Janeiro 27, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

A rotação interna da Terra parece estar diminuindo

De acordo com as descobertas de um novo estudo, o núcleo de metal sólido da Terra pode não mais girar em relação à massa massiva do planeta circundante, graças ao que parece ser uma desaceleração recente.

No coração do nosso planeta existe uma enorme bola de metal sólido com 2.400 quilômetros de largura, cercada por um núcleo externo de ferro líquido superaquecido e outros materiais.

Essa barreira líquida separa o núcleo interno sólido da massa maciça da Terra circundante, permitindo que ela gire independentemente. Os cientistas há muito acreditam que o núcleo central gira mais rápido que o manto externo e a crosta do nosso planeta.

Acredita-se que esse fenômeno, conhecido como superspin, seja parcialmente responsável pela geração do campo magnético protetor da Terra e possa ter um impacto nas temperaturas do oceano e na duração de cada dia.

No entanto, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista Ciências Naturais da TerraE A velocidade do kernel pode ter diminuído significativamente nas últimas décadas.

No último estudo – Reportado por vice – Uma equipe de cientistas analisou dados de ondas sísmicas geradas por fortes terremotos que passaram pela crosta do nosso planeta, interagindo com o núcleo interno e externo. Esses terremotos ocorreram principalmente entre 1995 e 2021 em locais espalhados pelo mundo.

Alguns geólogos acreditam que a rotação do núcleo central afeta a quantidade de tempo que leva para as ondas sísmicas viajarem pelo planeta e que, ao rastrear as mudanças na velocidade das ondas que ocorrem próximas umas das outras, elas são capazes de fazer isso. Para medir a velocidade de rotação do núcleo da Terra. Estudos anteriores usaram essa técnica para estimar que a enorme esfera metálica costumava girar cerca de um décimo de grau mais rápido que o manto circundante a cada ano.

READ  Análise de DNA revelou a identidade de fósseis misteriosos encontrados em uma caverna chinesa

No entanto, de acordo com as descobertas do novo estudo, o núcleo da Terra pode ter parado de girar em relação ao resto do planeta. De acordo com os dados sísmicos, a mudança pode já ter ocorrido desde 2009, e o núcleo pode agora estar prestes a entrar em um período de ‘subrotaçãopois girará mais lentamente que o resto do mundo.

“Existem duas forças principais operando no núcleo interno”, disseram os autores do estudo, Yi Yang e Xiaodong Song, da Universidade de Pequim, ao Motherboard. “Uma é a força eletromagnética. O campo magnético da Terra é gerado pelo movimento de fluidos no núcleo externo. Espera-se que o campo magnético atuando no núcleo metálico interno faça com que o núcleo interno gire por meio de acoplamento eletromagnético.”

“A outra é a força gravitacional. O manto e o núcleo interno são altamente não homogêneos, então a gravidade entre suas estruturas tende a puxar o núcleo interno para uma posição de equilíbrio gravitacional, que é chamado de acoplamento gravitacional.”

Segundo os pesquisadores, desequilíbrios nas duas forças podem acelerar ou desacelerar o núcleo. Para sua surpresa, a dupla também descobriu que o núcleo também parecia ter parado de girar independentemente do manto no início dos anos 1970, sugerindo que sua rotação pode mudar naturalmente em um ciclo repetitivo de 70 anos.

Deve-se notar, no entanto, que nem todos os cientistas concordam que o núcleo gira mais rápido que o resto da Terra e, em vez disso, sugerem que os desvios no tempo de viagem das ondas sísmicas podem resultar de mudanças na superfície do vasto núcleo metálico.

Yang e Song agora estão esperando por mais terremotos para enviar ondas sísmicas através do núcleo, a fim de testar ainda mais sua teoria. A NASA também planeja lançar uma missão para explorar o que pode ser o núcleo metálico exposto de um antigo planeta destruído, o que poderia lançar luz sobre o funcionamento interno da Terra e de outros mundos que povoam nosso sistema solar.

READ  SpaceX lançará outra missão histórica de astronautas amanhã

Certifique-se de seguir o IGN para se manter atualizado sobre os desenvolvimentos mais recentes e perturbadores do mundo da ciência.

Anthony é um colaborador freelance que cobre notícias sobre ciência e videogames para a IGN. Ele tem mais de oito anos de experiência cobrindo desenvolvimentos inovadores em vários campos científicos e não há tempo para enganá-lo. Siga-o no Twitter @BeardConGamer

Crédito da imagem: Vadim Sadovsky