Junho 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Coisas fantásticas para fazer na bela Lisboa

Sentamos em direção à praça sob um grande guarda-chuva, tomamos um gole de café e as pessoas observavam. Era meados de outubro, meados dos anos 70, tínhamos acabado de chegar a Lisboa e já havíamos entrado sem esforço no Dolce Vita. Passámos um longo fim-de-semana em Lisboa e já corríamos o risco de nos afogar na lona induzida por comida e bebida.

Chris Moore

Dia 1 (sexta-feira): Esta é a estação do monte

Depois de completar nossos procedimentos de imigração em nossa parada em Munique, deixamos o aeroporto de Lisboa, pulamos no banco de trás de um pequeno táxi e rumamos para o nosso hotel na Avenida da Libertad, semelhante à Champs Elysees, em Lisboa.

Uma mudança rápida e partimos para explorar esta capital histórica. Os carros passavam rápido na Avenida da Libertad, mas as avenidas largas, sombreadas e arborizadas dos dois lados tinham um efeito muito mais silencioso, e nossa velocidade rapidamente se tornou um passeio mais silencioso por entre as árvores. Não demorou muito para que parássemos completamente – tomamos uma cerveja em uma mesa aberta e tomamos banho de sol como se estivéssemos no meio de um parque.

Seguimos para a Baixa (centro histórico da cidade) e a Praça do Comércio – uma grande praça que já abrigou o palácio real. Em 1755, a cidade foi atingida pelo mais forte terremoto já registrado na Europa (8,5 na escala Richter) tsunami, resultando em perdas significativas de vidas e grande parte da cidade. As ruas foram então dispostas em um sistema de grade e esculpidas com pequenos ladrilhos de calcário preto e branco. Lisboa está rodeada de montanhas e leva-o a subir em todos os sentidos da zona ribeirinha. Caminhamos por muitas ruas íngremes de paralelepípedos, e as igrejas e fachadas dos prédios eram adornadas com azulejos deliciosamente coloridos. Em uma rua estreita, contornamos o famoso “Bonde 28” em uma esquina e percebemos que deve haver uma maneira melhor de medir as montanhas. Existe.

Elevador de Santa Justa em Lisboa, Portugal
Chris Moore

Dia 2 (sábado): Encontre os elevadores

Tínhamos organizado uma excursão particular de meio dia pela cidade com um guia local. Calçamos nossos sapatos de caminhada e nos preparamos para agir como um par de sherpas. Não precisamos nos preocupar. O nosso guia local não só nos atualizou com histórias fascinantes da história de Lisboa, mas o mais importante, levou-nos a todo o lado sem ter de subir montanhas durante todo o dia.

Começamos na grande Praga do Comorcio – logo no início. Estava quase todo deserto nas primeiras horas da manhã, exceto por fotógrafos ocupados arrebatando modelos em torno da estátua central de bronze do rei José I ou espiando as colunatas de escritórios do governo, vendedores e restaurantes ao redor. Tudo o que vimos em Pixa foi construído após o terremoto de 1755. A restauração do centro da cidade foi feita de forma incrivelmente rápida porque o projeto de construção usou apenas alguns modelos que foram replicados várias vezes – você olhava para ele assim que ele apontava para você e dizia “oh sim”.

READ  Portugal à beira da crise alimentar

Dica profissional: Obtenha um guia local para economizar seu esforço.

Pastel de creme;  Lisboa, Portugal
Pastel de nata (foto cortesia: Chris Moore)

Não andámos muito antes de pararmos para um Pastel de Natta – um pachadi tradicional português com creme de ovos salpicado de canela em Montecaria. Alguns dizem que este é o melhor lugar para obter esses dardos, eu não discutiria. Eles saem quentes da linha de produção manual e derretem na boca. Aparentemente, há 300 anos, as freiras locais usavam clara de ovo para engomar seus rituais, deixando a gema para outros fins. Misturado com farinha, leite e açúcar, o Pastel de Nada nasceu e hoje é consumido por milhares de pessoas.

Em seguida (na verdade) foi para o Siado – um bairro comercial da moda com boutiques, cafés e restaurantes. Nosso guia nos levou por uma estação de metrô e, usando suas escadas rolantes, trouxe-nos uma mola em nossos passos. Acenamos com a cabeça para os outros turistas que haviam escalado a montanha. Tomamos um café no Brasilro – o Café Art Déco de 1905, onde intelectuais costumavam passear pela Livraria Bertrand após outro desastre em Lisboa. Em 1988, um incêndio violento no Condado do Chiado parou a menos de 30 metros da loja. Guinness World Record hoje Livro do recorde mundial É a livraria mais antiga do mundo, fundada em 1732.

Uma curta caminhada levou-nos ao Largo do Carmo – uma praça bonita, pitoresca e sombreada com vestígios do espectacular Mosteiro Gótico do Convento do Carmo e, não menos espectacular mas mais importante, o quartel-general da Polícia Militar de Lisboa. Foi aqui, a 25 de abril de 1974, que o povo se reuniu para derrubar o governo ditatorial por meio de um golpe sem derramamento de sangue, e nasceu o Portugal moderno e democrático. A praça é facilmente acessível por um elevador Santa Justa de 30 metros da Pixa, onde os visitantes podem desfrutar das melhores vistas da cidade. As ruínas de um convento e igreja medievais do século XIV agora fazem parte de um museu arquitetônico e merecem uma visita.

Nenhuma visita a Lisboa estaria completa sem uma dose da tradicional marca de cereja portuguesa Jinjinha. Existem vendedores ambulantes onde você pode saborear o licor, mas fomos aconselhados a comprar “coisas de verdade” apenas em um ou dois pontos de venda furados no Rocio Plaza. A jinxinha é um barzinho espremido entre as lojas. Nós tentamos. Isso foi ótimo – nós o trouxemos para casa.

READ  Algarve na competição para o melhor lugar de praia do mundo
Chao Domingo em Lisboa, Portugal
Chris Moore

Apropriadamente fortificado, fomos à Igreja Barroca de São Domingos. Construída no século 13 e local de casamentos reais e execuções, esta igreja no andar de cima já sofreu muitos desastres. Foi danificado por um terremoto em 1531 e, novamente, em 1755, queimou em 1959. Hoje, os adoradores oram cercados por pilares e paredes de concreto danificadas pelo fogo. Isso está em total contraste com as igrejas adornadas com folhas de ouro que são adornadas em outras partes da cidade.

Fomos para Alfama, o bairro mais antigo de Lisboa – usando o elevador Costello e outro elevador perto do inofensivo supermercado. Estávamos sem fôlego e nosso guia acatou a sugestão. Vimos telhas vermelhas e excelentes vistas do rio Ducas de muitos Perspectivas (Skywalks). Orientamos através de uma base de colunas estreitas de pedra que poderiam ser fixadas em madeira. Ao entrarmos no Largo do Chafariz de Dentro, grandes grupos de turistas foram retirados do cruzeiro que chegava. Como areia em uma ampulheta, eles estavam prestes a esmagar as passagens de Alphama. O tempo é tudo – bebemos por isso.

Torre de Belm, Patrimônio da UNESCO
Chris Moore

Dia 3 (domingo): chamadas de sites da UNESCO

Hoje juntamos-nos a um pequeno passeio de grupo – oito pessoas – rumo a oeste para a Cindra, Cascais e a parte oeste do Capoe da Roca.

A cerca de 30 minutos de viagem de microônibus de Lisboa, Cindra tornou-se um destino de férias para a família real portuguesa a partir do século 15 e foi o destaque do palácio de contos de fadas de cor clara brilhante. Construído por Fernando II em 1800, o palácio é uma mistura de estilos de design, declarado Patrimônio Mundial da UNESCO e uma das Sete Maravilhas de Portugal.

Uma curta viagem nos levou à alegre cidade de Cinderela. Dominado pelo Grande Palácio Branco na Praça da Cidade, pedras verdadeiras são encontradas nas ruas estreitas e íngremes que sobem a partir da praça. Há muitos lugares fora para beber e comer, mas no verão esse lugar deve ser ombro a ombro. Recomendado para experimentar dois doces locais populares – Almofada E Quijatas. Os funcionários falam inglês e sabem exatamente o que os turistas são instruídos a solicitar aos seus guias turísticos. Esta é uma máquina bem oleada e vendida. Mas os pastéis estavam deliciosos.

READ  Na costa portuguesa, um local atraente para casas à beira-mar

A viagem de 15 minutos nos levou ao continente europeu: Capo da Roca. Ficamos parados e observamos as ondas do Oceano Atlântico colidirem com as rochas abaixo. Olhando para o horizonte, Washington DC parecia estar em algum lugar distante.

De volta a Lisboa, fomos a Belém assistir ao pôr do sol atrás da Grande Torre de Belém (outro Patrimônio Mundial da UNESCO e outro dos “Sete Grandes” de Portugal). Fizemos a contagem regressiva até a torre e pegamos o bonde. Sentindo falta do nosso guia, descobrimos que éramos turistas sem noção. Saímos do trem em Bellamy para ver que a torre era um ponto escuro no horizonte. Aviso aos demais: Desça no Centro Cultural de Belém. Comemorando a época dos descobrimentos portugueses nos séculos XV e XVI – navegamos através do grande monumento dos Descobrimentos e dirigimos o sol poente ao longo das margens do rio Dagas – endossamos brevemente Henrique, o Navegador, Vasco da Gama e Magalhães. . Chegamos à Torre Pelam no momento em que o sol estava se despedindo. Estávamos desfrutando de um momento tranquilo e romântico enquanto tentávamos recuperar o fôlego junto com a multidão que havia planejado melhor do que nós. Olhamos para trás e avistamos o iluminado e espetacular Mosteiro dos Jerônimos, e conquistamos o terceiro lugar entre os “Sete Grandes”. Vale a pena correr. Comemoramos com os tradicionais bolos de casaco e Vino Verde.

Dica profissional: Adquira o Lisboa Card para viagens ilimitadas em transportes públicos. Os tempos variam, mas o relógio começa a contar após o primeiro uso.

Bonde 28 em Lisboa, Portugal
Chris Moore

Dia 4 (segunda-feira): viva como um morador local

Em nosso último dia nos sentimos como habitantes locais, entramos e saímos dos bondes e almoçamos com os habitantes locais no parque. Visitámos a Barroca Basílica da Estrela e vimos vistas deslumbrantes – de cima, de dentro da majestosa cúpula, e do telhado de fora. Almoçamos em um pequeno café no Jardim Guerra Junqueiro, bem em frente à Basílica. Enquanto jantávamos neste oásis exuberante, os homens jogavam um dominó intenso e uma mulher fazia ioga na hora do almoço. Eu posso morar aqui. Mas tínhamos um trem para pegar.

Dica profissional: Fomos para o Porto. Por 25 euros (aproximadamente $ 28,25) esta rota de trânsito conveniente de 3 horas e 14 minutos entre as duas principais cidades de Portugal. Reserve seus lugares, pois esta rota é popular. Certifique-se de que tem o carro e o assento corretos, caso contrário, alguém o convidará educadamente para se mudar.

Portugal Existem várias opções de férias preferidas a seguir: