Junho 30, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Boeing lança cápsula Starliner para astronauta em missão de teste não tripulada

Boeing lança cápsula Starliner para astronauta em missão de teste não tripulada
o Nave espacial Ele subiu ao céu às 18h54 ET de quinta-feira, a bordo de um foguete Atlas 5 que decolou da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida. Depois que o foguete lançou a cápsula em órbita, a espaçonave disparou seus propulsores para conduzi-la na direção certa. Funcionários da Boeing confirmaram a “inserção orbital” do Starliner – uma indicação de que a espaçonave estava no caminho certo – cerca de meia hora após a decolagem. O Starliner passará cerca de 24 horas em voo livre antes de chegar à estação espacial, onde está planejado fazer uma conexão suave e atracar na estação. A previsão é de que permaneça menos de uma semana.
O Starliner provou ser um programa difícil para a Boeing, que originalmente esperava que a espaçonave estivesse operacional em 2017, mas Tem sido atormentado por atrasos e interrupções de desenvolvimento. A primeira tentativa deste voo de teste, chamado OFT-1, foi interrompida em 2019 devido a um problema com o relógio Starliner a bordo. O erro fez com que os propulsores a bordo da cápsula falhassem, fazendo com que ela descarrilasse, e os oficiais decidiram Traga a nave espacial para casa Em vez de continuar o trabalho. Demorou mais de um ano para resolver isso e uma série de outros problemas de software.
Recentemente, foi Starliner Embalado com problemas de válvula. Quando a espaçonave foi movida para a plataforma de lançamento em agosto de 2021, uma inspeção pré-voo revelou que as válvulas principais estavam presas no lugar e os engenheiros não conseguiram solucionar o problema imediatamente.

No final, a cápsula teve que ser devolvida da plataforma de lançamento. Quando os engenheiros não conseguiram repará-lo no local, ele acabou sendo enviado de volta à fábrica da Boeing para uma solução de problemas mais completa.

Desde então, as válvulas se tornaram uma fonte constante de discórdia para a empresa. De acordo com um relatório recente da Reuterso subcontratado que fabrica as válvulas, Aerojet Rocketdyne, com sede no Alabama, está em desacordo com a Boeing sobre a causa raiz do problema da válvula.

Boeing e NASA diferem, de acordo com o relatório e comentários de funcionários da NASA durante recentes coletivas de imprensa.

READ  Em Marte, o ano da surpresa e descoberta do rover e helicóptero da NASA

Mark Naby, vice-presidente da Boeing e gerente de programa da Starliner, observou em uma entrevista coletiva na semana passada que sua investigação indicou que a umidade havia entrado nas válvulas e causado “corrosão” e “ligação”. Isso levou a empresa a conceber uma solução de curto prazo e a criar um sistema de desinfecção, que inclui um pequeno saco, projetado para impedir a entrada de umidade corrosiva. A NASA e a Boeing dizem que estão confortáveis ​​com esta solução.

“Estamos em boa forma para entrar neste sistema”, disse Steve Stitch, gerente do programa de tripulação comercial da NASA, na semana passada.

Mas isso pode não ser o fim de tudo. A Boeing revelou na semana passada que pode eventualmente ter que redesenhar as válvulas.

“Há mais alguns testes que queremos fazer e, com base nesses resultados, solidificaremos o tipo de mudanças que faremos no futuro”, disse Naby. “Provavelmente saberemos mais nos próximos meses.”

Se a Boeing prosseguir com um redesenho mais abrangente das válvulas, não está claro quanto tempo isso levará ou se poderá atrasar a primeira missão de astronauta da Boeing, que, neste momento, está anos atrasada. Segundo documentos públicos, a cessação do trabalho com a Starliner custou à empresa cerca de meio bilhão de dólares.

Enquanto isso, a SpaceX, antes considerada a concorrente mais fraca do Programa de Tripulação Comercial da NASA, já lançou cinco missões de astronauta da NASA, além de duas missões de turismo. O lançamento inaugural de sua espaçonave, Crew Dragon, tornou-se o primeiro a levar astronautas em órbita a partir do solo dos EUA desde que o programa de ônibus espaciais foi aposentado em 2011.