Dezembro 8, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Europa fala sobre adesão ao embargo petrolífero russo

Europa fala sobre adesão ao embargo petrolífero russo
Os líderes da UE vão debater se despejam de longe o maior fornecedor de petróleo da região, já tendo se comprometido a fazê-lo. Cortar o uso de gás natural russo Em 66% este ano. Eles serão acompanhados quinta-feira pelo presidente dos EUA, Joe Biden, que está visitando a Europa para participar das cúpulas da União Europeia, da OTAN e do Grupo dos Sete.

O principal diplomata da UE disse que o bloco está pronto para impor mais sanções à Rússia, mas nenhuma decisão foi tomada em uma reunião de ministros de Relações Exteriores da UE na segunda-feira sobre se o alvo será especificamente a energia.

“Hoje não foi um dia para decisões nesta área, então nenhuma decisão foi tomada, mas esta e outras medidas possíveis estão sendo analisadas pelos ministros”, disse o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, a repórteres. Ele acrescentou que a questão das importações de energia russa foi levantada por vários Estados membros e “houve uma interessante troca de pontos de vista e informações sobre este assunto”.

A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo, depois da Arábia Saudita, e apesar do impacto chocante sem precedentes Sanções financeiras ocidentais e embargo anunciados pelos Estados Unidos e Reino Unido, ainda ganhando Centenas de milhões de dólares por dia das exportações de energia.

“Acho que é inevitável começar a falar sobre o setor de energia. Certamente podemos falar sobre petróleo porque é a maior receita para o orçamento russo”, disse o ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrieleus Landsbergis, ao chegar a Bruxelas para as negociações de segunda-feira.

Outros países da União Europeia apoiam a ideia de atingir o ativo mais valioso da Rússia com sanções.

READ  Protestos eclodiram com o retorno das eleições filipinas para Marcos à presidência

“Dada a extensão da devastação na Ucrânia no momento, é muito difícil – na minha opinião – provar que não devemos entrar no setor de energia, particularmente petróleo e carvão, em termos de boicote ao comércio normal”, disse O ministro das Relações Exteriores da Irlanda, Simon Coveney.

Atualmente, a União Europeia depende da Rússia para cerca de 40% de seu gás natural. A Rússia também fornece cerca de 27% das importações de petróleo e 46% das importações de carvão.

O que a Alemanha fará?

No início deste mês, os líderes da União Europeia disseram que o bloco ainda não poderia se juntar aos Estados Unidos na proibição do petróleo russo, devido ao impacto que teria nas famílias e indústrias que já enfrentam um aumento recorde de preços. Em vez disso, eles disseram que trabalhariam em direção a um O prazo é 2027 para acabar com a dependência do bloco na energia russa.

Há também o risco de a Rússia retaliar restringindo as exportações de gás natural. O vice-primeiro-ministro Alexander Novak disse este mês que Moscou pode cortar o fornecimento de gás para a Alemanha através do gasoduto Nord Stream 1 como punição. Berlim está bloqueando o novo projeto de gasoduto Nord Stream 2.

No entanto, a opinião política pode se intensificar na Europa à medida que a Rússia intensifica seus ataques a cidades ucranianas, matando centenas de civis e forçando milhões a fugir de suas casas.

Muito voltará para países como a Alemanha, maior consumidor de energia da Rússia na Europa, bem como para outros países que compram grande parte de seu gás, como Hungria e Itália.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Barbock, disse que o país está “trabalhando a toda velocidade” para acabar com sua dependência da Rússia, mas que, como alguns outros países da UE, não pode parar de comprar petróleo russo no dia a dia.

READ  Ataques ucranianos aumentam a pressão sobre aliados ocidentais sobre sistemas de defesa aérea

“Se pudermos fazer isso espontaneamente”, disse ela.

Mesmo sem uma proibição da UE – e qualquer contra-ataque russo em potencial – o mundo enfrenta seu maior choque de fornecimento de energia em décadas, De acordo com a Agência Internacional de Energia. Ele disse na semana passada que a Rússia pode ter que cortar a produção de petróleo bruto em 30% a partir do próximo mês devido à queda na demanda.

Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Austrália já proibiram as importações de petróleo russo, afetando quase 13% das exportações da Rússia. Os movimentos das principais companhias de petróleo e bancos internacionais para parar de negociar com Moscou após a invasão forçam a Rússia a oferecer seu petróleo com um grande desconto.

A Agência Internacional de Energia, com sede em Paris, que monitora o fornecimento de energia para as principais economias avançadas do mundo, disse que a produção russa pode cair 3 milhões de barris por dia.

“As implicações de uma possível perda das exportações russas de petróleo para os mercados mundiais não podem ser subestimadas”, disse a Agência Internacional de Energia em seu relatório mensal.

Arnaud Siad e Alex Hardy contribuíram para este artigo.