Maio 26, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Alemanha apoiará o embargo de petróleo da UE à Rússia

Alemanha apoiará o embargo de petróleo da UE à Rússia

O ministro das Finanças, Christian Lindner, falando com Julia Chatterley, repórter da CNN, disse que a Alemanha concordaria com quaisquer novas sanções à Rússia com seus parceiros da UE.

“A Alemanha está pronta para impor novas sanções, incluindo um embargo de petróleo”, disse ele.

A União Europeia já concordou em eliminar Importações de carvão da Rússia Como parte da quinta onda de sanções impostas à Rússia por sua invasão da Ucrânia.
Mas o bloco achou mais difícil chegar a um consenso sobre a adesão ao embargo liderado pelos EUA ao petróleo russo Apesar de semanas de conversas. A Reuters informou que a Hungria reiterou sua oposição a um embargo de petróleo novamente na segunda-feira.

Lindner disse que não queria especular se alguns estados membros da UE, como a Hungria, teriam que ser isentos ou excluídos de um embargo de petróleo.

“Posso garantir que a Alemanha está pronta para reduzir as importações de petróleo e sabemos que outros estão pensando cuidadosamente sobre essa questão”, acrescentou.

No ano passado, a Rússia respondeu por cerca de 27% das importações de petróleo da UE. Também forneceu cerca de 40% do gás natural da Europa. Os líderes da UE já prometeram cortar as importações de gás russo em 66% este ano e romper completamente a dependência do bloco até 2027.

“Nos propusemos a ser menos dependentes das importações de energia russas”, disse Lindner. “Podemos reduzir as importações, começando pelo carvão e depois pelo petróleo. Levará mais tempo para sermos independentes das importações de gás natural russo, mas continuaremos a fazê-lo no final, seremos completamente independentes da Rússia”, acrescentou. .

Moscou elevou as apostas em uma tensa crise de energia com a Europa na semana passada, cortando o fornecimento de gás natural para a Polônia e a Bulgária. A gigante estatal Gazprom disse que nenhum dos países concordou com o pedido do presidente Vladimir Putin de abrir duas contas no Gazprombank para clientes em países “hostis” – uma em euros e outra em rublos, onde os pagamentos de gás seriam feitos.

READ  Blinken diz que o 'gamebook' da Rússia para a invasão da Ucrânia está avançando, mas a guerra ainda pode ser evitada

A grande maioria dos contratos da Gazprom com seus clientes europeus prevê o pagamento em euros ou dólares. O ultimato do Kremlin sobre os pagamentos em rublos é amplamente visto como um movimento para reforçar o fundo de guerra e impulsionar a moeda russa.

A Alemanha é a próxima?

A distribuidora de gás alemã Uniper disse na semana passada que continuaria a pagar por suprimentos russos em euros, mas acrescentou que acredita que uma “transferência de pagamentos em conformidade com as sanções” é possível. Ela disse que estava estudando o assunto cuidadosamente em estreita coordenação com o governo alemão.

Lindner disse que espera que as concessionárias alemãs cumpram os termos de seus contratos que exigem pagamento em euros ou dólares.

Altos custos e escassez estão levando a indústria alemã à beira do abismo

“A Alemanha não pode ser chantageada, sabemos que existe uma dependência do gás natural da Rússia, é uma realidade. Precisamos de tempo para reduzir essa dependência”, disse à CNN. “Este é o status dos contratos e não estamos mudando porque Putin precisa de rublos para seu baú de guerra.”

A Alemanha reduziu seu consumo de gás russo para 35% das importações de 55% antes da guerra na Ucrânia, mas diz que precisa continuar comprando de Moscou pelo menos até o próximo ano para evitar uma recessão profunda.

A Uniper disse que não poderia sobreviver sem o gás russo no curto prazo.

“Isso terá consequências terríveis para nossa economia”, disse ela em seu comunicado.

O Bundesbank disse na semana passada que a parada repentina levaria a economia a uma profunda recessão. Cerca de 550.000 empregos e 6,5% da produção econômica anual podem ser perdidos este ano e no próximo, de acordo com uma análise de cinco das principais autoridades do país. Institutos Econômicos.