Dezembro 3, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Bruxelas preocupada com preços ‘excessivos’ das casas em Portugal – EURACTIV.com

As preocupações com o aumento dos preços das casas em Portugal, sinais de sobrevalorização e níveis de dívida pública e privada foram levantadas pela Comissão Europeia na terça-feira.

Em um comunicado Publicados No mecanismo de alerta de terça-feira, um exercício de rastreio dos riscos de possíveis desequilíbrios macroeconómicos, o executivo da UE refere: “Em Portugal, há preocupações quanto aos rácios da dívida das famílias e das empresas não financeiras, da dívida pública e externa em relação ao PIB. As taxas retomaram a sua trajetória descendente após a crise do COVID-19.”

“O crescimento nominal dos preços das casas está se acelerando e surgiram sinais de superfaturamento dos preços das casas”, acrescentou.

No relatório, Bruxelas concluiu que eram necessárias revisões aprofundadas em Portugal e nos outros 16 Estados-membros, e que, no caso de Portugal, os “desequilíbrios” macroeconómicos não só persistiram, como foram detetados mais cedo.

À medida que a economia da UE recupera da pandemia de Covid-19 e caminha para um abrandamento acentuado do crescimento sob pressões inflacionistas, Bruxelas destacou desde logo em Portugal, “preocupações crescentes quanto à evolução dos preços da habitação”.

“O crescimento nominal dos preços das casas aumentou de 8,8% para 9,4% em 2021. O crescimento nominal anual dos preços das casas aumentou para 13,2% no segundo trimestre de 2022. Estima-se que os preços das casas sejam 23% mais altos em 2021. Dois terços das hipotecas têm juros taxas de até um ano, apenas fixas”, lista a empresa.

Outras “preocupações significativas” prendem-se com a dívida pública, segundo a comissão, que alertou que “os riscos para a estabilidade financeira continuam elevados no médio prazo e no médio e longo prazo”.

READ  Consumo português exigiu 2,5 planetas

Quanto ao crédito privado, destacou o executivo social, “a vulnerabilidade da relação dívida/PIB das empresas não financeiras continua, embora em trajetória descendente”.

Ainda assim, frisou, “existem fatores de risco associados ao ambiente macroeconómico”.

Quanto à relação dívida/PIB das famílias, “embora vá cair em 2021 e continuar a cair no primeiro semestre de 2022, permanece acima dos benchmarks prudentes e fundamentais”.

Também na trajetória descendente estão “preocupações relacionadas com o setor bancário”, embora “existam algumas fragilidades”, diz Bruxelas, destacando a “proporção de empréstimos malparados”. [so-called non-performing loans] Continuou a sua trajetória descendente, mas manteve-se acima da média da UE.

Neste exercício anual, Bruxelas identifica os Estados-Membros que requerem uma análise aprofundada para avaliar se são afetados por desequilíbrios que requerem ação política, juntamente com o Relatório do Mecanismo de Alerta.

Além disso, a Comissão instou o governo português a “tomar as medidas necessárias”, garantindo que o Orçamento do Estado para 2023 seja “sustentável” com prudência fiscal, alertando para “riscos” de endividamento por défices e apoio familiar.

O executivo da UE publicou o ciclo do Semestre Europeu de coordenação das políticas económicas para 2023 com base nas previsões económicas de outono publicadas em meados de novembro.

(Ana Matos Neves, Lusa.pt)