Junho 29, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Yellen pede que Europa aumente ajuda à Ucrânia

Yellen pede que Europa aumente ajuda à Ucrânia

BRUXELAS – A secretária do Tesouro, Janet Yellen, exortou os países europeus nesta terça-feira a aumentar seus gastos para apoiar a Ucrânia, já que os ataques russos à infraestrutura crítica do país mostraram poucos sinais de diminuição.

Os Estados Unidos e a Europa coordenaram de perto a promulgação de sanções abrangentes contra a Rússia nos quase três meses desde que seu presidente, Vladimir Putinordem para invadir. Mas eles têm sido menos consistentes sobre a necessidade de ajudar a sustentar a economia ucraniana e ajudar a reconstruí-la quando a guerra terminar.

Congresso já aprovou Pacote de gastos emergenciais de US$ 13,6 bilhões para a Ucrânia Espera-se que ele concorde com outro US$ 40 bilhões em ajuda. Embora a União Europeia e as instituições financeiras internacionais também estejam fazendo contribuições significativas para a ajuda, Yellen disse que é preciso fazer mais.

“Peço sinceramente a todos os nossos parceiros que se juntem a nós para aumentar seu apoio financeiro à Ucrânia”, disse Yellen em um discurso no Fórum Econômico de Bruxelas, de acordo com seus comentários preparados. “Nossos esforços conjuntos são essenciais para ajudar a garantir que a democracia ucraniana prevaleça sobre a agressão de Putin.”

O secretário do Tesouro está no meio de uma viagem de uma semana à Europa, com Parada em Varsóvia, Bruxelas e Bonn, Alemanha, onde ela se encontrará com seus colegas na Cúpula dos Ministros das Finanças do G7. A ajuda à Ucrânia deverá ser um tema central nessa reunião.

Yellen disse que as necessidades financeiras da Ucrânia são imediatas e que faltam fundos para pagar soldados, aposentados e funcionários para manter seu governo funcionando.

“O que está claro é que o apoio bilateral e multilateral anunciado até agora não será suficiente para atender às necessidades da Ucrânia, mesmo no curto prazo”, disse ela.

READ  G7 pretende arrecadar US$ 600 bilhões para enfrentar o Cinturão e Rota da China

Resta saber se seu chamado será atendido. Os países europeus enfrentam seus próprios estresses econômicos, incluindo inflação rápida e altos custos de energia, e desafios significativos estão à frente à medida que procuram se distanciar da energia russa.

Yellen disse que os EUA ajudariam a quebrar a dependência da Europa da energia russa, em parte aumentando as exportações americanas de gás natural liquefeito. Ela reconheceu que algumas metas climáticas para reduzir as emissões podem ser prejudicadas pela necessidade de depender de carvão e combustíveis fósseis, mas disse que o atual impasse deve ser um lembrete da necessidade de “redobrar nossos esforços em energia limpa e renovável”.

A energia é outra questão importante que os formuladores de políticas discutirão na Cúpula dos Ministros das Finanças do G7 em Bonn no final desta semana. Espera-se que os Estados Unidos pressionem a União Europeia a considerar opções alternativas antes de seu plano de introduzir um embargo de petróleo russo em fases até o final do ano.

Autoridades do Tesouro disseram na terça-feira que querem que a Europa considere mecanismos de preços, como teto de preço ou tarifas que prejudicariam grande parte dos lucros do petróleo da Rússia, enquanto ainda dariam ao país incentivo suficiente para continuar a produção.

Autoridades do Tesouro se recusaram a compartilhar suas estimativas sobre o impacto do embargo sobre os preços do petróleo, mas disseram que a restrição ao fornecimento global de petróleo ameaça elevar os preços em um momento em que a inflação já está subindo.

Após uma reunião com Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, Yellen disse a repórteres que acreditava que as tarifas sobre o petróleo russo poderiam ser decretadas rapidamente e combinadas com a proposta de eliminação gradual que a Europa está considerando.

READ  Volodymyr Zelensky: Presidente da Ucrânia detalhou supostas atrocidades russas em duro discurso na ONU

“Eles estão falando sobre o próximo ano como um prazo e, enquanto isso, pode ser possível combinar a eliminação gradual com o mecanismo de preços”, disse Yellen, referindo-se à tarifa ou limite de preço. É crucial que eles reduzam sua dependência do petróleo russo. Nós o apoiamos muito.”

Ela acrescentou que os Estados Unidos ajudariam a garantir que a Europa tivesse acesso a suprimentos de energia para atender às suas necessidades.

Em seu discurso, Yellen disse que a decisão da Rússia de cortar o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária deve ser uma lição de que os países ocidentais não devem substituir a segurança nacional por fontes mais baratas. Essa situação agora os deixou vulneráveis ​​a países que podem usar seus abundantes recursos naturais para perturbar os mercados.

Ele citou a China como uma preocupação devido ao fornecimento de metais de terras raras usados ​​em aeronaves, carros e baterias de alta tecnologia.

READ  As mudanças climáticas aumentaram a probabilidade de uma onda de calor na Índia em 100 vezes

“A China está construindo uma participação de mercado em alguns produtos de tecnologia e está lutando por uma posição dominante na fabricação e uso de semicondutores”, disse a Sra. Yellin. “A China usou uma variedade de práticas comerciais desleais em seus esforços para alcançar essa posição.”

No entanto, a Sra. Yellen deixou claro que não estava pedindo mais protecionismo ou uma reversão da globalização. Em vez disso, disse ela, os países não devem colocar todos os ovos na mesma cesta quando se trata de comércio internacional.

“Meu ponto é sugerir que devemos pensar em maneiras de manter o livre comércio e, ao mesmo tempo, reduzir alguns desses riscos”, disse ela.