Maio 20, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

NASA revela sua mais recente sonda para procurar vida extraterrestre

NASA revela sua mais recente sonda para procurar vida extraterrestre

A sonda de US$ 5 bilhões está atualmente no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, na Califórnia.

Pasadena, Estados Unidos:

Na quinta-feira, cientistas espaciais americanos revelaram a sonda planetária que a NASA pretende enviar para uma das luas geladas de Júpiter como parte da busca da humanidade por vida extraterrestre.

A nave espacial Clipper está programada para decolar em outubro para Europa, uma das dezenas de luas que orbitam o maior planeta do sistema solar, e o local mais próximo na nossa vizinhança celestial que poderia fornecer um lar para a vida.

“Uma das questões fundamentais que a NASA quer compreender é: estamos sozinhos no universo?” Bob Pappalardo, cientista do projeto na missão, disse à AFP.

“Se conseguirmos encontrar as condições certas para a vida, e um dia encontrarmos vida num lugar como Europa, isso significa que no nosso sistema solar existem dois exemplos de vida: a Terra e a Europa.

“Isso seria enorme para a compreensão de quão difundida a vida está em todo o universo.”

O veículo espacial de 5 bilhões de dólares está atualmente no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, na Califórnia, em uma “sala limpa” – uma área fechada acessível apenas a pessoas que usam coberturas da cabeça aos pés.

As precauções destinam-se a garantir que a sonda permaneça livre de contaminantes para evitar o transporte de micróbios terrestres para a Europa.

Após a transferência para o Centro Espacial Kennedy, na Flórida, o Clipper está programado para ser lançado a bordo de um Space

Em 2031, deverá estar em órbita ao redor de Júpiter e Europa, onde iniciará um estudo detalhado da Lua, que os cientistas acreditam estar coberta de água congelada.

“Temos instrumentos como câmeras, espectrômetros, magnetômetros e radares que podem penetrar no gelo, ricochetear na água líquida e retornar à superfície para nos dizer a espessura do gelo e onde está a água líquida.” disse Pappalardo.

READ  Novas espécies de dinossauros com armas pequenas como o T. rex foram descobertas

Os gestores da missão não esperam encontrar homenzinhos verdes a nadar na água — na verdade, nem sequer procuram a vida em si, apenas as condições que a poderiam sustentar.

Os cientistas sabem, a partir de ambientes extremos na Terra – como fontes geotérmicas carentes de luz localizadas nas profundezas da calota polar – que pequenas criaturas podem encontrar abrigo em quase qualquer lugar.

As condições em Europa, que tem aproximadamente o tamanho da Lua da Terra, poderiam proporcionar um habitat semelhante, oferecendo a tentadora possibilidade de não estarmos sozinhos – nem mesmo no nosso próprio sistema solar.

“Se as luas que orbitam exoplanetas forem capazes de sustentar vida, então o número de oportunidades em torno do sistema solar, em todo o universo, onde a vida poderia se estabelecer, aumentará dramaticamente”, disse Jordan Evans, gerente do projeto Europa Clipper. uma tarefa.

Desafios

Não é fácil, pois um forte campo de radiação em torno de Europa poderia degradar os instrumentos, que receberão o equivalente a 100.000 raios X do tórax em cada órbita ao redor da lua.

As vastas distâncias significam que, quando o Clipper enviar seus dados de volta, levará 45 minutos para que o sinal chegue ao controle da missão.

Apesar de seu enorme painel solar, que entra em ação assim que chega ao espaço, manter o Clipper alimentado será um grande desafio, disse Evans.

Ele disse: “Imediatamente após o lançamento, (os painéis solares) produzem 23.000 watts, mas quando estamos fora de Júpiter, longe do Sol, eles produzem apenas 700 watts”.

“Perto da Terra, eles podem fornecer energia para 20 casas continuamente. E quando estamos em Júpiter, apenas algumas lâmpadas e alguns pequenos eletrodomésticos.”

READ  Veja fotos de Netuno com foco no telescópio Webb

A missão, que começou a ser planeada no final da década de 1990, deverá terminar por volta de 2034, altura em que o Clipper provavelmente terá atingido o fim da sua vida útil.

A sonda terá então um porto de escala final: a maior lua de Júpiter, disse Tim Larson, vice-diretor do projeto.

“Depois de terminarmos a missão científica, a forma como a terminamos é colidindo com um dos outros objetos do sistema jupiteriano para nos livrarmos da espaçonave”, disse ele.

“Neste momento, o plano é ir para Ganimedes.”

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)