Maio 27, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

‘É mais profundo que a escravatura’: projeto de rua de Lisboa recupera a história negra desaparecida de Portugal | Portugal

‘É mais profundo que a escravatura’: projeto de rua de Lisboa recupera a história negra desaparecida de Portugal |  Portugal

Eu souFaça um pequeno passeio pela Catedral de São Domingos, em Lisboa, para ter uma noção da sua história centenária; Um monumento com uma estrela de David homenageia os milhares de judeus mortos por uma multidão em 1506, enquanto os pilares carbonizados da igreja apontam para o incêndio que devastou o seu interior em 1959.

No entanto, como sede de uma irmandade religiosa negra do século XVI, a profunda ligação da igreja com a população africana da cidade tem sido escondida da vista há muito tempo.

Desde o início do ano, a Associação Batoto Yetu, cujo nome em suaíli significa “os nossos filhos”, tem trabalhado para mudar esta situação, instalando 20 placas por Lisboa com o objetivo de reavivar a história africana da cidade.

“Esta é a história portuguesa”, disse Djuzé Neves do Batoto Yetu, apontando para uma pequena placa cor de marfim perto da igreja que fala da Irmandade Negra e dos seus esforços para promover os direitos dos negros em Lisboa. “Esta é uma história que foi apagada, silenciada, ignorada e branqueada”.

Consideradas um dos primeiros projetos do género na Europa, as placas oferecem um vislumbre da marca deixada por uma comunidade que existiu na cidade há séculos.

Uma placa no elegante bairro Guis du Sotre da cidade. Foto: Maria Abranches/O Observador

“É mais profundo do que apenas focar no vício”, disse Neves. As placas cobrem quase 500 anos de história, fornecendo um registro definitivo de uma sociedade que incluía tanto pessoas escravizadas quanto pessoas livres. Alguns eram médicos e jornalistas pioneiros, outros tinham competências técnicas úteis na indústria de construção naval local. Outros administravam a cidade vendendo de porta em porta de tudo, desde comida até carvão.

READ  Vacina da extrema direita em Portugal deixa de funcionar no Algarve – Politico

No Tereiro do Paso, praça repleta de turistas que hoje fica em frente ao porto da cidade, uma placa marca o local onde muitos africanos escravizados pisaram pela primeira vez na cidade.

Segundo a historiadora Isabel Castro Henriques, consultora do projeto, foi um ponto de partida que falou dos desafios singulares que a comunidade enfrentou. “Estes homens, mulheres e crianças foram despojados de tudo, tratados como mercadorias e desumanizados repetidamente”, disse ele. Apesar de tudo isto, rapidamente passaram a fazer parte do tecido rico da cidade, seja através do trabalho, da Igreja Católica ou da participação em eventos culturais.

No Terreiro do Pelourinho Velho, uma placa conta como era sede de um mercado do século XVI onde se vendiam escravos, enquanto outra no badalado bairro do Cais do Sodré menciona 10%. Em meados de 1500, a população da cidade foi escravizada.

Na praça central do Rocio, os turistas circulam em torno de uma placa que marca o local como um ponto de encontro de longa data para pessoas de ascendência africana que se reúnem na praça para vender os seus produtos e habilidades.

Para a Batoto Yetu, uma organização cultural centrada na juventude, o objectivo é promover uma sensação de bem-estar entre a considerável população de ascendência africana de Lisboa. “A ideia era mostrar que não estamos aqui porque os meus pais se mudaram de Santiago, Cabo Verde. Estamos aqui porque este é o nosso lugar, estivemos aqui”, disse Neves. “Para mostrar que não viemos como avatares vazios: trouxemos conhecimento”.

Djuzé Neves tem mais ideias para o futuro. Foto: Maria Abranches/O Observador

Anos depois Oferece passeios Examinando esta história, os membros da associação começaram a pensar em como alcançar mais pessoas. Decidiram instalar placas por toda a cidade, permitindo-lhes desafiar diretamente a forma como a história portuguesa – incluindo o colonialismo e a escravatura – comemora a vida negra ao longo dos séculos na cidade. “Não aprendemos nada sobre isso na escola”, disse Neves.

READ  Voos directos entre Lisboa e Boston

Eles começaram a ideia em 2018. As autoridades municipais logo assinaram o acordo, ajudando-os com algum financiamento. Enquanto Batoto Yetu traçava planos para 40 placas – posteriormente reduzidas para 20 devido aos custos – a epidemia espalhou-se e as eleições deram início a um novo presidente da Câmara. À medida que começaram a ocorrer atrasos, o custo do projeto aumentou, obrigando a associação a buscar doações.

Seis anos depois de Batoto Yetu apresentar a ideia, ela finalmente se tornou realidade. “Não deveríamos ter conseguido mais ajuda?” disse Neves. “Não temos poder, não temos dinheiro, não temos museus, recursos, historiadores – não é só para os africanos, é para todos.

O projecto beneficia Portugal ao compreender a melhor forma de enfrentar o seu passado colonial e de comércio de escravos. No mês passado, o presidente do país, Marcelo Rebelo de Sousa, sugeriu que Portugal deveria “pagar os custos” da escravatura e de outros crimes da era colonial, uma medida rapidamente rejeitada pelo novo governo de coligação de centro-direita do país.

Para Henriques, o debate mostra porque é que o momento é certo para projetos como o Plex. “A história dá voz aos negros e aos africanos hoje”, afirmou, descrevendo-a como uma ferramenta poderosa “para ajudar a dissipar os mitos e preconceitos que marcam e continuam a marcar a sociedade portuguesa”.

Com apenas mais uma placa para instalar, Neves já sonha com outras formas de tornar mais acessíveis as histórias há muito esquecidas da cidade. “É uma pequena contribuição”, disse ele. “Agora precisamos de objetivos maiores. Precisamos pensar em coisas concretas, como um museu ou livros escolares.