Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

EUA advertem contra responder a qualquer presença militar chinesa permanente em Solomon

EUA advertem contra responder a qualquer presença militar chinesa permanente em Solomon

SYDNEY/WASHINGTON (Reuters) – Uma delegação de alto nível dos Estados Unidos se reuniu com o líder das Ilhas Salomão nesta sexta-feira e alertou que Washington terá “grandes preocupações e responderá adequadamente” a quaisquer medidas para estabelecer uma presença militar chinesa permanente no Pacífico. Povo da ilha.

Um comunicado da Casa Branca disse que o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavari, assegurou à delegação visitante chefiada pelo coordenador da Casa Branca para a região do Indo-Pacífico Kurt Campbell que não haveria base militar, não haveria presença, e não haveria capacidade de demonstrar força sob um acordo de segurança. com a China.

A Casa Branca não deu nenhuma indicação de qual seria a resposta dos EUA a tal possibilidade, mas seu tom contundente indicou o nível de preocupação dos EUA que levou ao envio da missão de Campbell para a remota nação insular esta semana.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Se forem tomadas medidas para estabelecer uma presença militar permanente de fato, capacidade de projeção de poder ou instalação militar, a delegação indicou que os Estados Unidos terão preocupações significativas e responderão de acordo”, disse a delegação.

Os Estados Unidos confirmaram que acompanharão de perto os desenvolvimentos em consulta com os parceiros regionais.

O comunicado disse que a delegação dos EUA delineou medidas específicas que Washington tomaria para melhorar o bem-estar dos habitantes das Ilhas Salomão, inclusive acelerando a abertura de uma embaixada lá, aumentando a cooperação em munições não detonadas e enviando um navio-hospital Mercy para resolver problemas de saúde. Ela disse que Washington introduziria mais vacinas e impulsionaria as iniciativas climáticas e de saúde.

Ela disse que os dois lados tiveram “discussões substanciais” sobre o acordo de segurança com a China.

READ  O primeiro-ministro letão diz que as forças russas estão se movendo para o leste da Ucrânia, enquanto os EUA alertam que uma invasão em larga escala pode ser iminente

“Os representantes das Ilhas Salomão indicaram que o acordo tem apenas aplicações domésticas, mas a delegação dos EUA observou que existem potenciais implicações de segurança regional do acordo, inclusive para os Estados Unidos, seus aliados e parceiros”, disse o comunicado.

A delegação se reuniu com Sugavari na capital de Salomão, Honiara, dias depois que as Ilhas Salomão e a China anunciaram que assinaram um pacto de segurança, apesar de uma onda de ligações de Washington e seus aliados pedindo à nação insular que não vá adiante com um acordo que eles temem que se estenda demais. distante. A implantação do exército chinês na região.

As Ilhas Salomão ocupam uma posição estratégica no Oceano Pacífico e foram palco de algumas das batalhas mais sangrentas no teatro da Segunda Guerra Mundial.

Ignorando as preocupações internacionais, Sogavary disse ao parlamento na quarta-feira que o acordo não prejudicaria a paz. Consulte Mais informação

A Embaixada dos EUA em Papua Nova Guiné disse que Campbell discutiu o acordo de segurança com as vizinhas Fiji e Papua Nova Guiné antes de sua visita a Honiara.

Autoridades australianas disseram que a visita de Campbell provavelmente levou a China e as Ilhas Salomão a declarar que o acordo era um acordo final.

Embora Sugavari tenha descartado a possibilidade de hospedar uma base militar chinesa, os aliados dos EUA, Austrália e Nova Zelândia, expressaram preocupação de que o acordo interrompa a segurança regional, permitindo que navios navais chineses reabasteçam as Ilhas Salomão.

Detalhes completos não foram divulgados, mas o acordo permitirá que a polícia chinesa proteja projetos de infraestrutura financiados pela China depois que o país foi abalado por tumultos no ano passado, nos quais quatro pessoas foram mortas.

READ  Estados Unidos e outros se retiram das negociações da APEC sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia

Na sexta-feira, Sugavari se juntou ao embaixador da China, Li Ming, na entrega de um estádio de atletismo doado pela China, uma das instalações esportivas de US$ 120 milhões que a China pagou para ajudar as Ilhas Salomão a sediar os Jogos do Pacífico de 2023.

As Ilhas Salomão mudaram as relações diplomáticas de Taiwan para Pequim em 2019, e Sogavari disse em um discurso na cerimônia que a decisão “colocou o país no lado certo da história”.

Lee defendeu o acordo de segurança.

“Desenvolvimento e segurança são dois lados da mesma moeda. Sem segurança e proteção, os países não podem desfrutar de desenvolvimento sustentável e crescimento econômico. Isso foi demonstrado nos distúrbios do ano passado”, disse ele em um discurso.

Para a Austrália, o pacto de segurança levanta a possibilidade de uma presença militar chinesa a menos de 2.000 quilômetros (1.200 milhas) de suas costas. Consulte Mais informação

A Nova Zelândia e Tonga disseram que levantariam a questão na próxima reunião dos líderes do Fórum das Ilhas do Pacífico, enquanto o Japão planeja enviar seu vice-ministro das Relações Exteriores às Ilhas Salomão este mês, informou a Kyodo News.

Especialistas disseram que os Estados Unidos teriam poucas opções atraentes para responder a qualquer movimento chinês para estabelecer uma presença militar permanente nas Ilhas Salomão.

“Você poderia cortar a ajuda, o que levaria as Ilhas Salomão a um abraço mais chinês”, disse Din Cheng, especialista em China da conservadora Heritage Foundation em Washington.

Derek Grossman, analista sênior de defesa com foco na região do Indo-Pacífico da RAND Corporation, disse que os Estados Unidos também podem acelerar as oportunidades de estabelecer bases no nordeste da Austrália para monitorar as forças chinesas ou realizar mais patrulhas navais na região.

READ  Trump defende elogios a Putin mesmo chamando o presidente da Ucrânia de 'corajoso'

“Isso não significa que nenhuma dessas opções funcionará”, disse Grossman. “Provavelmente não funcionarão”. “Acho que os Estados Unidos e a Austrália chegaram muito tarde no jogo aqui, e a China conquistou seu primeiro ponto de apoio de segurança na Oceania”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Kirsty Needham em Sydney, David Bronstrom, Michael Martina e Chris Gallagher em Washington; Edição por William Mallard, Robert Percell e Jonathan Otis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.