas estavam apodrecendo de gangrena.

No vídeo compartilhado pelas mulheres, os homens feridos disseram à câmera que comem uma vez por dia e compartilham pelo menos 1,5 litro de água por dia entre quatro pessoas. Eles disseram que os suprimentos dentro da instalação sitiada acabaram.

A AP não conseguiu verificar de forma independente a data e o local das filmagens, que as mulheres disseram ter sido feitas na semana passada em calçadas sob a siderúrgica.

miniatura de vídeo do youtube

Um homem sem camisa falou com dor palpável enquanto descrevia seus ferimentos: duas costelas quebradas, um pulmão perfurado e um braço deslocado que “estava pendurado sobre o corpo”.

“Quero dizer a todos que veem isso, se você não parar com isso aqui, na Ucrânia, vai mais longe, na Europa.

READ  Vladimir Putin passará por cirurgia de câncer e transferirá poder

Em outros desenvolvimentos:

– O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse em uma entrevista que os negociadores russos e ucranianos falam “quase todos os dias”. Mas ele disse à Xinhua que “o progresso não foi fácil”.

– Sua família disse que um ex-fuzileiro naval dos EUA foi morto enquanto lutava ao lado de forças ucranianas, no que seria o primeiro assassinato conhecido de um americano na guerra. Os Estados Unidos não confirmaram a notícia.

– O prefeito Nikolai Khanatov disse que dois ônibus que se dirigiam para a cidade de Popasna, no leste da Ucrânia, para evacuar os moradores foram atacados e o contato com os motoristas foi perdido.

As Forças de Defesa Aérea da Rússia avistaram um avião militar ucraniano sobre a região russa de Bryansk e tentaram repelir os aviões. O governador do distrito, Alexandre Bogomaz, disse que dois projéteis atingiram uma vila. Ninguém ficou ferido, disse Bogomaz, mas alguns danos a um porto de petróleo.

Obter uma imagem completa da batalha acontecendo no leste foi difícil porque os ataques aéreos e os bombardeios de artilharia tornaram o movimento dos jornalistas muito perigoso. Tanto a Ucrânia quanto os rebeldes apoiados por Moscou que lutam no leste também restringiram fortemente os relatórios da zona de combate.

Mas analistas militares ocidentais observaram que a ofensiva de Moscou na região leste de Donbass, que inclui Mariupol, estava ocorrendo muito mais lentamente do que o planejado. Até agora, as forças separatistas apoiadas pela Rússia e por Moscou na região parecem ter obtido apenas pequenos ganhos no mês desde que Moscou disse que concentraria seu poder militar no leste da Ucrânia.

Numericamente, a mão de obra militar russa excede em muito a força de trabalho na Ucrânia. Nos dias anteriores ao início da guerra, a inteligência ocidental estimou que a Rússia estava estacionada perto da fronteira com até 190.000 soldados. O exército ucraniano permanente somava cerca de 200.000, espalhados por todo o país.

READ  ONU condena proibição financeira da mídia francesa | liberdade de imprensa noticias

Um alto funcionário da defesa dos EUA que falou sob a condição disse que os EUA acreditam que os russos estão “pelo menos vários dias atrás de onde querem”, em parte por causa da insistência da resistência ucraniana, enquanto tentam cercar as forças ucranianas na região. leste. Anonimato para discutir a avaliação dos militares dos EUA.

O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha forneceu uma descoberta semelhante em sua avaliação diária da guerra, dizendo acreditar que as forças russas na Ucrânia provavelmente sofreram de “baixa moral”, juntamente com a falta de habilidades em nível de unidade e “apoio aéreo inconsistente”. Não informou em que base a avaliação foi realizada.

Com bastante poder de fogo na reserva, a prometida ofensiva russa ainda poderia se intensificar e contornar os ucranianos. No geral, o exército russo tem cerca de 900.000 funcionários na ativa. A Rússia também tem um poder aéreo e marítimo muito maior do que a Ucrânia e possui armas nucleares táticas.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky admitiu isso em seu discurso noturno.

Se os invasores russos conseguirem realizar seus planos, pelo menos em parte, ainda terão artilharia e aeronaves suficientes para destruir todo o Donbass. Assim como destruíram Mariupol.

“A cidade, que foi uma das mais desenvolvidas da região, é simplesmente um campo de concentração russo em meio às ruínas”, disse Zelensky.

Em Mariupol, acredita-se que cerca de 100 mil pessoas permaneçam na cidade com pouca comida, água e remédios. O porta-voz da ONU Farhan Haq disse que a organização está negociando com autoridades em Moscou e Kiev para criar condições para uma passagem segura.

A Ucrânia atribuiu o fracasso de várias tentativas anteriores de evacuação ao contínuo bombardeio russo.

Para quem trabalha na siderúrgica, uma extensa rede de túneis e bunkers subterrâneos oferece segurança contra ataques aéreos. Mas a situação se tornou mais perigosa Depois que os russos lançaram “mísseis destruidores de bunkers” e outras bombas na fábrica, disse o prefeito na sexta-feira.

READ  Crise na Rússia e na Ucrânia: atualizações ao vivo

As mulheres que disseram que seus maridos estão na siderúrgica como parte do regimento Azov disseram temer que os soldados fossem torturados e mortos se os russos e suas famílias os deixassem. Eles solicitaram uma missão no estilo Dunquerque para evacuar os combatentes, em referência à operação da Segunda Guerra Mundial lançada para resgatar as forças aliadas sitiadas no norte da França.

“Nós podemos fazer essa extração… que salvará nossos soldados, civis e nossos filhos”, disse Katerina Prokopenko, 27, à Associated Press em Roma. “Precisamos fazer isso agora, porque as pessoas – a cada hora, a cada segundo – estão morrendo.”

O Batalhão Azov que ajuda a defender a siderúrgica tem suas raízes no Batalhão Azov, formado em 2014 por ativistas de extrema-direita no início do conflito separatista no leste da Ucrânia. Autoridades russas apontaram para o passado do regimento enquanto tentavam justificar suas atividades no leste da Ucrânia.

Apesar da intensidade dos combates no leste, alguns ucranianos tentaram retornar para a área sitiada, contrariando o fluxo de quase 5,5 milhões de pessoas que fugiram do país desde a invasão russa.

“Tudo está lá. Nossas raízes estão lá”, um homem de 75 anos pretende cruzar a linha de frente de Zaporizhia com sua esposa para chegar à sua casa em Donetsk. “Até as pessoas de Mariupol querem voltar.”

___

Os jornalistas John Gambrel e Juras Karmanau em Lviv, Mstislav Chernov em Kharkiv, Jesica Fisch em Sloviansk, Lolita C. Baldur em Washington, Trisha Thompson em Roma e funcionários da AP em todo o mundo contribuíram para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra na Ucrânia: https://apnews.com/hub/russia-ukraine