Janeiro 27, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Um importante aliado de Netanyahu não pode ser um ministro do gabinete, decidiu a Suprema Corte de Israel, provocando uma possível crise governamental


Jerusalém
CNN

A Suprema Corte de Israel decidiu por 10 a 1 na quarta-feira que não permite que Aryeh Deri, líder do partido Shas e um importante aliado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, sirva como ministro do gabinete devido à sua condenação em fevereiro de 2022 por fraude fiscal.

O tribunal decidiu que Netanyahu deveria remover Deri do cargo. Tal movimento mergulharia o país em uma crise política.

O partido Shas de Al-Dari – que conquistou 11 assentos no Knesset de 120 assentos de Israel em novembro e é um componente-chave da coalizão de Netanyahu – respondeu imediatamente, chamando a decisão do tribunal de “arbitrária e sem precedentes”.

O partido religioso sefardita disse que o tribunal “anulou hoje os votos e votos de 400.000 eleitores do movimento Shas”.

“Hoje o tribunal de fato decidiu que as eleições não têm sentido. A decisão do tribunal é política e maliciosa”, disse o partido.

A Suprema Corte foi solicitada a decidir se é legalmente razoável nomear Deri para cargos no governo de Netanyahu, apesar de sua condenação por fraude fiscal.

Os juízes decidiram que sua nomeação “não poderia continuar”.

“Isso se deve, entre outras coisas, ao acúmulo de condenações criminais” e ao fato de ele não ter se aposentado da vida pública, como disse que faria quando foi julgado no caso de fraude fiscal.

A Suprema Corte foi solicitada a decidir se era legalmente razoável nomear Deri para cargos no governo de Netanyahu.

A principal questão legal é se a condenação de Deri por fraude fiscal constituiu um crime de torpeza moral. Até as eleições de novembro, isso o teria desqualificado para servir no governo.

Deri retratado no Knesset em 29 de dezembro.

Mas Netanyahu e seus aliados fizeram uma mudança na lei após sua vitória eleitoral, abrindo caminho para que Deri se tornasse ministro.

READ  Tempestade violenta mata seis na Córsega e ilha levanta novo alerta

Deri era membro do Knesset na época de sua condenação por fraude fiscal no ano passado.

Ele renunciou ao cargo de deputado em vez de dar ao Comissário Eleitoral Chefe a oportunidade de decidir se a condenação o desqualificava para servir como ministro.

Isso significa que a questão legal de saber se a condenação por fraude de Deri constitui um crime contra a honra permanece sem solução.

Os aliados de Deri indicaram esta semana que o líder do partido Shas não renunciaria ao cargo ministerial, mesmo que a decisão do tribunal fosse contra ele.

Sua recusa em renunciar – ou a recusa de Netanyahu em demiti-lo – pode levar a uma crise constitucional que colocará o governo contra a Suprema Corte.

Netanyahu e seus parceiros de coalizão detêm 64 assentos no Knesset de 120 assentos, com uma maioria de quatro. E o partido Shas de Deri detém 11 assentos em 64, então a demissão de Deri mergulharia o governo em uma crise.

Na quarta-feira à noite, horário local, Netanyahu foi visto visitando a casa de Deri, passando cerca de 45 minutos dentro antes de sair novamente. Netanyahu não fez comentários aos repórteres que estavam do lado de fora.

O ministro da Justiça, Yariv Levin – membro do partido Likud de Netanyahu – prometeu intervir em nome de Deri.

“Farei o que for necessário para que a flagrante injustiça do rabino Aryeh Deri, do movimento Shas e da democracia israelense seja corrigida”, disse Levin.

Levin já anunciou planos para transformar o sistema de justiça de Israel, dando ao Knesset o poder de anular as decisões da Suprema Corte e revisar as indicações para o tribunal.

A juíza da Suprema Corte, Esther Hayut – que estava entre os 10 juízes que decidiram na quarta-feira que Netanyahu deveria demitir Deri – chamou as mudanças propostas na semana passada de “um ataque selvagem ao sistema legal”.

READ  Otan instou a Ucrânia a desafiar o ultimato da Rússia à cidade oriental para enviar mais armas

Israel experimentou instabilidade política nos últimos anos, com Netanyahu obtendo uma vitória apertada na quinta eleição de Israel em menos de quatro anos em novembro.

Netanyahu, que assumiu como primeiro-ministro pela sexta vez em sua carreira no final de dezembro, permaneceu uma figura dominante durante um prolongado período de caos político.

Seu último governo provavelmente será o mais direitista da história de Israel.

Itamar Ben Gvir, extremista condenado por apoiar o terrorismo e incitar o racismo contra os árabes, tornou-se ministro da Segurança Nacional. Bezalel Smotrich, que apoiou a abolição da Autoridade Palestina e a anexação da Cisjordânia, tornou-se Ministro das Finanças.

O mandato final de Netanyahu teve um começo difícil, com dezenas de milhares manifestando-se em Tel Aviv e Jerusalém em 14 de janeiro contra as mudanças que seu governo propôs ao sistema judicial de Israel.

Os presentes seguravam cartazes comparando Netanyahu ao presidente russo, Vladimir Putin, e dizendo que Israel está se voltando para países como a quase democrática Hungria e o teocrático Irã.

Os manifestantes disseram à CNN que vieram por medo do futuro de Israel e para enviar uma mensagem a Netanyahu de que o público não apoiará o que eles veem como um desmantelamento da democracia israelense.