Junho 29, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Terceira tentativa de lançamento da Boeing se aproxima do espaço Starliner preso

Terceira tentativa de lançamento da Boeing se aproxima do espaço Starliner preso

Na quinta-feira, a Boeing Space Company deve realizar um voo de teste crucial de sua nova espaçonave de passageiros, a CST-100 Starliner – uma missão que lançará a cápsula em forma de goma para a Estação Espacial Internacional sem ninguém a bordo. É uma jornada que a Boeing precisa desesperadamente fazer depois de uma longa jornada até a plataforma de lançamento marcada por muitas falhas, falsas partidas e longos atrasos.

Starliner, em sua essência, é um táxi espacial. Projetada para transportar até sete passageiros, a cápsula deve ser lançada em órbita no topo de um foguete Atlas V, depois acoplar automaticamente na Estação Espacial Internacional, ou ISS, e eventualmente pousar na Terra novamente sob uma série de pára-quedas. Uma vez operacional, o Starliner essencialmente transportará os astronautas da NASA de e para a estação para ajudar a manter a tripulação da Estação Espacial Internacional nos trilhos. Mas antes que a NASA se sinta confortável em colocar pessoas a bordo, a agência quer que o Starliner demonstre que pode realizar com segurança todos os principais marcos de uma missão espacial humana.

Provar isso acabou sendo uma luta para a Boeing nos últimos três anos. Na verdade, este próximo lançamento do Starliner é uma reinicialização. A Boeing tentou lançar um Starliner não tripulado pela primeira vez em 2019, mas a espaçonave nunca chegou à estação espacial como pretendido. A pedido da NASA, a empresa concordou em dar outra chance ao voo de teste, com um relançamento planejado para o verão do ano passado. Mas depois que o Starliner foi colocado na plataforma de lançamento, a Boeing acabou devolvendo a espaçonave à fábrica para consertar algumas válvulas que não estavam funcionando corretamente. Já faz quase um ano desde que essa desaceleração ocorreu, e os atrasos são cumulativos Boeing custa mais US$ 595 milhões.

READ  Os lados próximo e distante da lua são surpreendentemente diferentes. Novo estudo esclarece o mistério

Agora, a Boeing está se preparando para tentar novamente, e a empresa espera que uma terceira vez seja mágica. “A equipe da Boeing está pronta e pronta”, disse Mark Naby, gerente do programa de tripulação comercial da Boeing, durante uma coletiva de imprensa antes do voo. “A parceria entre a NASA e a Boeing é realmente forte e é um reflexo de todo o trabalho duro que foi feito”.

A verdade é que as relações da Boeing com a NASA se desgastaram lentamente durante o desenvolvimento do Starliner, e uma falha neste teste de voo poderia colocar essa parceria em maior risco. Além disso, se a Boeing não for bem-sucedida, a NASA pode ficar com apenas um fornecedor de lançamento – SpaceX – para transportar humanos de e para a Estação Espacial Internacional.

primeira tentativa

A Boeing estava trabalhando em um Starliner Desde 2014 Quando a NASA selecionou a empresa, juntamente com a SpaceX, para desenvolver cápsulas espaciais que pudessem transportar astronautas de e para a estação espacial. As duas empresas estão na fase final do programa Commercial Crew da NASA, que visa tornar empresas privadas – não o governo – responsáveis ​​por levar as pessoas à órbita baixa da Terra. Naquela época, a Boeing recebeu um contrato de desenvolvimento inicial no valor de US$ 4,2 bilhões, enquanto a SpaceX recebeu um contrato no valor de US$ 2,6 bilhões.

Esses contratos premiados desencadearam uma competição entre a SpaceX e a Boeing para ver qual empresa poderia lançar humanos para a Estação Espacial Internacional primeiro. Ao longo do desenvolvimento, tanto a SpaceX quanto a Boeing pareciam pescoço a pescoço, com a Boeing esperando um pouco à frente. A empresa tem sido a favorita desde o início, pois é uma contratada de longa data da agência espacial. A Boeing é a principal empreiteira da Estação Espacial Internacional e atualmente está construindo o foguete de próxima geração da NASA, o Space Launch System.

Mas para a Boeing, o Programa de Tripulação Comercial era uma nova maneira de fazer negócios com a NASA. A Boeing muitas vezes trabalhou com a agência espacial por meio de contratos de custo acrescido: acordos nos quais a empresa recebe financiamento da agência para cobrir todos os custos de desenvolvimento. Uma vez que o desenvolvimento termina, a NASA possui o veículo. Com a Commercial Crew, os contratos tinham um preço fixo. A NASA deu às empresas uma quantia fixa e as empresas tiveram que cobrir quaisquer custos de desenvolvimento além do preço inicial. Ao longo do caminho, a Boeing lutou para atingir seus marcos e detecção de auditoria Que a NASA concordou em pagar um adicional de US$ 287 milhões à empresa para resolver esses atrasos e “garantir que a empresa continue como um segundo fornecedor de tripulação comercial”.

Starliner decola no topo do foguete Atlas V da ULA em dezembro de 2019.
Foto: NASA/Tony Gray e Kevin O’Connell

Quando finalmente chegou a hora de pilotar o Starliner, a Boeing não enfrentou nada além de obstáculos. Como parte de um acordo de tripulação comercial com a NASA, a Boeing deve lançar uma versão não tripulada da cápsula e colocá-la nas etapas reais de lançamento antes que os humanos subam a bordo. A Boeing tentou isso pela primeira vez em dezembro de 2019 com uma missão chamada OFT, ou Teste de Voo Orbital. Enquanto o Starliner foi lançado com sucesso no espaço no topo de seu foguete Atlas V, uma falha de software fez com que a cápsula lançasse incorretamente seus motores, Eu entrei na órbita errada. Os controladores da missão não conseguiram resolver o problema durante a falha de ignição devido a um Apagão de comunicação. No final, o Starliner não conseguiu chegar à Estação Espacial Internacional e a Boeing teve que trazer a cápsula para casa mais cedo Depois de apenas dois dias no espaço.

Mais tarde, a Boeing e a NASA revelaram que os engenheiros fizeram isso Já fixou um Em segundo lugar Versão de software em voo intermediário, o que poderia ter causado uma “falha catastrófica da nave espacial” durante o pouso se não fosse resolvido, de acordo com o Comitê de Segurança da NASA. Posteriormente, a NASA e a Boeing lançaram uma investigação completa sobre as questões da lei de comércio exterior e da cultura de segurança da Boeing. 80 recomendações que a Boeing deve abordar antes de voar novamente, como executar mais simulações e testar software integrado. A Boeing também optou por reiniciar o OFT – uma nova missão chamada OFT-2.

Enquanto a Boeing trabalhava para se preparar para suas missões, a SpaceX lançou com sucesso sua primeira tripulação humana em maio de 2020 e realizou cinco missões tripuladas para a NASA desde então.

tente novamente

A segunda tentativa da Boeing de lançar o Starliner deveria acontecer em agosto passado, um ano e meio após a falha da missão OFT. Depois de afirmar ter implementado todas as mudanças solicitadas pela NASA, a empresa lançou o Starliner na plataforma de lançamento na Flórida, prestes a ser lançada. Mas horas antes do horário programado para a decolagem da cápsula, a Boeing interrompeu a contagem regressiva.

A empresa descobriu que 13 das 24 válvulas do Starliner – usadas para transportar o combustível oxidado na cápsula – Eles estavam presos na posição errada. Enquanto a Boeing conseguiu liberar alguns dos fusíveis antes do horário programado de decolagem, alguns não cederam, e a empresa optou por devolver a cápsula à fábrica para uma inspeção mais detalhada. Levou meses para diagnosticar o problema e incluiu uma tomografia computadorizada (TC) das válvulas. A empresa acredita que algum oxidante nas válvulas pode ter vazado e misturado com a umidade do ar úmido da Flórida, Criando corrosão que impede que as válvulas abram corretamente.

A espaçonave Starliner da Boeing no início deste mês, antes da fusão no topo de um foguete Atlas V.
Foto: NASA/Frank Michaux

A Boeing diz que corrigiu o problema e está pronta para voar novamente. As válvulas do Starliner foram substituídas e a Boeing incluiu alguns reparos adicionais para garantir que a corrosão nunca ocorra novamente. Um selante foi adicionado para evitar a entrada de umidade nas válvulas, e a Boeing fez uma purga seca para remover qualquer umidade extra do sistema.

Originalmente, a Boeing indicou que as válvulas permaneceriam com o mesmo design. “Nós não redesenhamos a válvula neste momento”, disse Michael Parker, vice-presidente da Boeing e vice-gerente geral de espaço e lançamento, durante uma coletiva de imprensa. “Estas são as mesmas válvulas.” No entanto, após relatório em Reuters Fricção conjunta entre Boeing e Aerojet Rocketdynefabricante de válvulas, por causa da adesão, a Boeing reconheceu que a empresa ele é Considere redesenhar a válvula.

“A solução de curto prazo não foi reprojetar a válvula”, disse Naby durante uma coletiva de imprensa de acompanhamento. “Este sempre foi o caso. Como uma solução de longo prazo, estamos procurando opções por pelo menos um mês, se não mais, e incluiu o redesenho de válvulas como opção.”

o futuro

A partir de agora, as coisas parecem estar no caminho certo para o lançamento de quinta-feira. “Fizemos uma última volta de todas as válvulas [on Monday] “Todos eles funcionaram nominalmente, então estamos em ótima forma”, disse Naby.

Se a Boeing puder colocar o Starliner em órbita desta vez, a principal coisa que a empresa precisa provar é a capacidade do Starliner de se acoplar automaticamente à Estação Espacial Internacional. Esta é uma tarefa crítica que a cápsula terá que realizar em missões espaciais tripuladas. Steve Stitch, gerente de programa do Programa de Tripulação Comercial da NASA, disse durante uma conferência de imprensa. Se o lançamento for bem-sucedido, o Starliner tentará atracar na Estação Espacial Internacional na tarde de sexta-feira e sua porta será aberta no sábado de manhã. A cápsula permanecerá conectada à Estação Espacial Internacional por cerca de quatro a cinco dias antes de se desconectar e retornar à Terra, pousando em White Sands Missile Range no Novo México, Dugway Proving Ground em Utah, Edwards Air Force Base na Califórnia ou Willcox Playa no Arizona. .

Todos e todos, a Boeing realmente precisa que esse trabalho corra bem. Embora a empresa continue sendo um dos maiores parceiros da NASA, Seu futuro com a agência espacial é um pouco duvidoso. O trabalho da Boeing no foguete de próxima geração da NASA, o Space Launch System, continua sofrendo atraso após atraso, e seus custos de desenvolvimento aumentaram na última década. A Boeing também perdeu uma grande oferta multimilionária para construir um novo módulo de pouso humano da NASA para colocar pessoas na lua. Após uma série de contratempos em geral, a Boeing poderia usar a vitória do Starliner.

Após o lançamento, é hora de se preparar para colocar as pessoas a bordo do Starliner – e isso pode levar algum tempo, especialmente se a Boeing decidir redesenhar a válvula. O Comitê de Segurança da NASA também observou que havia “uma tremenda quantidade de trabalho a ser feito” entre o voo bem-sucedido do OFT-2 e um voo de teste com pessoas a bordo. “O comitê está satisfeito que, de todas as indicações, não há senso de necessidade de pressa”, disse Dave West, membro do Conselho Consultivo de Segurança Espacial da NASA, durante a reunião da semana passada.

Mas, no final, qualquer grande contratempo no Starliner também coloca a NASA em um beco sem saída. Enquanto a SpaceX provou sua capacidade de colocar tripulações em órbita para a agência espacial, a NASA Fazer Eu gosto de sobrar. Na última década, a NASA teve apenas um foguete russo Soyuz para colocar os astronautas em órbita, o que provou ser uma situação complicada quando um dos aviões Soyuz falhou durante o lançamento, levantando preocupações de que a NASA não tinha como levar astronautas ao espaço. Enquanto a NASA ainda está trabalhando para levar futuros astronautas a bordo das cápsulas russas Soyuz, as tensões entre os Estados Unidos e a Rússia tornam esse arranjo bastante tênue. Ter o Starliner da Boeing em jogo daria à NASA mais opções, algo que a agência sempre gostou de ser.

“Esta missão é um importante trampolim para a Boeing e a NASA, pois possibilitamos … um fornecedor de tripulação adicional para a Estação Espacial Internacional”, disse Joel Montalbano, gerente do programa da Estação Espacial Internacional da NASA, durante uma entrevista coletiva. “Consideramos esta uma viagem histórica.”