Fevereiro 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Mulheres treinam para combater fogo com fogo em Portugal

Mulheres treinam para combater fogo com fogo em Portugal

Paredes de Coura (Portugal) (AFP) – Mulheres de todo o mundo reuniram-se esta semana no noroeste de Portugal para praticar a técnica tradicional de queimar deliberadamente terras para evitar incêndios florestais exacerbados pelas alterações climáticas – que mataram centenas de pessoas em toda a Europa.

Publicado em: Mudado:

2 minutos

Nas colinas acima da cidade portuguesa de Paredes de Coura, as mulheres usavam lâmpadas gotejadoras para atear fogo aos matagais e criar pastagens para o gado.

“O que estas mulheres estão a aprender aqui é o uso do fogo tradicional, o fogo que os nossos antepassados ​​usavam para renovar pastagens e controlar materiais inflamáveis”, disse Cristina Azurara, coordenadora regional norte do Instituto Português de Gestão do Fogo. AGIF.

Os incêndios florestais em Portugal em 2017 mataram mais de 100 pessoas e queimaram montanhas cobertas de pinheiros e eucaliptos. Em toda a Europa, ondas de calor cada vez mais intensas enegreceram milhares de hectares de terra nos últimos dois anos.

Em comparação com os incêndios florestais, os incêndios denominados incêndios prescritos ou controlados “têm um impacto menor na Terra e ao mesmo tempo criam mais biodiversidade”, afirma o especialista e formador em incêndios rurais Emmanuel Oliveira.

Queima deliberada de terras evita incêndios e aumenta a biodiversidade © PATRÍCIA DE MELO MOREIRA/AFP

A técnica identifica quais árvores queimar com base no clima, na umidade das plantas e na dispersão da fumaça.

Cerca de 40 bombeiros e investigadores vieram de 20 países para o primeiro Women's Traditional Fire Training Exchange (WTREX) da Europa, fundado nos Estados Unidos em 2016.

Papéis emergentes das mulheres

A WTREX visa aumentar o papel das mulheres na gestão de incêndios tradicionalmente dominada pelos homens.

READ  Os airbnbs mais bonitos de Portugal

“Venho de um país onde, durante muito tempo, as mulheres só podiam trabalhar em escritórios ou locais que não fossem externos”, diz a estudante mexicana Laura Ponce, 39 anos. “Aqui trazemos. ”

O programa permite que as mulheres façam networking, sejam mentoras e forneçam treinamento prático, diz Lenya Quinn-Davidson, diretora da WTREX.

Uma rede de mulheres de 40 países para impedir incêndios florestais mortais
Uma rede de mulheres de 40 países para impedir incêndios florestais mortais © PATRÍCIA DE MELO MOREIRA/AFP

“Trabalhar lá é um trabalho árduo, especialmente se você não se encaixa nos moldes”, diz Quinn-Davidson, vestindo sua jaqueta amarela à prova de fogo e capacete vermelho.

“Mas cada vez que fazemos um destes eventos, alguém se apresenta e diz: ‘Quero fazer isso onde moro’. Então, no ano passado, fizemos eventos na África do Sul, no Canadá, nos Estados Unidos.

Em 2017, um incêndio florestal mortal queimou os pinheiros e os eucaliptos que cobriam as montanhas portuguesas.
Em 2017, um incêndio florestal mortal queimou os pinheiros e os eucaliptos que cobriam as montanhas portuguesas. © PATRÍCIA DE MELO MOREIRA/AFP

O bombeiro australiano Martin Parker, 41 anos, acrescenta: “Embora tenhamos boas práticas e muita experiência, internacionalizando-nos e num grupo diversificado, penso que posso ganhar mais experiência e conhecimento”.

Os participantes deste ano foram recebidos pelo governo português, que aumentou dez vezes o seu investimento na prevenção de incêndios após os incêndios florestais de 2017.

Os dados da AGIF reduziram em um terço a área queimada por incêndios florestais entre 2018 e 2022.