Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

No Dia da Vitória para a Rússia, Putin enfrenta a opção de mobilização geral de soldados

No Dia da Vitória para a Rússia, Putin enfrenta a opção de mobilização geral de soldados
Espaço reservado ao carregar ações do artigo

RIGA, Letônia – Antes do feriado mais patriótico e sombrio da Rússia, o Dia da Vitória na segunda-feira, não houve vitória na guerra contra a Ucrânia, mas há muitos rumores de que o presidente Vladimir Putin ordenará uma mobilização geral de soldados para garantir uma.

Analistas veem a mobilização como a melhor esperança da Rússia para mudar a situação e derrotar a Ucrânia, fortalecendo as forças desmoralizadas e empurrando-as de volta à guerra. Mas o que está em jogo – reconhecer que a campanha militar até agora foi um fracasso e acender a dissidência doméstica – pode ser muito grande.

Vários altos funcionários russos tentaram acabar com os rumores. “Não, não. Posso dizer isso no ar e fora dele”, disse Vyacheslav Volodin, o presidente do parlamento russo, em comentários na quinta-feira à Rádio Russa.

A Rússia comemora a vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazista em 9 de maio com um desfile, fogos de artifício e discursos, mas este ano todos os olhos estão voltados para Vladimir Putin. (Vídeo: Jason Aldagh/The Washington Post; Foto: Heidi Levine para The Washington Post/Washington Post)

No dia anterior, duas figuras misteriosas na cidade petrolífera siberiana de Nizhnevartovsk deixaram suas mentes claras sobre o recrutamento. Um deles, vestindo um moletom cinza e calças camufladas, jogou sete coquetéis molotov em um centro de recrutamento militar local, enquanto o outro registrou o incidente – uma das seis bombas modernas. incêndio culposo Ataques a escritórios de recrutamento russos. Vários ataques levaram à prisão de jovens russos.

A campanha militar de 10 semanas da Rússia não deveria ir tão longe.

No dia da invasão, a jubilosa Margarita Simonyan, editora-chefe da estatal RT, sabedoria Que a campanha russa foi apenas um “ensaio padrão” para o Dia D. “Este ano eles decidiram realizar o show em Kiev”, escreveu ela no Twitter, usando a grafia russa para a capital ucraniana, Kiev.

Em aldeias ucranianas, sussurros de cooperação com os russos

Mas os esforços da Rússia para combinar o Dia D – sua celebração da vitória soviética sobre os nazistas na Segunda Guerra Mundial – com sua vitória em sua guerra contra o que Moscou chama de “nazistas” na Ucrânia falhou em capturar Kiev. A ocupação do estratégico porto ucraniano de Mariupol representa um raro sucesso russo, mas as ruínas bombardeadas da cidade proporcionam um cenário desagradável para um desfile. Sergei Kirienko, chefe da administração presidencial russa, descartou a realização de um desfile oficial do Dia da Vitória na quinta-feira.

READ  As mudanças climáticas aumentaram a probabilidade de uma onda de calor na Índia em 100 vezes

Ao longo dos anos, Putin usou o feriado para legitimar seu governo cada vez mais autoritário, explorando o mito da Rússia como um país que nunca conquistou ninguém, lutou apenas em legítima defesa e sozinho salvou o mundo dos nazistas na Segunda Guerra Mundial. a um custo impressionante de 27 milhões de russos mortos na guerra.

Putin usará este dia para justificar sua guerra contra a Ucrânia e enfatizar, acredita ele, a missão histórica da Rússia de combater o fascismo. Tatiana Stanovaya, Presidente da R.

O problema estratégico que a Rússia enfrenta hoje é que a sociedade russa não estava preparada para uma guerra longa e custosa. Ela queria uma vitória rápida e decisiva, que Putin não pode dar aos russos.

Na cidade natal do operário Zelensky, o presidente elogiou a “crucificação”

Stanovaya disse que se Putin declarar guerra total e mobilizar os recrutas, levará pelo menos seis meses para treiná-los. Também seria uma admissão de que a “operação militar especial”, como Moscou chama a invasão, disse ela, foi um fracasso, e “Putin não pode admitir isso”. “Não há indicações de que o Kremlin esteja pronto para passar de uma operação militar especial para uma guerra.”

Até agora, a Rússia dependia principalmente de soldados que voluntariamente assinaram contratos para o serviço militar. Autoridades russas haviam prometido anteriormente não enviar recrutas para a batalha, embora alguns o tenham feito.

Falando à TV Current Time, financiada pelos EUA, o analista militar russo Ruslan Leviev, do grupo analítico independente de código aberto CIT, disse que a mobilização parcial pode ajudar a Rússia a assumir o controle do leste da Ucrânia, onde a maior parte dos combates está agora concentrada.

Igor Girkin, o ex-oficial de inteligência russo que liderou uma milícia separatista na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, no levante de 2014, alertou repetidamente que, sem mobilização geral, a Rússia enfrenta uma guerra prolongada com grandes perdas e possibilidade de derrota.

READ  Ucrânia: russos se retiram de Kharkiv, região leste

“No nosso caso, a mobilização é necessária para vencer a guerra que chegamos aos nossos ouvidos”, disse ele em comentários no mês passado na mídia social russa VKontakte, acrescentando que o futuro da Rússia depende disso.

Corrida contra o tempo na Ucrânia enquanto a Rússia avança e o Ocidente envia armas

Mas Dmitriy Alperovich, presidente do Silverado Policy Accelerator, com sede em Washington, disse em uma entrevista que a mobilização seria impopular e arriscada. “Se você tiver uma mobilização geral”, disse ele, “todo mundo na Rússia conheceria alguém ou teria um marido, filho, sobrinho ou parente indo lutar”.

Se Putin pedisse uma mobilização geral, “a Rússia estaria em uma guerra muito longa”, disse Phillips O’Brien, professor de estudos estratégicos da Universidade de St Andrews, na Escócia, em entrevista. “Primeiro os russos terão que treinar os treinadores para treinar todas essas pessoas.”

Este ano, Putin enfrenta uma tarefa mais delicada e difícil do que nos dias anteriores de vitória. Embora a mídia russa tenha ignorado amplamente as perdas da Rússia no campo de batalha, elas foram significativas. A Rússia perdeu um grande número de tanques, veículos blindados, aeronaves e navios de guerra, principalmente Moskva, a capitânia de sua Frota do Mar Negro, que foi destruída por ajuda da inteligência dos EUA. Entre 7.000 e 15.000 soldados russos foram mortos, de acordo com para a Organização do Tratado do Atlântico Norte Apreciação.

A reputação da Rússia como potência militar líder foi seriamente prejudicada e o país enfrenta um isolamento econômico debilitante que provavelmente durará anos.

Em Kharkiv, um turno de 24 horas com paramédicos em meio ao bombardeio russo

O desfile do Dia da Vitória deste ano será menor e mais modesto do que nos anos anteriores, com menos equipamentos de desfile e nenhum convite para chefes de Estado amigos, nem mesmo o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, que Criticar Quinta-feira a forma como a guerra continuou.

Mas para muitos russos, como Valentina, de 79 anos, sacrifícios e sucessos ainda estão se aproximando – e reforçando o apoio à guerra na Ucrânia.

READ  G7 proíbe importações de petróleo russo; Os Estados Unidos acrescentam sanções

“O Dia da Vitória é nosso feriado sagrado. Eu sempre choro nesse dia”, disse Valentina, sentada em um banco em um parque de Moscou com dois amigos na sexta-feira. Ela se recusou a dar seu sobrenome. “Eu era jovem. Meu tio foi morto. Foi terrível. Muitas pessoas morreram, muitas cidades foram destruídas, mas nosso país, a União Soviética, venceu essa guerra e celebramos os heróis em 9 de maio.”

Ela então repetiu a propaganda anti-ucraniana promovida por Putin e pela mídia russa, alegando que os ucranianos estavam assediando e matando falantes de russo por muitos anos. Nosso presidente fez a coisa certa quando enviou tropas para lá. Somos um povo pacífico, mas algo tinha que ser feito.”

O analista Stanislav Belkovsky, falando ao site We Can Explain associado ao magnata dos negócios exilado Mikhail Khodorkovsky, previu que Putin usaria o feriado para prometer nunca deixar o leste da Ucrânia e daria o nome de “Novorussia” ou Nova Rússia a uma fatia da Ucrânia território ao longo do Mar de Azov.

Stanovaya disse esperar que Putin confirme suas queixas sobre o apoio ocidental à Ucrânia e possa intensificar seus esforços para intimidar o Ocidente, por exemplo, com mais testes de mísseis com capacidade nuclear.

Com o esforço de guerra vacilante, comentaristas da televisão russa reclamaram que a Rússia está lutando com as mãos amarradas nas costas para evitar baixas civis – ao contrário das evidências – e alegaram que a assistência ocidental, incluindo armas e inteligência, está puxando a luta.

Stanovaya disse que eles se concentram na “ideia de que a Rússia é vítima das ações injustas e hostis do Ocidente”. Isso significa que Putin não precisa realmente oferecer alguns ganhos aos russos. É o suficiente para ele continuar falando sobre a missão histórica da Rússia de combater o fascismo”.

Marie Ilyushina contribuiu para este relatório.