Julho 18, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Acredita-se que o pedaço de terra com 3.100 milhas de comprimento se separou da Austrália Ocidental há 155 milhões de anos e deslizou para baixo da crosta terrestre.

Acredita-se que o pedaço de terra com 3.100 milhas de comprimento se separou da Austrália Ocidental há 155 milhões de anos e deslizou para baixo da crosta terrestre.

Cientistas encontraram evidências de um continente perdido Afastou-se da massa de terra que se tornou a Austrália há 155 milhões de anos.

Os geólogos há muito que presumem que Argolândia deve existir devido a um enorme vazio na Austrália Ocidental, mas até agora a evidência tem sido apenas circunstancial.

Uma equipe da Universidade de Utrecht, na Holanda, reconstruiu a história da Argolândia. Descobriu-se que o pedaço de terra de 3.100 milhas de comprimento foi transferido para o sul da Ásia e agora está a mais de 18.000 pés abaixo da superfície do Oceano Índico.

Evidências geológicas magnéticas e estruturais ao longo do fundo do mar local sugerem que o fragmento gigante se rompeu através do movimento das placas tectônicas que constituem a crosta terrestre antes de se deslocar para norte e oeste em direção ao Sudeste Asiático.

Os cientistas encontraram evidências de um continente perdido que se afastou da massa de terra que se tornou a Austrália há 155 milhões de anos.

“A situação no Sudeste Asiático é muito diferente de lugares como África e América do Sul, onde o continente está nitidamente dividido em duas partes”, disse Eldert Advocaat, do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Utrecht. Argolândia se dividiu em muitas partes diferentes.

“Isso atrapalhou nossa visão da jornada continental.”

Os pesquisadores usaram reconstruções computacionais baseadas em evidências geológicas existentes para traçar um quadro de como Argolândia se dividiu em vários pedaços, estabelecendo-se em torno da atual Indonésia e Mianmar.

Em vez de uma única massa de terra, encontraram muitos pedaços menores que se uniram ao longo de milhões de anos.

Ao resolver este mistério, os geólogos preencheram uma importante lacuna de conhecimento, acrescentando um novo contexto ao conjunto de evidências sobre como se formam as montanhas, as ilhas e a geologia submarina.

READ  A nova kilonova fez com que os astrônomos repensassem o que sabemos sobre explosões de raios gama
O continente Argoland separou-se da Austrália há milhões de anos e migrou para o noroeste, mas até agora a sua pátria final era desconhecida.
A existência de Argoland estava implícita na existência de um vazio na Austrália Ocidental chamado Planície Abissal de Argo. Fragmentos de Argolândia foram encontrados no atual Sudeste Asiático

Ao rever a estrutura das “unidades megatectónicas” conhecidas no Sudeste Asiático e no Noroeste da Austrália, a equipa reuniu restos dispersos do que outrora formou a Argolândia e sugeriu como se afastou da sua localização original.

Durante o final do período Jurássico, entre 164 e 145 milhões de anos atrás, a enorme massa de terra da Pangeia dividiu-se em dois supercontinentes, Laurásia e Gondwana. Mas a ruptura não foi limpa.

Neste momento, parece que a Argolândia já estava dividida em múltiplas partes continentais e do fundo do mar.

As ilhas do destino aparente da Argolândia não parecem estar localizadas no topo de algo que se assemelhe a um continente teórico. Os únicos pedaços de crosta continental antiga na área eram muito mais antigos, estimados em cerca de 205 milhões de anos.

Uma equipa da Universidade de Utrecht reconstruiu a história da Argolândia, descobrindo que o pedaço de terra com 3.100 milhas de comprimento viajou para o sul da Ásia e agora se encontra a mais de 18.000 pés abaixo da superfície do Oceano Índico.

Leia mais: A Terra está pronta para formar seu próximo supercontinente

Texto da caixa de fatos

Um novo modelo prevê que o Oceano Pacífico desaparecerá daqui a 300 milhões de anos, unindo os continentes para formar um novo supercontinente chamado Amasia, localizado em torno do Pólo Norte.

Uma possibilidade era que o continente tivesse deslizado para baixo de uma zona de subducção, áreas onde uma placa tectónica se encontra com outra e desliza sob a sua vizinha.

Nessas junções, os fundos marinhos rochosos voltarão a juntar-se ao manto abaixo da crosta terrestre, onde serão derretidos para formar magma e tornar-se crosta em algum momento no futuro.

Devido à incompatibilidade de idade entre a Planície Abissal de Argo e esses fragmentos potenciais, os pesquisadores suspeitaram que os fragmentos podem não ter vindo de Argolândia.

Eles poderiam ter migrado para lá muito antes de Argoland deslizar para baixo da zona de subducção.

READ  Próxima tentativa de teste do foguete lunar gigante Artemis I da NASA começa na terça-feira

Com base na reconstrução da equipa, ao longo dos milhões de anos entre então e agora, estes fragmentos migraram através do Oceano Índico.

Embora os geólogos tenham escrito que os fragmentos estavam “severamente deformados”, eles ainda estavam lá.

Eles se estabeleceram nas áreas agora florestadas de Mianmar, na Ásia continental, e em várias ilhas do arquipélago indonésio.

Os pesquisadores notaram algumas limitações em sua reconstrução.

Muitas idades geológicas estimadas para partes de placas tectônicas baseiam-se em dados mais antigos, por isso dizem que as medições modernas podem ser mais precisas.

Os investigadores acrescentaram: “A densa vegetação e os mares na área reconstruída complicaram as nossas relações e podem nem sempre ser corretas”.